A Lava Jato, a ‘direita xucra’ e a bandalheira

Artigo muito bom e, na medida do possível, suave de José Fucs contra aqueles que criticam quem incentiva a punição de políticos pela Lava Jato sem olhar para o partido de quem roubou.

De uns tempos para cá, intensificaram-se os ataques contra os cidadãos de bem que louvam a Lava Jato e procuram demonstrar a sua indignação com a política, os partidos e os políticos do País.
Agora, os ataques não vêm mais só do PT e de outros partidos e organizações de esquerda, que, desde o princípio, não poupam críticas à Lava Jato, sob o argumento de que ela está “criminalizando” a política e abrindo espaço para que um “salvador da Pátria”, sem ligação com política tradicional, possa vencer as eleições de 2018 e assumir o poder.

De repente, os petardos começaram a ser disparados também de trincheiras que estavam alinhadas às forças que levaram milhões de brasileiros às ruas, vestidos de verde-amarelo, para apoiar o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, esbravejar contra a bandalheira generalizada e manifestar seu repúdio a tudo-isso-que-está-aí.
Subitamente, jornalistas que ganharam visibilidade vociferando contra o PT, cientistas políticos independentes, sem vínculos com a esquerda que domina a academia no País – sim, eles existem! – e outras vozes que bradavam pelo impeachment passaram a criticar o movimento em defesa da Lava Jato e de repulsa à política velhaca que prosperou no País.

As críticas se multiplicaram depois da convocação de mais uma manifestação para o próximo domingo, 26, por parte dos grupos que lideraram a luta pelo impedimento de Dilma, com o objetivo de apoiar a Lava Jato, o fim do foro privilegiado, as reformas estruturais e um Estado eficiente e desinchado.

Além de defenderem a ideia de que a Lava Jato opera fora dos limites legais, inspirada por uma espécie de messianismo, os críticos mais contundentes “de direita” dizem que a “criminalização” da política jogará o País nas trevas, ao favorecer a candidatura do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) nas eleições para a presidência da República, em 2018. Ou, então, que a repulsa pela política levará ao retorno da esquerda ao poder. Teme-se também que o movimento possa dar espaço para o “Fora Temer”, defendido pelo PT e pelas esquerdas de todos os tons, apesar de tal bandeira não estar na pauta dos grupos que lutaram pelo impeachment.
Em seus artigos e em seu programa de rádio, o jornalista Reinaldo Azevedo chegou a chamar de “direita xucra” os grupos que defendem a Lava Jato e pregam nas redes sociais contra a política e os políticos. Segundo ele, a demonização da política e dos políticos de forma geral levaria ao “rebaixamento da ordem democrática” e seria “um salto para trás, à esquerda ou à direita”.

De fato, não faltam exemplos históricos de regimes autoritários forjados a partir de um discurso de ódio à política e de aversão ao status quo, como diz Reinaldo Azevedo. O fascismo na Itália e o nazismo na Alemanha são os casos mais emblemáticos, mas a lista é longa. Obviamente, isso deve ser motivo de preocupação permanente para todos os que acreditam nos valores da democracia Ocidental, alvo de ataques permanentes das esquerdas e dos obscurantistas de direita, na liberdade e no livre arbítrio.

Mas, apesar de algumas iniciativas isoladas de grupos pouco representativos, que defendem uma intervenção militar para acabar com a roubalheira dos políticos e a baderna social, não se tem notícia até o momento de que estejamos no limiar de um golpe fascista destinado a por um fim no regime democrático reinstalado no País em meados da década de 1980. Ao que se sabe, nem Bolsonaro apoia uma proposta do gênero.

Parece improvável também que estejamos diante do renascimento iminente do PT e de seus aliados de esquerda, nocauteados pelo impeachment e pelo envolvimento de suas principais lideranças no petrolão e em outros escândalos bilionários de corrupção, cuja escala jamais se viu na história desse País.

Talvez, a busca por lideranças desvinculadas da política tradicional abra espaço para o aparecimento de líderes populistas, num momento em que o Brasil precisa desesperadamente de gente séria, capaz de identificar os grandes problemas nacionais e de buscar as melhores soluções para resolvê-los, sem viés ideológico, e para recolocar o País nos trilhos do desenvolvimento sustentável. Seria uma tragédia de custos incalculáveis que um líder populista assumisse o comando do País em 2018.

Ainda assim, como condenar os milhões de brasileiros que defendem uma faxina completa na política, diante da deterioração sem precedentes da moralidade e do assalto ao dinheiro público para beneficiar partidos e gatunos políticos, em troca de contratos espúrios e empréstimos polpudos a empreiteiras, grandes frigoríficos e empresas de outros ramos de atividade?

Será que o medo dos fantasmas de Bolsonaro, do retorno da esquerda ao poder e do populismo deveria levar os brasileiros indignados com a bandalheira, na qual está envolvida boa parte dos políticos do País, a se calar ou a fazer um recuo tático neste momento, para evitar eventuais contratempos no futuro?

Será que merecem ser achincalhados os brasileiros que se revoltam contra a política e os políticos que legislam em causa própria, para aumentar os próprios salários e benefícios ou para perpetuar o foro privilegiado, que lhes garante julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF), onde os processos costumam ser deixados para as calendas?

Será que se deve humilhar em praça pública os brasileiros que se rebelam contra as tentativas do Congresso Nacional de promover uma anistia ao caixa 2 na calada da noite e uma reforma política que prevê o voto em lista fechada, para perpetuar no poder os políticos que controlam as máquinas partidárias?

Provavelmente, não. Ainda que a indignação popular esteja contaminada pela emoção, parece natural que haja um questionamento da política, dos partidos e dos políticos. No cenário surrealista que predomina na arena política, é perfeitamente compreensível que a indignação dos brasileiros de bem desemboque na busca por representantes sem ligação com tudo-isso-que está-aí.

É claro que há exceções, honrosas exceções, na política. Felizmente, há políticos que não fazem parte da banda podre que se incrustou nos partidos e dá o tom na política nacional. A população certamente saberá reconhecê-los, dando-lhes um voto de confiança nas urnas, quando chegar a hora. Mas a extensão do tumor que se desenvolveu no tecido político do País não deixa muito espaço para quimeras.

Na verdade, a ojeriza aos políticos tradicionais não é um fenômeno restrito ao Brasil. Em todo o planeta, uma onda antipolítica está em evolução, em face da incapacidade do sistema político tradicional atender aos anseios da maioria silenciosa que, nos últimos tempos decidiu sair do armário e fazer ouvir a sua voz, para o bem ou para o mal, “empoderada” pelas redes sociais. Até o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso – ele próprio um cacique da política tradicional – reconhece a força do fenômeno.

“No mundo todo, se está com um pé atrás em relação à política e aos políticos”, disse ele em entrevista para a série “A reconstrução do Brasil”, publicada pelo Estado para discutir os principais desafios do País depois do impeachment (leia as reportagens da série em http://www.estadao.com.br/tudo-sobre/a-reconstrucao-do-brasil). “Os políticos falam de uns temas e a sociedade de outros. Daí vem essa sensação de vazio, de falta de correspondência entre os anseios das pessoas e o comportamento dos políticos.”

Por tudo isso, mais do que demonizar os brasileiros que se levantam contra a corrupção e a políticagem praticada no País, seria mais apropriado, provavelmente, compreender melhor o que o que está por trás dessa indignação, da repulsa aos políticos tradicionais e à política, do desejo de renovação do sistema e da busca por novos líderes.

Afinal, trata-se, felizmente, de um contingente robusto de cidadãos, que representa uma reserva moral essencial para impor limites à bandalheira e para renovar a esperança de que o Brasil não é um caso perdido.

Um comentário para “A Lava Jato, a ‘direita xucra’ e a bandalheira

  1. Pedro

    Como o Mário Sabino disse em uma das reuniões de pauta, existe um conjunto de articulações que está lutando para preservar a nossa classe política. RA é uma dessas figuras. Uma coisa que deve ficar bem clara é que a democracia existente no Brasil é fajuta. A culpa disso é dos políticos que abusam do poder para se perpetuarem nos seus cargos. A verdade é que eles são democratas desde permaneçam no poder. Na prática é como se eles entrassem em campo com 22 jogadores contra 11. Precisamos reduzir o poder dos políticos, independente da ideologia. A única saída é uma nova constituinte.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *