O lulismo está matando o Brasil

O que nós estamos vivendo no país é algo sem precedentes. Todas as instituições republicanas parecem estar comprometidas por corrupção e conchavos. Ficar alguns dias longe do noticiário torna quase impossível retomar a ordem das descobertas vergonhosas. A revolta com a corrupção se juntou ao desespero diante da situação econômica e ao medo provocado pela violência das ruas do país.

Os últimos 10 dias são especialmente simbólicos por terem, neste curtíssimo período, apresentado fatos enojantes emanando de todos os lados imagináveis. Entrar em detalhes de cada um é tarefa de enlouquecer qualquer pessoa normal.

A mais grave das descobertas e que mais se aproxima da raiz de todas as outras vergonhas é a evidência de que o Presidente da República Luis Inácio Lula da Silva vendia a edição de medidas provisórias em troca de pagamentos a seu filho. Mais detalhes podem ser lidos nestes links: 1 e 2.

Não menos grave, até porque já esperada, é a delação de Ricardo Pessoa que comprova mais uma vez o envio de dinheiro do crime para a campanha de Dilma. Ele não é o primeiro a afirmar isto e esta não é a primeira vez quesito é revelado mas repetir à PF o que já tinha afirmado em sua delação premiada só reforça o caráter criminoso das vitórias eleitorais petistas. Mais informações podem ser lidas neste link.

O nosso poder legislativo, abençoado pelos costumes do lulismo, também é motivo para vergonha. Nesta semana o Ministério Público da Suiça enviou informações da existência de 4 contas da família de Eduardo Cunha, presidente da Câmara e condutor do inevitável processo de impeachment contra Dilma Rousseff que se iniciará em breve. A existência de contas não declaradas em paraísos fiscais, além de representar graves infrações em relação ao fisco, geralmente é acompanhada da descoberta de atividades ilegais que precisam passar pelo exterior para serem acobertadas. Qual será a origem dos montantes depositados nessas contas? Por fim, a existência de tais contas torna inevitável um pedido de cassação contra Eduardo Cunha por ter mentido a seus pares.

Também o presidente do Senado, Renan Calheiros, reapareceu no noticiário criminal. Renan foi notificado sobre outra ação que terá de responder, por improbidade administrativa, por ter ele deixado de fornecer ao MPF informações ao inquérito que apurava irregularidades na ocupação de cargos comissionados do Senado. Político de proa da era lulista e que deve sua sobrevivência política à atuação pessoal de Lula, Renan Calheiros também foi denunciado em julho deste ano sobre o distante caso em que empreiteiras (pois é) pagavam pensão a uma de suas amantes. Para justificar a renda para tais pagamentos, Renan falsificou documentos. À época desses escândalos a oposição tentou cassar o mandato do senador alagoano mas Lula interviu, deu sobrevida e ainda pavimentou seu caminho de retorno à presidência do Senado.

Como se não bastassem a contaminação dos poderes executivo e legislativo, o judiciário passar por uma fase vexaminosa. O excelente site O Antagonista tem revelado as atuações de Luciana Lóssio, ministra do TSE que hoje sem justificativas faltou à sessão da corte e fez atrasar mais uma vez a ação que pede a cassação da candidatura de Dilma Rousseff em 2014. Os posts do site demonstram como Luciana tem atuado em favor do PT na corte e como o presidente do TSE, Ricardo Lewandowski, tomou uma decisão que favoreceu parceiros da ministra. Leiam os posts “Lóssio e seus parceiros -1“, “Lóssio e seus parceiros – 2“.

Por fim o TCU, que apesar deste nome é um órgão ligado ao poder legislativo para fiscalizar os gastos públicos federais, tem como presidente Aroldo Cedraz que deve explicações e será responsável por dar continuidade ao julgamento das infrações legais cometidas pelo governo Dilma. Leia o que pesa contra Aroldo Cedraz aqui.

CabecasRepublicaSe não bastasse a morte simbólica do Brasil pela falência de suas instituições, temos a morte real de brasileiros. O nono Anuário Brasileiro de Segurança Pública acabou de ser divulgado e por ele soubemos que quase 16 mil pessoas foram assassinadas apenas nas nossas 27 capitais em 2014. Os dados distribuídos por capital podem ser lidos neste link e reforçam a percepção da total falência do Estado brasileiro sob o lulismo. Não se consegue cumprir em níveis razoáveis nem mesmo a mais elementar função do poder público que é a de proteger a vida de seus cidadãos.

O Brasil após 13 anos de lulismo é um fracasso em todas as frentes. Os anos de predomínio da esquerda na cultura e costumes do país nos legaram um país vergonhoso. A situação é tão grave que, diante deste quadro de falência dos grupos estabelecidos no poder, não conseguimos perceber lideranças capacitadas para o desafio de trazer um mínimo de capacidade de combater a praga da criminalidade que devasta esta terra.

Revisado por Maíra Adorno @mairamadorno

Loading...

3 comentários para “O lulismo está matando o Brasil

  1. Rui Natal da Silva

    Só existe uma única formula para se fazer justiça contra esse maldito governo crePTocrata. É ninguém votar no PT, no PSOL, no PSD, no PP, no PCdoB e no PMDB, nas eleições municipais de 2016. Ai os políticos mancomunados com a dilma e com o lula tomam vergonha e passaram a respeitar os eleitores brasileiros.
    Gente essa matéria é o retrato do Brasil, mas tem que haver algum meio de quase 200 milhões de brasileiros que estão indignados, revoltados e protestando contra esse estado de caos, fazer valer a sua vontade. Caralho todos dizem que o povo é quem manda, e porquê não estamos mandado nada. Que ditadura é essa que não se abala diante de 200 milhões de revoltados? Será que vamos ter que partir para um confronto direto conta as forças guerrilheiras da ditadura populista esquerdopata dos comunistas, com muito derramamento de sangue dos inocentes. Tenha a Santa Paciência o meu Brasil não merece isso, tem que ter alguma autoridade no Brasil capaz de por um ponto final nessa calamidade apocalíptica que está dominando o país, tem que haver, se não, tudo está perdido, mesmo.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *