WTF, Milo?

Coluna do leitor Bruno Luis:

Milo Yiannopoulos


O Que Aconteceu

Se você está lendo esse artigo, provavelmente sabe quem é Milo Yiannopoulos, então não preciso apresentá-lo.

Ontem, o grupo conservador “The Reagan Battalion” resgatou uma participação de Yiannopoulos no podcast “The Drunken Peasants”, de 2016.

No vídeo, Milo diz que jovens descobrem a si mesmos em relacionamentos com homens mais velhos; que podem fornecer segurança e amor, além de ser uma forma confiável para tratarem assuntos que não podem falar com a família.

Após o apresentador dizer que o que ele disse soava como abuso por padres católicos, Milo responde que é grato pelo padre Michael e emenda dizendo que não seria tão bom pensante se não fosse por ele.

O vídeo foi publicado como forma de protesto contra a participação de Milo na CPAC (Conservative Political Action Conference, algo como Conferência de Ações Político-Conservadoras), o evento está marcado para começar essa semana.

Após o vídeo ser divulgado, a CPAC cancelou a participação de Milo, a editora Simon & Schuster disse que irá parar a publicação se seu livro, “Dangerous”, e inúmeras pessoas têm ligado para a redação da Breitbart pedindo uma punição.

Milo Fala

Após a divulgação dos vídeos, Milo escreveu dois textos sobre isso no Facebook.

No primeiro texto, Milo usa 10 pontos para se defender. Nos primeiros pontos, reitera que é contra a pedofilia e que combate isso em seus artigos no Breitbart, inclusive chegou a denunciar três pedófilos.

Milo também diz que resolveu tratar seu abuso com humor e que a “National Review”, um dos primeiros a escrever sobre o vídeo, defendeu Salon (um site progressista) por servir de plataforma para pedófilos.

No tópico 6 de seu post, Milo confirma que disse que um relacionamento entre jovens e homens mais velhos pode sim ser benéfico para o mais novo, fornecendo suporte que não encontra em casa. E que sua fala era sobre relacionamentos ilegais e menores pré-púberes.

Seguindo, no tópico 8, Milo diz que escolheu a palavra “boy” erroneamente e que se referia a meninos com idade o suficiente para praticarem sexo consensual, dizendo que na Inglaterra é a partir dos 16 anos.

No segundo texto publicado, Milo reitera que é contra a pedofilia e que é contra o sexo com garotos de 13 anos e que só se referiu à essa idade porque foi a idade que ele perdeu a virgindade.

Ele diz que lamenta por ter achado que, por ter sofrido abuso, poderia falar o que quisesse sobre o assunto.

Minhas Considerações

Desde que o conheci, eu me identifiquei muito com Milo Yiannopoulos, não só por nossas visões políticas serem parecidas, mas pelo sarcasmo, ironia e acidez. Vou além, Milo serviu para mostrar que a direita não é contra homossexuais, como a esquerda vive pregando.

E confesso que fiquei sem palavras ao ver o vídeo ontem. E muito decepcionado.

Ao falar sobre sua experiência, Milo abriu a interpretação de que menores consentem com abusos sexuais. O que, obviamente, não é verdade.

Yiannopoulos defende e incentiva o relacionamento entre jovens e homens mais velhos dizendo que será vantajoso para os mais novos e dá a entender que pedofilia é só com menores pré-púberes.

Essa aceitação da prática de sexo com menores em fase de puberdade é um dos argumentos da esquerda na defesa de pedófilos e também sou contra criar uma idade base para que o sexo consensual seja permitido porque cada jovem tem seu tempo para se desenvolver.

E é absurdo um jovem que não pode beber e dirigir ser incentivado a transar.

Durante a época das eleições, Milo se referia ao (então) candidato Trump como “president daddy” (papai presidente) em alusão a uma “subcultura” gay (odeio esse termo) onde homens mais novos se relacionam com mais velhos, esses casais são conhecidos como “daddies and boys”.

Ele diz que não deveria ter usado a palavra “boy” porque alguns heterossexuais não entenderiam. E foi talvez uma boa desculpa.

Dentro do universo gay, “boy” não se refere à crianças, mas a jovens adultos (outro termo que odeio), a partir dos 18 anos e relacionamento entre jovens e mais velhos não são estranhos nesse universo.

Eu, particularmente, só me relaciono com caras mais velhos porque me sinto atraído sexualmente e intelectualmente.

Porém, não defendo e combato a ideia de que adolescentes devam iniciar sua vida sexual na puberdade, principalmente com pessoas mais velhas. Defender essa posição me faria defender meninas que são abusadas após a primeira menstruação. É absurdo.

Eu acredito que Milo abriu sim uma brecha para defesas de pedófilos ao incentivar o sexo entre púberes e homens mais velhos, não dá pra estipular uma idade onde a criança ou adolescente já está preparada fisicamente e com maturidade para a prática de sexo. E isso me decepcionou muito.

Além de ter dado mais uma oportunidade para os ignorantes associarem pedofilia à homossexualidade.

Enquanto homem gay, ser associado à pedófilos é constrangedor e algo que me deixa realmente mal, sendo um dos principais fatores na minha luta contra a militância.

Eu entendo o que o Milo disse e condeno o discurso, perdi um ídolo e não sei o que acontecerá com ele daqui pra frente.

Também quero dizer que, obviamente, o discurso do Milo não representa a visão dos homossexuais.

Obrigado.

Fontes

https://youtu.be/azC1nm85btY

https://twitter.com/ReaganBattalion/status/833548107241648129

http://www.nydailynews.com/news/national/video-shows-milo-yiannopoulos-speaking-fondly-pedophilia-article-1.2977071

https://mobile.nytimes.com/2017/02/20/us/politics/cpac-milo-yiannopoulos.html

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=851263248344905&id=423006854503882&refid=52&_ft_=top_level_post_id.851826321621931%3Atl_objid.851826321621931%3Athrowback_story_fbid.851826321621931&__tn__=%2As

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=851826321621931&id=423006854503882

Loading...

16 comentários para “WTF, Milo?

  1. Eu

    Gostando ou não, a definição de pedofilia é pra pre-puberes mesmo. Como alguns outros clarificam, embora ele tenha escolhido mal as palavras (como ele assumiu), ele não defendeu a pedofilia (inclusive falou q as leis de consentimento estavam certas – de 16 a 18 nos eua, acho q 16 no reino unido e, infelizmente, 14 no Brasil e 12 no México – sim, literalmente pedofilia), embora tenha dito q ele “poderia” consentir antes da idade legal. De jeitonou de outro acho errado e ainda bem q ele se desculpou e esclareceu tudo, mas vejo isso mais como uma vítima (q ele foi, inclusive falou isso após falar de suas próprias tristes experiências) tentando racionalizar seu abuso passado que algo nascido de vontade própria. De novo, ainda acho q a lei americana (16, 17 e 18 dependendo do estado) é a melhor, inclusive q a nossa, e q do jeito q ele falou pegou muito mal mesmo, e que embora oq ele clarificou depois seja legal (ele com 17, namorado com 29), ainda acho imoral, mas tento ter compaixão já q isso vem da vitimização anterior dele (tipo crianças abandonadas q passam a achar q não merecem amor e tals). Espero q esse evento sirva pra ele achar ajuda pra lidar com problemas passados.

    (a crítica do Shapiro foi justa tbm)

    A crítica do Rebel Media foi certeira, porém, e ele fez certo em clarificar oq realmente acha e se desculpar.

    Bom artigo também.

    Responder
  2. danir

    Uma das razões pela qual não dou aprovação incondicional para ninguém, é justamente por saber que as pessoas divergem e portanto, sempre haverá espaço para discussões e conflitos de idéias. No caso do Milo Yannopoulos, concordo com suas posturas contra o establishment esquerdista nos Estados Unidos e na Europa, mas sou contrário ao seu discurso homossexual. De tudo que já vi sobre homossexuais, deu para perceber que mesmo os mais inteligentes são muitas vezes aliciadores e um pouco promíscuos. Passam do limite, mesmo que seja somente com a intenção de chocar e provocar reações. Esta parte do comportamento dos homossexuais não me agrada, por ser invasiva ao tentar expor o que para muitas pessoas é indecente ou não recomendável para seus filhos. Daí a transformá-lo de herói em vilão, é um pouco ingênuo. Se você aprecia a posição política e sua combatividade contra as esquerdas idiotizantes e manipuladoras, isto não significa que o seu lado homossexual não provocara choques ou desaprovações pelo seu comportamento. Se ele fosse tão super inteligente como muitos apregoam, ele iria com mais calma quando estivesse no terreno da preferência sexual, para não atrapalhar a sua postura política. Entretanto, não sei se é um preconceito meu, saído do nada ou se é um fruto de uma observação continua – os homossexuais poderiam ser divididos em dois grandes grupos; os que ficam dentro do armário ou que saem mas tentam se mostrar pessoas o mais próximo do que chamaríamos de normal, e os que procuram colocar sua condição homossexual em evidência, seja por autoproteção, seja pela vontade de se afirmar, seja por exibicionismo. São pessoas humanas e portanto têm qualidades e defeitos, estão sujeitos aos seus próprios limites, às suas aflições, e às pressões que com certeza vêm de todos os lados. Não acredito que o Milo Yannopoulos seja uma má pessoa ou um destruidor de lares, ou um pedófilo; mas dentro de sua maneira extrovertida e agressiva de ser, ele com certeza vai chocar, chegar na fronteira e provocar opiniões negativas pela sua opção sexual e principalmente por seu passado onde aconteceram abusos. Isto vai refletir sobre sua posição política. Eu não estou chocado porque percebi esta peculiaridade desde o princípio e pensei naquele momento que um dia a sua postura lhe causaria problemas; ainda mais sabendo que ele se posiciona contra pessoas que são especialistas em destroçar reputações, seja pela falta de princípios morais, seja pela crueldade com que se colocam contra seus inimigos (não somos adversários) seja pela sanha assassina que se esconde nas peles de cordeiro com que se travestem pessoas como um Obama, um/a Clinton e muitos outro que mesmo não sendo eventualmente homossexuais ou simpatizantes são muito mais nocivos e imorais. Este moço vai ter que segurar seus ímpetos e controlar mais suas falas, para não prejudicar sua posição de combatente pela causa da república democrática e do capitalismo. Não gosto de usar a expressão “Gay” por pensar que é um jargão político, usado para manipular pessoas. Prefiro homossexual ou os bons e velhos viado e bicha. Não sou Homofóbico e já convivi com viados e bichas sem precisar desrespeitá-los ou agredi-los, mesmo quando não aceitava seu comportamento. A questão do homossexualismo é complexa, envolve aspectos morais e religiosos que não fazem por simplificá-la, e embora os homossexuais tenham direitos iguais a qualquer pessoa humana, devem ao meu ver controlar seus ímpetos, pois pessoas mais simples não são obrigadas a entender certas posturas. Ainda mais quando são bombardeadas diariamente com preconceitos e manipulações de todos os tipos. Eles os homossexuais também estão sendo tão usados quanto nós.

    Responder
  3. RicardoC

    Moralismo hipócrita.

    É muito triste ver a direita se boicotando diariamente.

    Infelizmente esse comportamento auto destrutivo dá direita só faz a esquerda crescer e se recuperar.

    Milo tem um papel importante nesse momento de desmarcar o “progressismo” hipócrita e politicamente correto.
    Daí vem neguinho e se ofende pq adolescente trepa.

    Vão chamar Milo de direita xucra tb??

    Responder
    • Eduardo

      Desculpe-me, mas só podem ser chamados de hipócritas aqueles pregam e cobram algo de outrem, mas que de fato não praticam. Discordância não é o mesmo que hipocrisia, nem de longe. Eu, por exemplo, não concordo com adultos manterem relacionamentos com meninos ou meninas de apenas 13 anos e jamais posso ser chamado de hipócrita por conta disso, pois jamais me relacionaria com adolescentes. A questão não é por conta de suposta ofensa porque “adolescente trepa”, mas porque o que foi dito pelo Milo soa como endosso à prática de pedofilia. Tratar um assunto delicado e sério como esse como “moralismo hipócrita” diz muito sobre o que é prioritário para você. E sobre isso tenho apenas a lamentar.

      Responder
    • Pedro Rocha

      O problema é que ele é um “Jean Willys” anti-establishment e não me assustaria se isso virasse um novo “caso Patrícia Lélis”: alguém que se aproxima dos conservadores aparentando boas intenções e depois causa estragos nas fileiras.

      Sinceramente, é impossível confiar em alguém que se diz cristão e ao mesmo tempo defensor de pautas da agenda gay. Não basta Reinaldo Azevedo?

      Responder
      • danir

        Olá Pedro Rocha. Para o Milo ser um “Jean Willys anti-establishment”, primeiro seria preciso que o Jean Willys fosse inteligente e equilibrado, para depois fazer a comparação. O que não é verdade. Quanto a confiar nele (ou não). não tendo nenhum tipo de relação pessoal, me parece uma ingenuidade. Você não tem que confiar nele, tem que analisar o que ele diz e após reflexão decidir se concorda ou não. No terreno das idéias e do debate político, podemos traduzir confiança por dependência intelectual ou submissão. Definitivamente não deveria ser o caso. Veja o Trump por exemplo; concordo com a maior parte do que disse na campanha e se fosse americano, daria apoio ao seu trabalho, Entretanto não comi um saco de sal com ele para transformar isto em confiança ou amizade inabaláveis. Todos os cristãos têm alguma coisa de contrário à própria doutrina cristã, pelo simples fatos que todos são falíveis, sujeitos a influencias externas e posturas pessoais conflitantes. É o caso de acreditar em Cristo e ao mesmo tempo ser homossexual. Isto em si não diz tudo quanto ao caráter do indivíduo, mas demonstra uma contradição bem humana. Para ilustrar, existe um ditado, italiano me parece, que diz: Você só sabe que tem um amigo depois de comerem juntos um saco de sal”. Saudações.

        Responder
          • danir

            Olá Pedro Rocha. Eu nunca disse que o Milo é um conservador. Alias não gosto muito de rótulos que possam provocar celeumas e não definir exatamente o que se está falando. Quando eu digo de esquerda ou direita, basicamente quero dizer que o sujeito tem uma tendência socialista ou comunista ou marxista sei lá e portanto é de esquerda ou então não compactua com valores de esquerda e portanto de direita apoiado um estado de dimensões reduzidas, liberdade de expressão e economia livre do domínio do estado. É meio maniqueísta mas é assim que funciona na minha cabeça . Dai em diante, podemos discutir as diversas plumagens que cada um ostenta, e chamar de progressista, conservador, liberal, nazista, libertário, o que se quiser, sempre considerando que em lugares diferentes as palavras podem significar coisas diferentes. O Jean Willys por exemplo chama os cristãos evangélicos de fundamentalistas, o que é uma imbecilidade maldosa. Não vejo o Milo como conservador. Se fosse, manteria um discurso mais contido e não faria enfase em sua homossexualidade. Mas sem dúvida ele é de direita, e quando o atacam, não o fazem por ter dito algo que pode ser considerado como pedofilia, e sim porque ele apoia o outro lado, o da direita. Se você ler os dois comentários que fiz, verá que embora concorde com a colocação dele em assuntos relacionados a política e economia, desde o princípio pensei que ele em algum momento teria que enfrentar uma oposição forte que o atacaria justamente neste ponto. É interessante ver a declaração que fez à imprensa, quando se demitiu do Breitbart, e perceber que independente da preferencia sexual, que não acredito que seja pedófila, ele mostra claramente que é um cara de opinião, corajoso combativo inteligente e digno de respeito e atenção. A execração de sua pessoa vem dos mesmo canais que impediram que apresentasse suas idéias em uma universidade americana, usando de violência e depredação, em nome do amor e da liberdade. Ele não é um conservador. É só uma bicha muito inteligente, atuante e que está (na minha opinião) no lado certo. Quem dera que muito Hétero tivesse a metade do caráter que ele tem. Obrigado pelos links, vou acessá-los com atenção. Saudações.

            Responder
            • Pedro Rocha

              Entendi seu raciocínio. Não acredito que ele seja pedófilo, mas ele tratou do assunto de forma deveras leviana, o que fez com que eu, particularmente, não tenha certeza se Milo foi sincero em suas explicações ou estava apenas fazendo “controle de danos” depois do estrago que fez.

              O que difere os direitistas dos esquerdistas é que nós temos consciência de que o ser humano é falível, enquanto a esquerda vive sob a tutela de “guias geniais” em busca da criação do “homo sovieticus”. Destarte, espero que Milo reflita sobre o ocorrido e que se torne um combatente valoroso contra a esquerda.

              Responder
              • danir

                Eu também. Ele atinge um público que muitas vezes não recebe bem a opinião de homens brancos Heterossexuais, e depois, ele é sem dúvida muito corajoso. Saudações

                Responder
    • Eu

      29 anks com 13 além de ilegal aqui e lá é muito mais sério q “adolescente trepa”. Pqp até ele falou q falou algo q não concordava por erro

      P.S.: Só é “hipócrita” se o autor fizer o mesmo. Proofs?

      Responder
  4. bianca cavani

    Milo não fez apologia à pedofilia. apenas não se colocou como vítima nas experiências – precoces – que teve. Espero que ele consiga sair dessa, é um cara inteligentíssimo, que argumenta como poucos às imbecilidades das esquerdas.

    Responder
  5. Pedro Rocha

    Eu nunca considerei esse sujeito como conservador, já que ele se escora na própria homossexualidade é extravagância para se promover.

    Ademais, ninguém pode se considerar conservador e defender qualquer uma das pautas da esquerda, no caso dele a apologia à pedofilia, já que sua desculpa não foi convincente a meu ver.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *