Comissão de Educação rejeita Escola Sem Partido e apresenta Dia Estadual do Funk

Os deputados que integram a Comissão de Educação da Assembleia Legislativa de São Paulo decidiram votar contra o projeto de lei que instituí o programa Escola Sem Partido no Estado e, ao mesmo tempo, acolheram um projeto de lei que cria o Dia Estadual do Funk.

Sim, na mesmíssima reunião em que o psolista Carlos Giannazi condenou os projetos de Lei do Escola Sem Partido, o petista João Paulo Rillo apresentou relatório favorável ao projeto de lei que reconhece o funk como “movimento cultural”.

Confira na imagem a pauta da reunião da Comissão de Educação de 16 de agosto

Comissão de Educação: relatório contra Escola Sem Partido, e relatório favorável ao Dia Estadual do Funk

Comissão de Educação: relatório contra Escola Sem Partido, acima, e relatório favorável ao projeto que reconhece o Funk como “movimento cultural”, logo abaixo

Na sua oitava reunião ordinária do ano, em 16 de agosto, a Comissão de Educação acatou o um parecer do deputado Carlos Giannazi (PSOL) – que apoiou integralmente a invasão da ALESP no meio do ano – contra o Escola Sem Partido. Até mesmo os deputados do PSDB votaram com Giannazi, para quem a ALESP é “um puxadinho do governo Alckmin”.

Confira na imagem a lista dos deputados que votaram contra o Escola Sem Partido

Deputados da Comissão de Educação da ALESP que votaram contra o Escola Sem Partido

Deputados da Comissão de Educação da ALESP que votaram contra o Escola Sem Partido

Giannazi se baseou no “parecer técnico” da militante travestida de procuradora federal Deborah Duprat, para escrever um parecer ideologizado e repleto de inverdades e equívocos graves contra os projetos de lei do Escola Sem Partido que tramitam na Casa.

(Deborah Duprat foi denunciada pelo Movimento Escola Sem Partido ao Conselho Nacional do Ministério Público por sua postura de militante no exercício do cargo de procuradora).

Com seu parecer contrário, Giannazi tentou enterrar o projeto de Lei nº 960/2014, do deputado José Bittencourt (juntado ao projeto de lei 1301/2015 do deputado Luiz Fernando Machado), que instituiria o programa Escola Sem Partido nas escolas de São Paulo.

O impressionante na lista dos que votaram contra o Escola Sem Partido é a presença dos tucanos Roberto Engler e Welson Gasparini, além do pastor evangélico Gilmaci Santos (PRB), que apresentou um voto de texto tipicamente militante contra o projeto.

Gilmaci não se ofendeu com o projeto que instituí o Dia Estadual do Funk.

O "pastor" Gilmaci Santos votou contra o Escola Sem Partido

O “pastor” Gilmaci Santos votou contra o Escola Sem Partido

Funk

Na mesma reunião, a Comissão de Educação que acolheu o parecer de Giannazi contra o projeto de Lei Escola Sem Partido rendeu votos favoráveis ao projeto de lei nº 1395, da deputada comunista Leci Brandão, que presenteia a população paulista com o “Dia Estadual do Funk”.

Confira na imagem abaixo os deputados que votaram pelo Dia Estadual do Funk

Deputados da Comissão de Educação da ALESP que votaram a favor do Dia Estadual do Funk

Deputados da Comissão de Educação da ALESP que votaram a favor do Dia Estadual do Funk

A presidente da Comissão de Educação, deputada Rita Passos (PSD), votou contra o projeto de lei Escola Sem Partido e a favor do projeto que visa criar o Dia Estadual do Funk.

Rita Passos, à esquerda, votou pelo funk e contra o Escola Sem Partido

Rita Passos, à esquerda, votou pelo funk e contra o Escola Sem Partido

Na justificativa do projeto de lei, diz a deputada Leci Brandão:

“Ao definir o dia 7 de julho como o Dia Estadual do Funk, esse projeto de lei pretende reconhecer que essa legítima manifestação cultural e musical de caráter popular é digna do zelo do Poder Público”

Ou seja, os membros da Comissão de Educação e Cultura da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, não estão interessados em combater o assédio ideológico em sala de aula, mas em garantir a propagação da cultura que anima os pancadões nas periferias.

Os membros da Comissão de Educação da ALESP estão lutando por um mundo onde exista forte propagação do funk entre os jovens combinada com a doutrinação ideológica.

É este o padrão de educação&cultura que eles defendem na Assembleia Legislativa.

(É claro, a deputada comunista Leci Brandão votou contra o Escola Sem Partido. O projeto de lei dela, felizmente, recebeu um pedido de vistas e ainda não saiu da comissão. Mas os votos favoráveis que recebeu o respaldam para uma futura vitória na Comissão.)

Segue abaixo os contatos dos membros da Comissão de Educação. Clique nos nomes para obter seus contatos. Que tal pressioná-los?

Gilmaci Santos (PRB)

Rita Passos (PSD)

Roberto Engler (PSDB)

Welson Gasparini (PSDB)

João Paulo Rillo (PT)

Marcia Lia (PT)

Aldo Demarchi (PP)

Rodrigo Moraes (DEM)

Adilson Rossi (PSC)

Leci Brandão (PC do B)

Carlos Giannazi (PSOL)

 

Loading...

8 comentários para “Comissão de Educação rejeita Escola Sem Partido e apresenta Dia Estadual do Funk

  1. dudu

    São um bando de porcos olhando para as suas lavagens e cag.ando e andando para a vontade do povo trabalhador. Enfiem esse dia do funqui no c. das suas mães, nobres “representantes”…

    Responder
  2. Alexandre Sampaio

    Merecemos tudo o que está acontecendo! Somos nós que votamos nessas merdas! Muitos dos que reclamam, sequer recordam-se em quem votaram. Todo castigo para brasileiro é pouco!

    Responder
  3. Octavio Franca

    Os inimigos do movimento “Escola Sem Partido” sabem que se esta pauta for aprovada, será o fim do projeto comunista no Brasil. Daí a resistência que eles fazem de forma sistemática, a ponto de aprovar qualquer merda que apareça em seu lugar.

    Responder
  4. Teresinha Neves

    Absurdo!!!! #Vergonhoso!!!!
    Que país é este?
    A escola quer mandar na educação dos nossos filhos!!!!
    “Quem pariu os filhos que eduque”!!!
    Será que a frase, acima, só vale para quando fazem rebeldia ou desobedecem os professores???
    Por que, quando os alunos infringem uma regra da escola os pais são chamados? Se eles são responsáveis pela educação dos filhos, para corrigir, por que não são para ensinar?
    #Lamentável ver o relatório contrário ao #EscolaSemPartido e favorável ao #Diado Funk.
    #AcordaBrasil!!!! Marquem os nomes desses deputados que não respeitam as ideologias politico religiosa dos pais.
    #AcordaIgreja!!!! Marquem os nomes dos deputados evangélicos que foram contrários ao #EscolaSemPartido e a favor do #DiaDoFunk.
    Deputado ADILSON ROSSI – lamentável!!!!

    Responder
  5. joseane Reichemback

    Esses deputados não tem vergonha na cara mesmo . comunistas dos infernos . digam adeus a seus mandatos. meus filhos não são marionetes de professores descerebrados .

    Responder
    • Guilherme

      ERRADO, esta casa deve ser extinta!

      As únicas funções destes criminosos é nomear ruas e retirar liberdades. Nem sendo muito idiota para defender a existências dessas excrescências.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *