Duvivier: um estudo de uma espécie típica da fauna petista

Outro dia escrevi aqui que um dos animais mais interessantes da fauna brasileira é o petista que acha que o PT está transformando o Brasil em uma Noruega tropical. Não teve como não me lembrar disso depois que vi o Duvivier no Jô.

O cara diz que vota no PT, em linhas gerais, porque agora muitos têm acesso a bens de consumo. Ele diz que vota na esquerda porque quer todo mundo rico e que por isso não vê contradição alguma entre ser de esquerda e comer no Leblon. Eu, particularmente, pouco me importo com o quê ou onde o Duvivier come. Até onde me consta seu dinheiro e de sua família (sua mãe é uma cantora excepcional, voz divina) vêm de ganhos legais e honestos.

O que é interessante, pois raso, no raciocínio dele é a justificativa do voto. Vamos lá: é fato que o PT tornou universal um programa de assistência social cuja abrangência não era satisfatória. É fato também que o PT incentivou o crédito ao consumo, que possibilitou a muitos a aquisição de bens de consumo que eram antes objetos de desejo.

Porém a ideia de ligar bonança ao PT traz consigo muitos problemas, os quais tento enumerar aqui:

1- A riqueza, para existir, precisa continuar sendo gerada. No primeiro mandato do Lula houve uma tentativa de criar confiança institucional dos agentes que geram a riqueza no PT. Foi o que os analistas chamam de era Palocci. Não que Palocci fosse um santo, mas a dupla Palocci-Meirelles aperfeiçoou a base econômica e institucional herdada pelo governo anterior enquanto o PT fazia seus programas sociais (e José Dirceu fazia o mensalão). Interessante é ver que o pessoal que é petista “da gema” ou nunca menciona o Palocci ou praticamente não o defende. Se o faz, não é com o mesmo ardor com quem defende Genoínos e Dirceus. Por isso, creio que ele possa ter sido abatido da política por “fogo amigo”.

2- Ambientes que criam riqueza, seja esta intelectual, cultural, econômica, etc. são ambientes propícios ao contraditório. O PT sempre fez um discurso de animosidade em relação ao contraditório. É o tal do “nós x eles”, o dividir para conquistar. O fato de termos como “aliados” (hahahahahah) gente como Putin (Dilma foi a ÚNICA a sentar do seu lado no G20), Castro, Maduro et caterva, mostra que o partido nutre muito amor por totalitarismos. Como ter um ambiente propício ao contraditório com um discurso institucional de ódio?

3 – Não adianta estimular o consumo, distribuir riqueza, e não criá-la. E riqueza não é criada por um ente centralizador, no caso o Estado. Onde houve tentativa de centralizar a criação de riqueza, houve pobreza. Dilma, diferentemente de Palocci, não só acredita em algo equivocado (que ela pode criar a riqueza, afinal, ela é uma cepalina), mas acredita nisso dogmaticamente. A partir do momento em que esta senhora tomou as rédeas do país, a coisa começou a degringolar por ela fazer uma receita econômica que incentiva o consumo, mas é tosca na criação da riqueza.

4 – Criação de riqueza exige estabilidade. Não adianta os petistas-que-odeiam-Palocci desdenharem “os mercados”. Os mercados existem e, diferentemente dos consumidores individuais ou de pequenos grupos, no agregado funcionam mais ou menos de maneira racional (exceto quando estão psicóticos ou cegos, o que acontece também, mas não é o caso com a Dilma). Se as regras do jogo mudam durante o jogo, ninguém mais vai querer jogar. Advinhem? É o que a Dilma tem feito.

5 – Houve um crescimento dos países emergentes na primeira década do século XXI, em geral. É bem provável que com qualquer partido governando, com ideologia que não PSOL para baixo (porque aí a Venezuelização seria muito rápida), o padrão de vida geral melhorasse.

Duvivier poderia e faria muito bem se refletisse um pouco sobre esses pontos.

Gregorio_duvivier_Parada

12 comentários para “Duvivier: um estudo de uma espécie típica da fauna petista

  1. Evandro Leal dos Santos

    Esse cara ganhou tudo do capitalismo.

    Vamos fazer o seguinte; vamos mandar ele para Cuba, assim ele poderá defender suas idéias de uma plantação coletiva socialista.

    Responder
  2. Politcaninquim

    A análise pulou do primeiro mandato Lula para o primeiro mandato da Dilma. Não cobriu o segundo mandato de Lula, em que Mantega assumiu o posto, após saída de Palocci. As bases da política econômica anterior começaram a desmoranar com a chegada do Mantega. Sem falar que o incentivo ao consumo e o aumento dos gastos públicos ocorreram desde o início do governo Lula. Lula preparou as bases para a situação econômica se agravar; Dilma completou o serviço.

    Responder
  3. dudu

    Esse é o típico burguês otário que financia a corda para a escrota marilena chauí puxar!!! Idiota de plantão, é o retrato do burguesinho maconheiro das USPs e PUCs de SP e rio…

    Responder
  4. Hay

    (Obs: quando digo que alguém é medíocre, não estou dizendo que é um profissional medíocre. Na verdade, pode ser uma pessoa muito talentosa. Pode ser grande músico, um ator cujos filmes eu gosto muito de ver, etc. O fato é que, quando fala sobre política ou economia, esse alguém é, na melhor das melhores hipóteses, medíocre)

    Responder
  5. Hay

    Para mim, o Duvivier é o típico medíocre que encontrou alguns atalhos para ganhar status de pessoa de intelecto privilegiado:
    1) Fale sempre com muita propriedade sobre assuntos genéricos. Faça de conta que suas análises rasas e superficiais são muito profundas. Exemplo: “O Brasil sofre com as desigualdades. Diminuir as desigualdades deve ser o norte de qualquer governo”.
    2) Associe a si mesmo a bondade, honestidade, fraternidade e preocupação com os oprimidos. Associe as outros a maldade, o preconceito, a violência, o fascismo, o nazismo, o ato de assassinar cachorrinhos como esporte predileto.
    3) Ignore os significados das palavras. Diga “direita”, “fascismo”, “neoliberal”, “golpista”, mas não se preocupe se alguém vai querer que você defina o que quer dizer com todas essas palavras. O que importa é parecer inteligente, não saber o que está dizendo. Pelo amor de Deus, cara, não vá pesquisar o significado do termo “reacionário”. Diga que alguém é reacionário, mas não me envergonhe querendo saber o que você quer dizer com isso, ok?
    3) Pegue somente as maiores besteiras ditas pela “direita” e associe essas besteiras a toda a “direita”. Por exemplo, em um protesto contra o governo atual, pegue uma ou duas pessoas que pedem intervenção militar e diga “a direita quer a volta dos militares”.
    4) Para não dar muita bandeira, faça pose de isentão. Diga que você não é nem esquerda nem direita nem meia nem atacante nem goleiro, só um espectador interessado.
    5) Procure sempre fazer, de vez em quando, uma acusação vaga à esquerda. De preferência, diga que alguém “virou de direita” quando fez algo ruim. Exemplo: “meu cachorro, ao fazer cocô no chão da sala, virou de direita”.

    Pronto, com esses 5 passos, você pode se declarar um cara super inteligentão! Parabéns!

    Responder
  6. Lucas Monteiro

    Esse vai demorar a acordar. Se é que vai. Conheço esse tipo: é o esquerdista vaidoso, que tem algum talento. A vaidade nega a ele a possibilidade de rever publicamente suas concepções.

    Responder
  7. Marcelo Antonio

    PETISTA: Pessoa quase sempre solteira, na casa dos 40, que não se deu bem na vida, não se dá bem com a família, não tem responsabilidade com o presente nem compromisso com o futuro. É fracassado preguiçoso e invejoso que nunca chegará a lugar algum por mérito. Defensor intransigente da corrupção, não consegue enxergar problema de ordem moral em quem dela se locupleta. Canalha que se aproxima do poder com o intuito de corrompê-lo e saqueá-lo.

    Responder
  8. danir

    Ele vota no pt por não ter compromisso com a realidade. Ele vota no pt por acreditar que submissão é melhor do que opinião própria. Ele vota no pt por não ter nenhuma objeção a um sistêma de governo opressivo, cruel e castrador. Ele vota no pt por não acreditar que o indivíduo pode ter senso critico e que deve ter acesso a uma educação de qualidade, a oportunidades de trabalho, a um sistema de saúde que funcione, que as pessoas enfim tenham autonomia para encontrar seu destino. Ele vota no pt por considerar que valores morais, honestidade de propósitos e respeito, não são necessários quando as pessoas tem artificialmente acesso aos bens de consumo. Ele vota no pt por não ter que pagar a conta. e eu fico aqui pensando se ele dentro desta lógica de raciocínio, é um psicopata, um histérico ou um cretino. Apoiar criminosos condenados, apoiar o uso desabrido da coisa pública em favor próprio ou de um partido, fechar os olhos para o enriquecimento meteórico de caciques do partido, que não têm mérito intelectual; so reforçam este pensamento. Para mim ele é um zero a esquerda, e não lhe concedo um segundo de meu tempo, alem do usado para fazer este comentário. R.I.P. Sr. Duvivier.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *