O que realmente aconteceu em Guarulhos

Os militantes da Ideologia de Gênero tentaram agredir vereadores em uma audiência pública sobre o tema, em Guarulhos, mas a imprensa nacional diz que os vilões são os pais e mães que lá estiveram para se manifestar pacificamente contra a Ideologia de Gênero.

Os opositores da Ideologia de Gênero que estiveram na audiência em Guarulhos foram classificados pela imprensa como “fundamentalistas”, “ultraconservadores”, etc, pelo simples fato de se manifestarem contra o aparelhamento ideológico da educação fundamental.

Ao contrário de Mônica Bergamo, a especialista em fofoca da Folha, eu estive lá e verifiquei empiricamente que os verdadeiros fundamentalistas eram os militantes que tentaram agredir vereadores e impediram a fala do bispo diocesano, Dom Edmilson Amador Caetano.

Confira as confusões neste vídeo

É como se pais e mães não tivessem o direito de opinar sobre a educação de seus próprios filhos; apenas os militantes teriam esse direito sagrado. Por quê? Porque eles são militantes, ora essa! E assim a mídia trata como aceitável o aparelhamento ideológico.

Para responder a todas essas mentiras, trago abaixo o depoimento do jovem guarulhense Bruno Maria Otenio, morador daquela cidade que esteve na audiência, e que tem mais autoridade do que qualquer jornalista para relatar o que realmente ocorreu:

Bruno Otenio faz intervenção na audiência em Guarulhos

Bruno Otenio faz intervenção na audiência em Guarulhos

“No dia 20 de maio de 2015 ocorreu na Câmara Municipal de Guarulhos uma audiência pública cujo assunto em pauta seria “a inserção da Ideologia de Gênero no Plano Municipal de Educação (PME)”.

Nesta audiência seriam realizadas duas palestras sobre o tema da Ideologia de Gênero, o que infelizmente não aconteceu!

Sim, os convidados a explicarem ao povo sobre a tal Ideologia foram: Profº Felipe Nery – Presidente do Observatório Interamericano de Biopolítica e militante contrário à referida ideologia – e a Profª Silvia Moraes, da UNIFESP, favorável a inserção desta ideologia.

Pois bem, como disse, deveriam acontecer duas palestras sobre o tema, mas só aconteceu uma. Infelizmente a Profª Silvia Moraes não falou do tema gênero talvez, o que acho mais provável, porque não tivesse argumentos suficientes.

Ora, o Profº Felipe Nery fantasticamente apresentou, de forma clara e pedagógica, o que é a Ideologia de Gênero, quais eram as intenções escondidos nesta tentativa de aparelhar a educação e as consequências da sua implantação. Ele apresentou dados de cada país cuja degeneração tem sido visível devido à arbitrariedade de tal absurdo ideológico.

O professor Felipe Nery realizou palestra na famigerada audiência

O professor Felipe Nery realizou palestra na famigerada audiência

 

A Profª Silvia apenas se ateve ao famoso “discurso apelativo, emocional e provocativo”, sem dados, sem conceituações, mas imbuída de sentimentalismos e vitimismos.

Mas o foco mais intrigante desta audiência não foram as colocações de ambos palestrantes, mas a irreverente presença de militantes da Marcha das Vadias, Marcha da Maconha, Coletivo Maria Bonita, Coletivo Fora de Ordem entre outros, que sem um senso mínimo de educação pública causaram confusão e passaram vergonha!

A confusão se deu exatamente por aquilo que eu chamo de “histeria coletiva de analfabetos sociais”. Ora, a Ideologia de Gênero tem por objetivo a desconstrução dos conceitos de sexualidade (masculino e feminino), substituído pela “não-identidade”, isto é, você é ensinado a ser o que você quiser ser, sem necessidade de afirmar alguma sexualidade, pois estas não existem, são invenções culturais.

A própria biologia é colocada em cheque. Absurdo!

As consequências psicológicas também são desconsideradas. E claro a extinção da Família é evidente. Mas os militantes favoráveis a tal ideologia, de forma ignorante, se puseram a defender tal proposta levantando bandeiras feministas e dos lobbys LGBT’s.

O mais hilário é que essas conotações sexuais serão excluídas se for aprovado o ensino de gênero nas escolas, pois não há sexualidade que se possa assumir – segundo os ideólogos.

A Ignorância foi tamanha, que jovens feministas (sic) pediam a exclusão de qualquer ideologia ao tempo que também vociferavam: “retira, retira, retira essa machista, América Latina vai ser toda feminista” (sic). Ora, não queremos ideologia? Mas o que seria o feminismo? A Marcha das Vadias e o Lobby LGBT?

Pediram tanto respeito, mas no momento em que o Bispo Diocesano de Guarulhos, Dom Edmilson Amador Caetano foi se pronunciar, as militantes levantaram suas vozes, com visível ira e raiva, chamando-o de pedófilo, inquisidor, assassino de bruxas! Toda essa hostilidade fez com que o mesmo desistisse de se pronunciar.

Dom Edmilson Caetano, da Diocese de Guarulhos, teve o discurso interrompido

Dom Edmilson Caetano, da Diocese de Guarulhos, teve o discurso interrompido

(Confira aqui o discurso que Dom Edmilson foi impedido de pronunciar)

É importante frisar que o grito, a histeria, a confusão, a desordem são os principais instrumentos usados por tais grupos em qualquer instancia de manifestação e pedido de direitos. Bom este efeito desastroso tem por causa a postura irônica e cínica da Profª Silvia Moraes, que sem argumentos, apenas agitou a sua “galera”.

O que mais me surpreende é que nossas crianças são vistas como instrumentos de uma reengenharia sociocultural que tem por “defensoras” militantes que se autodenominam “vadias”.

Apesar das inúmeras demonstrações de ira da parte da “molecada militante das várias marchas ideológicas”, a verdade prevaleceu.

Os católicos demonstraram força e presença. Alguns evangélicos também se fizeram presentes, e pessoas de bem sem religião puderam finalmente ver quem, de fato, são essas pessoas que levantam uma bandeira que causará a destruição de sua própria ideologia e, pior, causará a extinção total da própria família! Lamentável, mas real. É o mundo tal como desconstruíram!

Encerro meu depoimento com a profética fala de C.S. Lewis em seu livro “Abolição do Homem”:

“A natureza humana será a ultima parte da Natureza a se render ante o homem. A batalha estará então vencida, daí por diante, seremos livres para fazer da nossa espécie aquilo que desejarmos. A batalha estará definitivamente vencida. Mas a pergunta é: quem exatamente a terá vencido?”

 

Loading...

6 comentários para “O que realmente aconteceu em Guarulhos

  1. Edu Porto

    Essa gente já não esconde mais o seu desejo de poder, mesmo que isso signifique passar por cima da lógica mais elementar. Não é possível defender ao mesmo tempo ideologia de gênero, afirmar que a sexualidade é construção sexual e no instante seguinte defender o feminismo e o gaysismo. Se não existem gêneros não se pode pedir direitos baseado no gênero como caso do feminismo e no caso do gaysismo, gays não existiriam pelo simples fato que atração pelo mesmo sexo seria impossível pela própria ideologia de gênero.

    Responder
    • Douglas

      Sempre pensei nisso. Não faz o mínimo sentido lógico lutar contra a violência exclusiva contra a mulher ao mesmo tempo que defende ideologia de gênero (que defende que homens e mulheres são exatamente iguais).

      Isso se chama Dialética. Comunistas usam o tempo todo para dominar todos os espaços e todos os discursos.

      Responder
  2. marcio carlos

    De onde será que tiraram essa “verdade” de que a gente é homem e mulher por conta do social? Algum cientista renomado? Algum sociólogo respeitável? Alguma produção cientifica de universidades de categoria reconhecida? Ah! Só as vadias é que “acham” isso? Não precisa falar mais nada

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *