A carne podre dos brasileiros

Essa operação da PF nos frigoríficos é sintomática de como as coisas se degradaram nas últimas duas décadas – do ponto de vista moral no Brasil. As operações contra adulteração de alimentos um dia estiveram restritas a casos pontuais, que foram aumentando de frequência e magnitude.

Recentemente, houve o caso daquela quadrilha que adulterava leite até com soda cáustica – o que é especialmente revoltante quando se considera que crianças são os principais consumidores de leite. Ainda assim, eram alguns produtores no interior do Rio Grande do Sul.

A operação de hoje visa a alguns dos maiores conglomerados de produção de alimentos do país – a BRF é uma das maiores do mundo (e a revista piauí fez, há alguns anos, uma excelente matéria sobre a fusão Sadia/Perdigão que talvez explique um pouco do que foi constatado hoje).
Estão avacalhando a comida que milhões de pessoas comem todos os dias – e, pra muita gente que não tem tempo/dinheiro pra se alimentar com carne orgânica de gado angus que ouve música clássica, ou habilidade e esforço pra fazer a própria massa de lasanha com trigo plantado na lua certa, essa comida avacalhada é a alternativa do dia-a-dia. Na cabeça de alguém lá dentro – não faço idéia se isso passa por toda a cadeia decisória, se é uma coisa determinada por alguém, o quanto de sacanagem e maldade há, ou se fazem alguma consideração do tipo “mas se não for assim, a empresa quebra” – deixou de ser tabu vender comida estragada para os seus semelhantes, e eles que se danem. Isso se repete monotonamente no Brasil: entre os políticos (e a choradeira de que estão “criminalizando a política” quer dizer exatamente isso: nenhum se salva e o certo era todos irem presos), entre os criminosos (vide, por exemplo, a onda de latrocínios em Porto Alegre), entre funcionários públicos (vide uma quadrilha que desviava estoques de medicamentos e vendia a clínicas particulares, também noticiada hoje) etc. etc.

O brasileiro é o lobo do brasileiro. No ritmo que as coisas vão, vai ficar complicado sair de casa daqui a pouco – falando literalmente, sem o exagero retórico que hoje já não é tão exagero assim.

Texto publicado por Thiago Pacheco em seu perfil no Facebook.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *