Lula Inflável, brilha uma estrela (na Papuda)

Desde o dia 16 de agosto a economia deteriorou-se mais um pouco, a inflação não dá sinais de recuo, o desemprego aumentou, Michel Temer saiu da articulação política do governo, Dilma e Renan fizeram o acordão, Janot foi reconduzido ao cargo de Procurador-Geral da República, mas nada disso foi mais notícia que o bonecão do Lula, também conhecido como Lula Inflável ou Pixuleco.

O que era para ser uma grande ilustração das manifestações de 16 de agosto tornou-se meme nas redes sociais e objeto de profundo ódio por parte dos petistas, especialmente do próprio homenageado e seus acólitos incrustados na Prefeitura de São Paulo.

Lula Inflado/pixuleco foi aplaudido, vaiado, xingado, trollado, filmado, fotografado, ameaçado, favoritado, curtido, retuitado, comentado, cuspido, hackeado e esfaqueado.

Por que um boneco inflável despertou tamanha comoção?

Inicialmente, por gerar imagens de impacto numa manifestação que, embora gigantesca, sofreu a cobrança equivocada de ser maior que as manifestações de 15 de março. Os números de 16 de agosto não foram maiores, mas a imagem do Lula inflado ganhou o mundo. Até então, estávamos no campo da indignação bem humorada. Seriam dois, três, cinco dias de piadas e gozações na internet, e o tema se esgotaria.

Mas as esquerdas, o PT e, principalmente, Lula, não engoliram a piada. Nem poderiam, afinal o Lula Inflado era uma nódoa na hagiografia do líder petista, meticulosamente elaborada pelo próprio, seu partido e os milhares de colaboradores da imprensa e do meio artístico.

Lula é o símbolo da esquerda que deveria ser lembrado pelas fotos épicas das greves dos anos 70, pela intransigência pseudo-ingênua dos anos 80, pela transição ao pragmatismo dos anos 90 e pelo governo “pai dos pobres” dos anos 2002-2010. Incluir uma piada de 12 metros de altura com roupa de presidiário nessa história não cabe – a não ser se fosse para reforçar o mito de vítima da ditadura – e a esquerda não admite tal intromissão em seu roteiro. Retire das esquerdas o monopólio da verdade, da virtude; retire até o poder, mas não lhes retire o controle da narrativa. Os caras ficam malucos mesmo, desacorçoados.

O Lula Inflável representa exatamente isso: um passa-moleque na construção da narrativa mitológica de Lula. A reação das esquerdas só fez aumentar o prazo de validade da piada, que transformou-se em coisa séria. O boneco passou a ser requisitado em várias cidades do país. Criou-se uma logística de transporte e segurança em torno dele digna de celebridades. Ameaças a sua integridade pululam pelas redes sociais e blogs governistas.

Em São Paulo, o boneco passeou por pontes, foi esfaqueado e teve que circular pela Paulista com seguranças privados. Resultado? Matérias em jornais internacionais, persianas fechadas na Rede Globo, modelos de adesivos para imprimir em casa circulando pela internet e milhares de pedidos de miniaturas, chaveiros e toda sorte de replicação do mais novo ícone da indignação popular.

Não conformados com a perda da narrativa, os petistas agora querem acrescentar ao boneco o status de vítima do poder que por tanto tempo lhes serviu: interdições administrativas, ações proibitórias, uso da lei cidade limpa… censura, enfim. De alguma forma, querem impedir o boneco de circular e aparecer em espaços públicos. Se adentrarem na seara jurídico-administrativa, vão perder; se ganharem, perderão em dobro.

Lula Inflável é daquelas ótimas sacadas que parecem geração espontânea, mas são fruto de planejamento e perseverança de um grupo de anônimos, como nós, cansados de tanta corrupção, incompetência, autoritarismo e empáfia dos petistas no poder. Pessoas que resolveram dar um passo além de ir às ruas e agregaram à multidão amorfa um ponto de referência que resume, sem palavras, quem é o responsável por todo o descalabro que ora se descortina perante o país.

Graças à dificuldade que os petistas têm em lidar com a perda de protagonismo em protestos e manifestações populares, o pixuleco vem mantendo sua popularidade em alta, com possíveis desdobramentos que só farão crescer a notoriedade do anti-mito de vinil.

Mas não percamos o senso de perspectiva: o prazo de validade do pixuleco é limitado.

Seu efeito é o mesmo de um bom cruzado de direita no boxe: atordoa, mas não derruba. Sem uma sequência de ações semelhantes, bem planejadas, impactantes, viralizantes, a derrocada de Dilma e do PT do poder não se acelera.

Lula inflável já fez mais pela queda de Dilma que toda a oposição do Congresso. Natural, afinal Lula inflável é a nossa representação direta.

2 comentários para “Lula Inflável, brilha uma estrela (na Papuda)

  1. Ventura

    Esse boneco foi uma sacada d gênio. Ele conseguiu derrubar a imagem d lula ñ somente n mídia internacional mas também n cabeça d brasileiro senso comum q ñ acompanha o q está acontecendo.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *