Marcelo Centenaro

@mrcentenaro

Entrevista com o prof. Wellington Cidade, da ETEC Basilides de Godoy

A ETEC “Basilides de Godoy”, na Vila Leopoldina, em São Paulo, foi reaberta no dia 12 de maio de 2016, por iniciativa dos alunos, pais e funcionários, após ter ficado invadida durante dez dias.

A Reaçonaria esteve na escola no dia seguinte. Conversei com o professor Wellington Cidade, Coordenador de Informática. Quando cheguei, havia um carro da Polícia Militar estacionado em frente à entrada. Um segurança perguntou quem eu era, com quem iria falar e qual o assunto. O clima era de alerta. Enquanto conversávamos, uma pessoa da Secretaria fazia a relação dos pais que se ofereceram para ficar de vigília na escola, se necessário. O professor me passou fotos dos computadores vandalizados, mas não imagens dos alunos limpando e arrumando o que foi danificado, para não expô-los. Segue a entrevista.

Wellington Cidade

Professor Wellington Cidade

Reaçonaria: Quantos invasores estavam dentro da ETEC quando houve a retirada?

Professor Wellington Cidade: De dez a doze pessoas, no máximo.

Reaçonaria: A identidade das pessoas que invadiram é conhecida? São alunos?

Prof. Wellington: Tínhamos, no máximo, três alunos. O resto era tudo desconhecido. Muitas pessoas desconhecidas, durante a semana toda.

Reaçonaria: Como aconteceu a reabertura da escola? O sr. estava presente?

Prof. Wellington: Sim, eu estava presente. Na verdade, eles estavam permitindo a entrada dos alunos do noturno e de alguns professores. Direção e Coordenação não podiam entrar. Os alunos e os pais do diurno e do noturno não achavam isso justo.

Então fizeram uma grande manifestação. Marcaram de se reunir no dia 12 às 17h00. Vieram muitos pais e muitos alunos do diurno que não podiam assistir aulas. E nessa, começaram a falar “Não, a escola é nossa” e entraram. Quebraram os cadeados e foram entrando. Fizeram uma corrente e foram tirando todas as coisas deles aqui de dentro e colocando lá fora. E foram tirando os outros um a um, sem violência. Claro que houve bate-boca, mas nada que machucasse alguém. Não teve nada assim.

Reaçonaria: Houve resistência? Eles tiveram alguma dificuldade de tirar os invasores?

Prof. Wellington: Muita, muita. Os alunos do Médio, que são da mesma faixa etária que eles, fizeram uma corrente e foram empurrando-os até o final do corredor. Foram levando, fizeram uma corrente igual a polícia faz, o Choque, e foram levando para fora.

Reaçonaria: Os pais e os alunos estavam bem preparados para fazer isso ou foi uma coisa decidida no momento?

Prof. Wellington: Não, foi uma coisa decidida na hora. Eles vieram para fazer uma manifestação. Mas todo mundo quis entrar. Todo mundo quis os mesmos direitos. Se eles podem estar lá dentro, os alunos acharam que também podiam. Quando entramos, nos decepcionamos. Muita bagunça, muita coisa quebrada. Roubaram discos rígidos de servidores, mexeram nas câmeras. A Coordenação estava completamente fora de ordem e a Secretaria, destruída. Tinha alguns materiais, eu não sei se eles queriam fazer tochas. Ainda está muito judiado aqui, muito bagunçado. Tinha colchões espalhados, fizeram muitas barricadas com carteiras e mesas. Tinha também muita comida que eles ganhavam de doação, daria para mais ou menos uns dois meses.

Reaçonaria: Será que é possível punir os responsáveis pelos furtos e pelas depredações?

Prof. Wellington: Olha, a maior parte deles nós não sabemos quem são.

Reaçonaria: Mas e os alunos envolvidos? É possível puni-los?

Prof. Wellington: A escola ainda vai decidir sobre isso. O Conselho da escola é que vai decidir o que vai fazer. Ainda devemos receber orientações do Centro Paula Souza. O governador quer saber quem foram as pessoas que invadiram a escola.

Reaçonaria: Vocês estão preparados para impedir que eles voltem?

Prof. Wellington: Sim, nós contratamos segurança privada e estamos tendo apoio da Polícia. O governador deu o aval e a Polícia pode retirar qualquer invasor. Além disso, estamos preparados com seguranças e, se alguém entrar, vamos chamar a Polícia e a Polícia vai tirar. Eles têm de ser retirados em até 24 horas.

Reaçonaria: Que mensagem você tem a dizer sobre tudo o que aconteceu na ETEC “Basilides de Godoy”?

Prof. Wellington: É muito triste, é uma situação triste, porque nós sabemos que os jovens têm total direito de reivindicar, de fazer suas manifestações, como eu mesmo disse a eles, eles têm o direito a isso. Porque faz parte você se manifestar e buscar os seus direitos. Mas existem maneiras, formas de você fazer isso. Não ocupando, destruindo coisas, e acabar queimando a imagem da escola. Não é assim, existem outras maneiras. Fico muito triste com essa situação.

Servidor cujos HDs foram furtados pelos invasores

Servidor cujos HDs foram furtados pelos invasores

Aborto e Controle Populacional, por Fernanda Fernandes Takitani

Em 28 de abril de 2016, Fernanda Fernandes Takitani deu a palestra Aborto e Controle Populacional, no 2º Ciclo de Palestras Santa Generosa.

A palestra é um relato das ações de entidades internacionais como a Rockefeller Foundation, Ford Foundation, MacArthur Foundation e outras na promoção do controle populacional, por uma gama de medidas que inclui a expansão do aborto em todo o mundo.

Essas fundações vem patrocinando estudos sobre demografia, criando cursos de mestrado e doutorado nessa área e impingindo a idéia neomalthusiana de que vivemos um crescimento populacional insustentável, que deve ser combatido vigorosamente, sob pena de haver uma explosão de miséria e de guerras. Uma das grandes ferramentas desse combate ao crescimento populacional é o aborto.

Essas fundações tiveram intensa participação na criação de entidades no Brasil, como o CEBRAP, CEDEPLAR, NEPO e ABEP, entre muitas outras. Quando a MacArthur Foundation se retirou do Brasil, fez uma doação final às entidades CFÊMEA, Rede Feminista de Saúde, Cunhã, ECOS e GTPOS.

Fernanda

A palestra pode ser vista aqui, no canal do YouTube da Paróquia Santa Generosa.

Fernanda Takitani participou do 1º Ciclo de Palestras Santa Generosa, apresentando Ideologia de Gênero: Raízes Históricas e Filosóficas.

O 2º Ciclo de Palestras Santa Generosa foi organizado pelo professor Rodrigo Gurgel.

Fernanda e Marcelo

Não percam as próximas, às quintas-feiras, às 20h00. No salão da Paróquia, à R. Afonso de Freitas, 49, Paraíso, São Paulo, ou pelo YouTube, com transmissão ao vivo pelo link https://www.youtube.com/watch?v=LIGVNvRHQ-8.

  • 12 de maio — Dom Mathias Tolentino Braga — Tema: “A vida monástica no século XXI”

    (Dom Mathias Tolentino Braga é Abade do Mosteiro de São Bento, em São Paulo. Cadete aviador da Força Aérea Brasileira e engenheiro eletrônico formado pelo ITA, ingressou, em 1993, no Mosteiro de São Bento, onde ocupou os cargos de formador de noviços, professor de filosofia e celereiro, responsável pelo patrimônio da abadia. Foi escolhido Abade em abril de 2006.)

  • 19 de maio — Leonardo T. Oliveira — Tema: “Quando a música fala: o conteúdo da forma na música clássica”

    (Leonardo T. Oliveira é professor de grego antigo e latim, mestrando em Letras Clássicas pela USP e autor do site Euterpe — Blog de Música Clássica . Como pesquisador, tem experiência em teoria da música grega antiga e em lírica grega arcaica. Estuda piano clássico há mais de dez anos.)

  • 2 de junho — Padre Fábio Fernandes — Tema: “A unidade do Rito Romano”

    (Padre Fábio Fernandes é sacerdote diocesano incardinado em São Paulo. Amante da sagrada liturgia, estuda e perscruta as riquezas do Rito Romano em sua tradição, formas e sacralidade. É capelão da Beneficência Portuguesa.)

  • 9 de junho — Flavio Morgenstern — Tema: “Choque de iconoclastas: a civilização e os bárbaros no século XXI”

    (Flávio Morgenstern é escritor, analista político e tradutor. Autor do livro Por trás da máscara: do passe livre aos black blocs, as manifestações que tomaram as ruas do Brasil, em que analisa os protestos brasileiros e a política de massas. Escreve para o jornal Gazeta do Povo e diversas outras publicações online. É criador e editor do Senso Incomum.)

  • 16 de junho — Silvio Medeiros — Tema: “Redescoberta da virtude e renovação política do Brasil”

    (Sílvio Medeiros é publicitário formado pela PUC-PR. Acumula 15 anos de experiência na área criativa, tendo passado pelas principais agências de publicidade do país, como Loducca, FCB, JWT e FischerAmérica. Recebeu os principais prêmios do mundo na área, sendo que no mais importante deles, o Festival de Cannes, já foi 12 vezes finalista e 4 vezes vencedor. Entre os clientes para os quais trabalhou estão: Ford, Unilever, Bayer, Honda, Nestlé, HSBC, Allianz e Coca-Cola.)

  • 23 de junho — Roberto Mallet — Tema: “Ação poética e Poética da ação”

    (Roberto Mallet nasceu em Porto Alegre, RS, em 1957. É ator, professor de teatro e tradutor. Em 1992 fundou em São Paulo o Grupo Tempo, com o qual dirigiu vários espetáculos. É professor de interpretação e improvisação no Departamento de Artes Cênicas da Universidade de Campinas – UNICAMP desde 2002. Em 2015 criou o projeto online Encontre Sua Própria Voz.)

  • 30 de junho — André Assi Barreto — Tema: “Eric Voegelin e as religiões políticas”

    (André Assi Barreto é graduado e mestre em Filosofia pela USP, professor das redes pública e privada de ensino da cidade de São Paulo, incluindo o Centro Paula Souza. Também atua como tradutor e assessor editorial.)

  • 7 de julho — Alexandre Borges — Tema: “Política, ideologia e imprensa”

    (Alexandre Borges, 45 anos, é carioca, publicitário e diretor do Instituto Liberal. Em 2009, foi comentarista político do programa semanal “Assembléia Geral” na extinta Ideal TV, da Editora Abril. Em 2013, criou uma página no Facebook, na qual escreve sobre política, que hoje é uma das mais populares do país, com mais de 60 mil seguidores e ultrapassando 4 milhões de usuários. Nos dois últimos anos, fechou 2 contratos com a Editora Record: um livro dedicado ao tema da política brasileira do século XX e outro sobre o liberalismo. Seu podcast, o “Contexto”, com Bruno Garschagen e Felipe Moura Brasil, chegou ao primeiro lugar em “Notícias e Política” na iTunes Store Brasil em todos os episódios.)

Humanæ Vitæ: o calvário de Paulo VI, pelo Pe. José Eduardo

Em 14 de abril de 2016, o Pe. José Eduardo de Oliveira e Silva deu a palestra Humanæ Vitæ, o calvário de Paulo VI, parte do 2º Ciclo de Palestras Santa Generosa. A encíclica publicada em 1968 determinou a posição da Igreja Católica sobre os métodos contraceptivos.

Na época do Concílio Vaticano II, a Igreja precisava formular melhor sua doutrina sobre o Matrimônio. A encíclica Gaudium et Spes, de 1965, cumpriu essa função, mas não se manifestou sobre a questão dos anticoncepcionais orais. O papa João XXIII criou, em 1963, a Comissão para o Estudo da População, Família e Natalidade, incumbida de estudar esse problema. A Comissão não conseguiu consenso e encerrou seus trabalhos sem chegar a uma conclusão. Paulo VI escreveu então a encíclica Humanæ Vitæ, com o auxílio dos cardeais Martelet e Colombo, que integraram a Comissão.

A encíclica considera que “toda a ação que, ou em previsão do ato conjugal, ou durante sua realização, ou também durante o desenvolvimento de suas conseqüências naturais, se proponha, como fim ou como meio, tornar impossível a procriação” deve ser excluída pelos católicos. Diz ainda que “se, portanto, existem motivos sérios para distanciar os nascimentos, que derivem ou das condições físicas ou psicológicas dos cônjuges, ou de circunstâncias exteriores, a Igreja ensina que então é lícito ter em conta os ritmos naturais imanentes às funções geradoras, para usar do matrimônio só nos períodos infecundos e, deste modo, regular a natalidade, sem ofender os princípios morais que acabamos de recordar.”

A palestra pode ser vista aqui, no canal do YouTube da Paróquia Santa Generosa.

O 2º Ciclo de Palestras Santa Generosa foi organizado pelo professor Rodrigo Gurgel.

Pe José Eduardo

Não percam as próximas, às quintas-feiras, às 20h00. No salão da Paróquia, à R. Afonso de Freitas, 49, Paraíso, São Paulo, ou pelo YouTube, com transmissão ao vivo pelo link https://www.youtube.com/watch?v=LIGVNvRHQ-8.

  • 12 de maio — Dom Mathias Tolentino Braga — Tema: “A vida monástica no século XXI”

    (Dom Mathias Tolentino Braga é Abade do Mosteiro de São Bento, em São Paulo. Cadete aviador da Força Aérea Brasileira e engenheiro eletrônico formado pelo ITA, ingressou, em 1993, no Mosteiro de São Bento, onde ocupou os cargos de formador de noviços, professor de filosofia e celereiro, responsável pelo patrimônio da abadia. Foi escolhido Abade em abril de 2006.)

  • 19 de maio — Leonardo T. Oliveira — Tema: “Quando a música fala: o conteúdo da forma na música clássica”

    (Leonardo T. Oliveira é professor de grego antigo e latim, mestrando em Letras Clássicas pela USP e autor do site Euterpe — Blog de Música Clássica . Como pesquisador, tem experiência em teoria da música grega antiga e em lírica grega arcaica. Estuda piano clássico há mais de dez anos.)

  • 2 de junho — Padre Fábio Fernandes — Tema: “A unidade do Rito Romano”

    (Padre Fábio Fernandes é sacerdote diocesano incardinado em São Paulo. Amante da sagrada liturgia, estuda e perscruta as riquezas do Rito Romano em sua tradição, formas e sacralidade. É capelão da Beneficência Portuguesa.)

  • 9 de junho — Flavio Morgenstern — Tema: “Choque de iconoclastas: a civilização e os bárbaros no século XXI”

    (Flávio Morgenstern é escritor, analista político e tradutor. Autor do livro Por trás da máscara: do passe livre aos black blocs, as manifestações que tomaram as ruas do Brasil, em que analisa os protestos brasileiros e a política de massas. Escreve para o jornal Gazeta do Povo e diversas outras publicações online. É criador e editor do Senso Incomum.)

  • 16 de junho — Silvio Medeiros — Tema: “Redescoberta da virtude e renovação política do Brasil”

    (Sílvio Medeiros é publicitário formado pela PUC-PR. Acumula 15 anos de experiência na área criativa, tendo passado pelas principais agências de publicidade do país, como Loducca, FCB, JWT e FischerAmérica. Recebeu os principais prêmios do mundo na área, sendo que no mais importante deles, o Festival de Cannes, já foi 12 vezes finalista e 4 vezes vencedor. Entre os clientes para os quais trabalhou estão: Ford, Unilever, Bayer, Honda, Nestlé, HSBC, Allianz e Coca-Cola.)

  • 23 de junho — Roberto Mallet — Tema: “Ação poética e Poética da ação”

    (Roberto Mallet nasceu em Porto Alegre, RS, em 1957. É ator, professor de teatro e tradutor. Em 1992 fundou em São Paulo o Grupo Tempo, com o qual dirigiu vários espetáculos. É professor de interpretação e improvisação no Departamento de Artes Cênicas da Universidade de Campinas – UNICAMP desde 2002. Em 2015 criou o projeto online Encontre Sua Própria Voz.)

  • 30 de junho — André Assi Barreto — Tema: “Eric Voegelin e as religiões políticas”

    (André Assi Barreto é graduado e mestre em Filosofia pela USP, professor das redes pública e privada de ensino da cidade de São Paulo, incluindo o Centro Paula Souza. Também atua como tradutor e assessor editorial.)

  • 7 de julho — Alexandre Borges — Tema: “Política, ideologia e imprensa”

    (Alexandre Borges, 45 anos, é carioca, publicitário e diretor do Instituto Liberal. Em 2009, foi comentarista político do programa semanal “Assembléia Geral” na extinta Ideal TV, da Editora Abril. Em 2013, criou uma página no Facebook, na qual escreve sobre política, que hoje é uma das mais populares do país, com mais de 60 mil seguidores e ultrapassando 4 milhões de usuários. Nos dois últimos anos, fechou 2 contratos com a Editora Record: um livro dedicado ao tema da política brasileira do século XX e outro sobre o liberalismo. Seu podcast, o “Contexto”, com Bruno Garschagen e Felipe Moura Brasil, chegou ao primeiro lugar em “Notícias e Política” na iTunes Store Brasil em todos os episódios.)

Página 4 de 3312345678910...202530...Última »