Perdoando a Escola Pública

Começo este artigo pedindo outro perdão. Primeiro por falar sobre Educação, esse enfadonho tema que só possui menos entendidos e especialistas do que a seleção brasileira em tempos de Copa do Mundo. Em segundo lugar, porque vivo de fato o cotidiano escolar há mais de dez anos nas redes estadual e municipal, o que praticamente me descredencia para escrever sobre o assunto, haja vista que os autores, palestrantes e críticos da Educação ou jamais colocaram os pés numa sala de aula de escola pública ou, se já o fizeram, foi há mais de 30 anos.

A justificativa para que os palpiteiros pedagógicos sejam tratados como autoridades no assunto é aquela velha vigarice à qual estamos nos acostumando: “o olhar externo é mais objetivo e isento, livre das emoções que turvam a visão”. Essa carta é um coringão. Vale para qualquer pessoa, que normalmente domina menos o tema sobre o qual conferirá palestra do que o próprio público-alvo, subir num palco com microfone na mão, acusar a plateia de não ter mente aberta e visão ampla, ser aplaudida e pegar o pagamento ao término do evento.

Então, de cara também peço desculpas por isso. Não tenho mente aberta o suficiente para acreditar em grandes mudanças para melhor na Educação e nem visão ampla para ser criativa em relação à crise, porque, conforme os senhores verão nas próximas colunas – se o editor deste portal não me demitir – toda ideia boa que algum professor tem para driblar o fracasso iminente e as bizarrices cotidianas, que já deixaram de ser exceção, costuma ser abortada por ferir algum item da legislação à qual a escola está submetida ou o ultrapassado ECA, incapaz de proteger adolescentes inocentes da crueldade de outros adolescentes.

Feita a apresentação da autora e do estilo, vamos à proposta do título: perdoar a famigerada escola pública.

O termo “escola pública” assumiu nas últimas duas décadas uma conotação terrível: algo entre fábrica de criminosos e laboratório de violência. Não raro as famílias se privam de várias coisas para pagar pelo ensino privado das suas crianças e, quando não podem mais fazê-lo, matriculam os filhos no ensino público como se esses estivessem indo cumprir pena em regime semiaberto por um crime que não cometeram. Não lhes tiro a razão, embora a realidade não seja tão dolorosa para os alunos da malfalada instituição, exceto para os que levam os próprios estudos muito a sério – uma raridade entre os jovens de hoje -. O diabo não é tão feio como se pinta e, aliás, é justamente por isso que nada muda. A água nunca chega no nível que obriga os acomodados a nadar.

Tomemos como exemplo a rede municipal de São Paulo. Os professores, especialmente os que ingressaram depois de 2008, passaram em concursos difíceis –, com uma razão de 80 candidatos por vaga. O salário e os benefícios costumam ser maiores do que os oferecidos pelas escolas particulares de pequeno ou médio porte, o que tem feito muitos docentes largarem o ensino privado por jornadas maiores na Prefeitura. A merenda é rigorosamente elaborada por nutricionistas e o cardápio da quinzena é publicado no Diário Oficial. A fiscalização é constante. Caso o aluno tenha algum problema ou necessidade especial em relação à alimentação, a escola faz a compra do alimento adequado e a refeição desta criança é preparada separadamente. Há projetos de reforço, recuperação paralela, música, teatro, imprensa jovem, etc. Até o término da gestão Kassab, havia o programa “Minha Biblioteca”, em que todos recebiam 3 livros paradidáticos por ano, além dos livros didáticos correspondentes à série. Nas escolas da prefeitura costuma haver material (cartolinas, EVA, pistolas de cola quente, câmeras, projetores, amplificadores, microfones, etc.) e recursos para aquisição de livros para as bibliotecas e equipamentos eletrônicos em geral. E isso sem milagrosos 10% do PIB para a Educação!*

E com tudo isso, os índices de aprendizagem são tão ruins por quê?

A resposta está nas queixas dos professores. As mesmas queixas que não são levadas em consideração, porque subjetivas e desequilibradas, ditas ao calor das emoções. As mesmas falas que têm o microfone desligado nas jornadas pedagógicas, em auditórios cheios de autoridades e especialistas cujo discurso pode ser resumido em “não estamos preparados para o aluno do século XXI”. O triste é que há professores, devidamente amaciados pela leitura de Paulo Freire, que acatam a culpa pelo fracasso de um sistema programado para isso.

Mesmo quem não se arroga especialista em Educação, sempre tem um “se fosse comigo, eu faria…” para devolver a um professor angustiado que acaba fazer um desabafo. Normal. Quem tem mais de 20 anos e frequentou a escola, costuma se lembrar de algum professor que tinha “pulso firme” e botava ordem na cambada. Eu mesma tive uma professora que acertava giz nos tagarelas e nos distraídos. Acertava na testa, com uma mira invejável (levei muito giz por viver num mundo à parte). Nós a adorávamos, de verdade. Com o tempo, ela nem precisava mais usar tal recurso didático, pois todos prestavam atenção às aulas 100% expositivas (nada lúdicas, nada práticas, nada recomendável pelo politicamente correto da educação, doravante eduquês). Essa professora não teria vez ou voz com as turmas que tenho hoje. Aliás, provavelmente seria processada por agressão física ou responderia por constrangimento de menor…

Daí alguém conta uma ocorrência comum – sim, comum – como: “O aluno se recusou a fazer silêncio e ainda ficou berrando ofensas contra o colega, enquanto eu tentava explicar. Chamei-o para conversar, expliquei que ele estava atrapalhando, que não poderia fazer isso, mas ele riu e continuou atormentando todo mundo”. “E você não mandou para a direção? Não botou pra fora?”- questionarão os honestos, pensando no que a professora que botava ordem na cambada faria. Talvez isso seja um choque, mas nem todas as escolas permitem que os professores coloquem alunos para fora da sala. Alguns gestores, influenciados por certos autores, ainda afirmam que “se livrar do aluno, colocando-o no corredor ou na direção é incompetência do professor, que não soube lidar com a criança”. Não é raro acontecer do aluno mandar aquela cascata, fazendo-se de vítima, e retornar à sala de aula com cara de sofredor, para, nas costas do inspetor, imediatamente após a porta se fechar, continuar o deboche, então mais intenso. Afinal, ele venceu, ele retornou à sala, ele tem o direito de permanecer no recinto e os outros têm a obrigação de aturá-lo.

Passemos para algo mais grave, a violência física. O aluno bateu em três colegas por causa de figurinhas – agora chamadas de cards pelos pequenos -. Desrespeito ao professor, ainda que chegue no campo das ameaças de morte, é algo que alguns gestores toleram bem. “Ai, essa juventude é assim mesmo, inconsequente…”. Já sair aos tapas com outros alunos é inadmissível. Os pais devem ser convocados. Aí começa o verdadeiro calvário: 1- Procuram-se os telefones de contato no prontuário do aluno; 2- Se houver, reza-se** para que estejam atualizados; 3- Agenda-se uma ida de um dos responsáveis à escola; 4- Reza-se em dobro para que o responsável não seja pior do que o próprio aluno. Dadas essas pré-condições para a conversa com a família, haverá o encontro. Às vezes, o responsável dialoga bem e se compromete a orientar a criança. Às vezes, o pai e/ou a mãe se irritam e discutem aos berros com os professores, alegando perseguição (obrigada, Paulo Freire, por este termo lindo! Realmente, perseguimos crianças de 9 anos, que mal sabem escrever, por divergências ideológicas, pois estamos a serviço dos militares-Globo-tucanos-imperialistas-estadunidenses). Às vezes o pai e/ou a mãe dão aquele sermão no aluno, lá mesmo, na frente dos professores e ainda dizem “se ele der qualquer problema, este é meu celular, ligue a qualquer momento para falar comigo, nem precisa pedir pra secretaria”. Uma bênção. Mas o que tem acontecido de uns anos para cá com recorrência é o adulto responsável dizer que não sabe mais o que fazer com aquela criança. Isso é quase um código, uma mensagem que, decifrada significa: “você será desrespeitado, atormentado, terá suas aulas destruídas por esta criança até ela se formar e não poderá fazer nada por si e pelos outros alunos da classe”. Quando vem a senha “professora, você tem razão, viu, eu não sei mais o que fazer com esse menino, ele não me respeita, ele não faz nada em casa, só brinca”, o chão some. A conversa acaba. A criança, afinal, domina os pais. Ela não respeita ou teme as pessoas que moram sob o mesmo teto que ela e que a sustentam. O que a professora poderá fazer ou falar para que a criança mude de comportamento?

Há aí omissão dos pais, claro. Não são os professores que têm o dever de educar as crianças, mas sim os responsáveis por elas. Ou, como apareceu no Facebook hoje:

professor é outra coisa

 

Esperar que a escola cumpra o papel dos pais e ainda promova a aprendizagem é injusto. A imagem que temos de uma boa mãe ou de um bom pai não é a de quem alfabetiza os filhos e lhes ensina o conteúdo que vai cair no vestibular quando adolescentes, mas sim a dos que ensinam valores tais como respeito por si e pelo próximo, honestidade, caráter, etc. Quem não tem um avô ou uma avó analfabeta, que ensinou lições de vida inesquecíveis e, por isso, mereceria o título de grande educador(a)? Pois é. A própria mudança do termo professor para educador já demonstra a responsabilidade jogada nas costas de pessoas que se formaram apenas para ensinar matemática, português, ciências… Não para educar moralmente os filhos dos outros em 50 minutos diários.

Se certos alunos atrapalham a aprendizagem dos demais, algo deve ser feito. É possível encaminhar casos mais graves – os que jogam cadeiras nas professoras grávidas e ameaçam professores de morte reiteradamente, por exemplo, pois, para menos que isso os órgãos superiores não costumam dispensar atenção – para Conselho Tutelar e Vara da Infância. E não é raro o caso do aluno que ameaça professor de morte, é transferido de escola, vai à ~Justiça~ (aspas comuns não expressariam meu sarcasmo aqui) e volta no ano seguinte, com ordem judicial para ser matriculado na turma em que desejar. Portanto, não é raro também o professor que pede transferência ou simplesmente falta no dia em que tem aula com a referida turma. A vida profissional de alguém é destruída por causa dos mimos que a lei concede a um adolescente violento e ninguém se importa. Depois se espantam com o índice de 40% de professores deprimidos…

Sempre o ECA, sempre a proteção excessiva ao pequeno ditador, ao jovem sem caráter, ao jovem criminoso. As demais crianças e os outros adolescentes, via de regra, têm dois caminhos: entregar-se à bagunça ao perceber que “não pega nada” aos que destroem a escola e ser popular com isso ou passar uma vida sem amigos, sofrendo bullying, mas lutando para que o professor não desista, não se cale. Os últimos são brilhantes, pois são os que vencem o contexto de injustiça e o convite à deliciosa mediocridade do não-pensar e da irresponsabilidade pelos atos concedida aos que pertencem a grupos (Todo mundo estava conversando! Não fui só eu quem chutou a porta! Todo mundo xingou a professora, metade da sala zoa aquele moleque!). Já lecionei em uma grande e renomada instituição privada, onde havia bons alunos aos montes. Mas, os melhores que já tive, contados nos dedos das mãos, são os pouquíssimos que não caíram na arapuca das facilidades da escola pública. Dentre eles há uma violinista da Orquestra Jovem OSESP, que passou pela máquina destruidora de inteligência e individualidade, mas sobreviveu.

Aprendi com o tempo a perdoar a Escola Pública. E, depois, a entender que ela cumpre à risca o que dela se espera. Ao ser tolerante com a grande legião da má vontade – que não demonstra respeito pela instituição, respeito pelos outros, vontade de estudar, que não cuida do material comprado com o dinheiro do contribuinte ao manter a vaga dos que a destroem, ao acolher tão bem os que debocham dos profissionais da educação, ao funcionar normalmente, sem ventiladores – que foram quebrados pelos próprios alunos – num calor de 38ºC, ao valorizar mais a presença do que o rendimento (o estudante é reprovado automaticamente ao atingir 25% de faltas, ainda que tenha boas notas e é promovido se tiver notas vermelhas e 80% de presença), o sistema transformou a escola prioritariamente num depósito de jovens e não num local de aprendizagem. Nesse espaço cercado de muros e grades, crianças e adolescentes têm vida social, alimentação de qualidade, acesso a computadores, e adultos que serão responsabilizados caso corram nas escadas e levem um tombo (justamente os professores que disseram para não correr), além de e estarem protegidas por algumas horas da “violência do mundo lá fora”, da oferta de drogas, da sexualidade precoce, etc. São apenas algumas horas por dia, é verdade. E, se alguns jovens aprenderem algo no meio do barulho ensurdecedor e da agitação perturbadora das turmas, será antes por mérito próprio e integridade de caráter, além do heroísmo de algum professor, que não desistiu de ensinar indivíduos, ainda que coagido pelo coletivo.

* Não fugiremos desse assunto, que é pauta de todas as greves.

** Reza-se escondido, pois a escola é laica.

Loading...

14 comentários para “Perdoando a Escola Pública

  1. Milton Valdameri

    A função da escola é transferir informações, a função da pedagogia é proporcionar aos estudantes as condições necessárias para que as informações transformem-se em conhecimento. Lamentavelmente os professores dedicam-se a dizer para os alunos em que acreditar, dedicam-se a transmitir respostas, mas nada fazem para que a pergunta seja compreendida, muitas vezes a resposta nem sequer está ligada à uma pergunta.
    Pergunta: quantas vezes a palavra conhecimento apareceu no texto da Clarissa Rosenbaum?
    Resposta: NENHUMA.

    Responder
    • Clarissa RosenbaumClarissa Rosenbaum Posts do autor

      Eis a questão, que bom que percebeu.
      Infelizmente, a escola pública se tornou um lugar onde o conhecimento ou a aprendizagem são itens adicionais e não principais. É mais importante manter o aluno lá dentro, mesmo que este fique aos berros ou soltando bombas.

      Responder
      • Milton Valdameri

        Eu digo que conhecimento é item ausente, não adicional. Digo também que isso não acontece apenas em escolas públicas, tem muita escola particular fazendo a mesma m… coisa. Uma maneira de minimizar, talvez até mesmo reverter a situação, é ensinar aos alunos já nos primeiros anos de escola, o que é ciência, o que é método científico e como diferenciar conhecimento de crença.

        Responder
  2. Rovison Lima

    Concordo integralmente com você, professora Clarissa. Também sou professor há mais de dez anos nas redes estadual e municipal de ensino no Pará e constato os mesmos problemas em sala de aula. As escolas onde trabalho dispõem de todos os recursos materiais necessários para a realização de uma boa aula, mas falta o principal: a vontade do aluno em querer estudar.

    Responder
  3. Gustavo Silva

    Prezada Professora Clarissa:

    Excelente artigo, que não foge do problema mas o enfrenta. Receba meus parabéns! Velho e descrente, diria que a escola começou a cair verticalmente quando, no início dos anos sessenta, vigaristas como Paulo Freire e Darci Ribeiro passaram a ser valorizados, logo eles, que, ao que me consta, jamais entraram em sala de aula, limitando-se a proferir generalidades vazias sobre todo e qualquer assunto. Vou mais longe: passarei a endeusar cada um deles se me exibirem alguma pessoa que tenha sido alfabetizada por Freire ou Darci. Reconheço em ambos excelente talento publicitário, porque foram promovidos a gênios sem jamais terem apresentado qualquer trabalho digno do nome.

    Responder
  4. Marcelo Müller Paz

    Excelente texto… é triste ver como estamos andando pra trás em questões educacionais no Brasil. O resultado é essa geração que veio um pouco depois da minha (eu nasci em 1984) que parece mais uma geração medíocre que não quer nada com nada. E vocês, professores do ensino básico, são a linha de frente que ainda tenta salvar alguns.
    Espero ver mais textos seus aqui!

    Responder
  5. José Carlos Bortolotii

    Nobre Mestra!
    Primeiro, em respeito a última flor do lácio, gostei pois a clareza do seu texto e profundidade está de acordo com seu nome. Esta variante do que é claro. No seu caso Clara.
    Uma de nossas grandes lutas desde janeiro do ano passado tem sido #SOSEducacao, no site http://www.cadernodeeducacao.com.br.
    Pela magnitude,profundidade, CLAREZA e paixão de sua transpiração, rego-lhe, mande este texto para nosso amado Caderno. Eis o que fazemos lá. Informação que gera Educação. Lá disseminamos que educação é para a familia, instrução é para professores

    Peço-lhe encarecidamente: Remeta para que possamos publicar,

    Felicissimo em ter lido uma reflexao vindo de um desabafo do coração

    Com admiração

    José Carlos Bortoloti
    Passo Fundo -RS –
    Professor de Comunicação – Oral e Escrita e Jornalista,
    Colaborador do Caderno de Educação.

    Responder
  6. Fernando Barone

    Professora, existe um site: http://www.cadernodeeducacao.com.br que me pediu via twitter (postei seu artigo) que lhe perguntasse se poderiam entrar em contato para publicar seu texto no mesmo. Estou aqui fazendo uma meia ponte, indicando o site e lhe contatando para que possam abrir um canal direto entre vocês para tratar o assunto.
    De qualquer forma, aproveito para elogiar no grau máximo seu texto. Parabéns!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *