O que é impossível na política brasileira?

No ano de 2004, quem falasse que Lula se tornaria amigo íntimo de empreiteiros, que os obrigaria a pagar-lhe prêmios como apartamentos a beira-mar, sítios luxuosos e a construção de um prédio em sua própria homenagem, certamente seria chamado de louco.

Quando Olavo de Carvalho começou a falar sobre o Foro de São Paulo, foi chamado de louco. Todos fomos conhecendo a organização aos poucos e, a primeira reação da esquerda e da imprensa na época, era falar que aquilo era ilusão nossa. Com o tempo o discurso mudou para “sim, ele existe, só que não faz tudo isso que vocês falam”. Até que vimos o avanço de implementação de ditaduras com idênticas estratégias – eventualmente conflitivas entre si – na Venezuela, Equador, Bolívia e Nicarágua. E vimos que os países dessa aliança também foram usados como rota criminosa e praça de atuação das empreiteiras aliadas a Lula (e do narcotráfico).

Entre de 2008 e 2009, ninguém poderia supor que Reinaldo Azevedo viraria um serviçal vulgar partidário como agora, muito menos que defenderia e abriria tanto espaço para criminosos, como fez em relação à Odebrecht. E vimos então ele passar a inventar versões, inventar interlocutores, receber releases de ministros do STF para divulgar como opinião própria e até chegar ao cúmulo de defender um novo imposto.

Nos anos do Mensalão, quem imaginaria que Demóstenes Torres era aliado de um bicheiro que também era aliado do governo Lula? Que ele levava informações privilegiadas a esse bandido?

Em 2004, Aécio Neves já deixava claro que sua ambição era estritamente pessoal, mas quem de nós imaginaria que no meio do caso do Mensalão ele atuaria para ocultar provas contra si e também para impedir o andamento das investigações contra o PT?

Em 2004 e 2005, Palocci era endeusado pela Folha, Estadão e Veja, que nos diziam que o ministro, que nunca trabalhara com economia, tinha uma perspicácia raríssima, além de ser um homem correto que ouvia os melhores conselhos para agir. Quem imaginaria que este homem estava enriquecendo ilicitamente, que cometeria crimes em suas três passagens por ministério e era um dos maiores bandidos do PT?

Do que seria chamado quem dissesse, em 2010, que Guido Mantega agia criminalmente, usava todo peso do cargo de Ministro da Fazenda para pressionar doadores, extraviar recursos mundo afora e seria o gerente das propinas pessoais de si e de Lula?

Alguém poderia supor que um empreiteiro investigado pressionaria a presidente da República para escolher determinado novo ministro para o Superior Tribunal de Justiça com o intuito específico de livrá-lo, em instâncias superiores, das condenações que já estavam como inevitáveis nas mãos de Sérgio Moro? Mais ainda, quem poderia imaginar que, enquanto essas tratativas ocorriam, um colunista de oposição, como Reinaldo Azevedo, repetiria com entusiasmo que as instâncias superiores certamente revogariam as ações de Sérgio Moro?

Quem imaginaria que o Supremo Tribunal Federal se dobraria diante de Renan Calheiros em nome da governabilidade de uma presidência do PMDB?

O nosso quadro institucional é caótico, tomado por bandidos e mentirosos. É sob esta realidade que se prova a maior das loucuras eliminar de imediato a hipótese da morte de Teori Zavascki ter sido armada por investigados. No Brasil de hoje, a grande surpresa será descobrirmos que o ocorrido em Angra dos Reis foi apenas acidente.

Revisado por Maíra Pires @mairamacpires

2 comentários para “O que é impossível na política brasileira?

  1. Carvalho

    Acho ótimo esse trabalho de resgatar o passado brasileiro. As mudanças são tantas e tão rápidas que realmente fica difícil lembrar as mudanças de lado, exemplo máximo sendo o Reinaldo Azevedo que endoidou de vez. Os videos dele viraram uma histeria só.

    Acho difícil ter sido atentado a queda do avião. Deve-se investigar, é claro, mas se for investigado por brasileiros já sabemos que o resultado sairá daqui a alguns anos e dirá que foi acidente.

    Que não esqueçamos também o quanto estranho era a situação e as companhias do ministro. Será que juiz do STF deveria voar em jatinho de amigo dono de hotel, viajando para a casa de praia do amigo, tendo massoterapeuta de 23 anos como companheira de viagem? Isso nem é discutido e se bobear é mais importante que as causas do acidente. Que país é esse?

    Responder
  2. Um leitor

    Vendo todos esses fatos elencados assim, penso que a era Lula será lembrada daqui a décadas como um período de euforia e alucinação coletivas embaladas pelo boom das commodities. Creio que esses personagens nefastos que nos governaram certamente pensavam que eram dotados de uma competência tão grande que tornou possível criar prosperidade para o povo (até hoje repetem essas sandices sobre pobres em avião e filhos de pedreiros estudando na Europa) e roubar ao mesmo tempo. Recomendo o último vídeo que está no site O Antagonista com cenas de um dos últimos encontros petistas. Aquilo realmente é maluquice, nada mais explica. O dinheiro e o poder enlouqueceram as pessoas que nos governaram e eles botaram todo mundo no bolso. E agora está tudo estourando na nossa frente.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *