O PT é entreguista

O movimento esquerdista sempre definiu os políticos pró-privatização como entreguistas. Eles estariam sob a influência e dominação dos Estados Unidos ou das multinacionais, entidades que influenciariam a decisão dessas pessoas com o intuito de dominar os “setores estratégicos”, os de “interesse nacional”.

Obviamente isso fica apenas na retórica e, com o ganho de eficiência e modernização, os setores privatizados foram aceitos pela população, que passou a ter acesso aos serviços que antes eram restritos às pessoas de posses.

Uma situação hipotética: você ganha ciência de que instalações da empresa estatal do seu país estariam sob perigo de serem nacionalizadas, ou seja, tomadas à força, por um país vizinho; e, ao invés de condenar a ideia, garante que não responderá ao ataque. Isso seria algo além de entreguismo? Não um entreguismo retórico, utilizado pela esquerda latino-americana para fomentar o ódio aos EUA e à privatização, mas um ato puro de permitir que outro país tomasse a empresa do seu Estado, com a desculpa de isso ser do interesse geral do povo latino-americano.

O então presidente Lula, por ser membro do Foro de São Paulo, aceitou que Evo Morález, outro membro do Foro, nacionalizasse a Petrobras – aquela que existe apenas para impedir a dominação das multinacionais do petróleo – na Bolívia. Ele, ao saber das intenções de Evo antes deste se tornar presidente, deu aval e garantiu que o Brasil não revidaria.

Confira no vídeo a partir de 2:30:25, em que o próprio Lula conta o acontecido:

– Presidente Lula, como vocês se comportariam se nós nacionalizássemos a Petrobras?

– O gás é de vocês, o petróleo é de vocês. Portanto, vocês fazem o que vocês quiserem.

E o financiamento do porto de Mariel, em Cuba? E o financiamento de metrô na Venezuela? Todos empréstimos feitos pelo BNDES, o banco que deveria servir para fomentar a indústria nacional.

Nada disso foi sem querer ou decidido em cima da hora. Foram anos de articulação e movimentações políticas para eleger membros do Foro. Em 2:30:20 do vídeo acima, Lula afirma que se não fosse o governo do PT no Brasil, Evo teria encontrado muitos problemas para aplicar suas políticas, já que uma “elite retrógrada queria que o Brasil fosse duro com a Bolívia”.

A utilidade do PT no poder é evidente: utilizar o Estado brasileiro, ou melhor, entregar o dinheiro do povo brasileiro, para financiar regimes socialistas dos companheiros de continente.

Leia também:

 Antes de Lula doar refinarias para a Bolívia, Petrobras investiu US$ 1,5 bilhão no país

Revisado por Maíra Adorno @mairamadorno

Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *