A abolição do homem, por C. S. Lewis

C. S. Lewis

Trazemos ao ArcaReaça um trecho do livro ‘A abolição do homem’, de C. S. Lewis, publicado em 1943:

“Um pensamento ardeu na minha mente: por mais que ele dissesse e por mais que me lisonjeasse, vender-me-ia como escravo quando me tivesse em seu poder” Bunyan

“A conquista da Natureza pelo Homem” é uma expressão utilizada habitualmente para descrever o progresso das ciências aplicadas. “O Homem derrotou a Natureza”, disse alguém não faz muito tempo a um amigo meu. Em seu contexto, essas palavras tinham uma certa beleza trágica, pois o sujeito que as pronunciou estava morrendo de tuberculose. “Não importa”, prosseguiu, “sei que sou uma das baixas. É claro que existem baixas do lado dos vencedores e do lado dos perdedores. Mas isso não muda o fato de que o Homem está vencendo.” Escolhi essa história como ponto de partida com o intuito de deixar claro que não desejo menosprezar o que existe de benéfico no processo descrito como “a conquista humana”, e muito menos toda a verdadeira paixão e o sacrifício pessoal que a tornaram possível. Mas, dito isto, devo passar a um a análise um pouco mais atenta dessa concepção. Em que sentido o Homem possui um poder crescente sobre a Natureza?

Consideremos três exemplos típicos: o avião, o rádio e os anticoncepcionais. Numa comunidade civilizada, em tempos pacíficos, qualquer um que tenha dinheiro pode fazer uso dessas três coisas. Mas não se pode dizer estritamente que quem o faz está exercendo seu poder pessoal ou individual sobre a Natureza. Se eu pago para que alguém me leve a algum lugar, não se pode dizer que eu seja um homem que dispõe de poder.

Todas e cada uma das três coisas que mencionei podem ser negadas a alguns homens por outros homens — por aqueles que vendem, ou por aqueles que permitem que sejam vendidas, ou por aqueles que possuem os meios de produzi-las, ou por aqueles que as produzem. Aquilo que chamamos de poder do Homem é, na realidade, um poder que alguns homens possuem, e que por sua vez podem ou não delegar ao resto dos homens. Novamente, no que se refere ao poder do avião ou do rádio, o Homem é tanto o paciente ou o objeto como o possuidor de tal poder, uma vez que ele é o alvo tanto das bombas quanto da propaganda. E, quanto aos anticoncepcionais, existe paradoxalmente um sentido negativo no qual todas as possíveis gerações futuras são os pacientes ou objetos de um poder exercido por aqueles que já vivem. Pela contracepção enquanto tal, simplesmente lhes é negada a existência; pela contracepção usada como meio de reprodução seletiva, são obrigados a ser, sem que ninguém os consulte, o que uma geração, por suas próprias razões, vier a escolher. Sob esse ponto de vista, o que chamamos de poder do Homem sobre a Natureza se revela como um poder exercido por alguns homens sobre outros, com a Natureza como instrumento.

Trata-se, é claro, de um lugar-comum reclamar que os homens têm usado erroneamente e contra seus próprios congêneres o poder que a ciência lhes outorgou. Mas não é isso o que quero demonstrar aqui. Não me refiro a abusos ou degradações particulares que pudessem ser sanados por um aperfeiçoamento da virtude moral; estou tratando daquilo que sempre e essencialmente será aquilo que chamamos de “o poder do Homem sobre a Natureza”. Sem dúvida, esse quadro poderia ser alterado com a estatização das matérias-primas e das empresas e mediante o controle público da investigação científica. Mas, a menos que existisse um único Estado mundial, ainda teríamos a preponderância de algumas nações sobre outras. E mesmo essa única nação ou Estado mundial significaria (em geral) o poder das maiorias sobre as minorias e (em particular) o poder do governo sobre o povo. E todos os exercícios de poder a longo prazo, especialmente no que diz respeito à natalidade, significam o poder das gerações anteriores sobre as posteriores.

Essa última questão nem sempre é suficientemente enfatizada, pois os estudiosos de assuntos sociais ainda não aprenderam a imitar os físicos na consideração do tempo como uma dimensão. A fim de compreender plenamente o que de fato significa o poder do Homem sobre a Natureza e, portanto, o poder de alguns homens sobre outros, devemos considerar a raça humana no tempo, desde a data da sua aparição até a da sua extinção. Cada geração exerce um poder sobre os seus sucessores e cada uma, na medida em que modifica o meio ambiente que herda e na medida em que se rebela contra a tradição, limita o poder dos seus predecessores e resiste a ele. Isso modifica o quadro comumente apresentado de uma progressiva emancipação da tradição e de um crescente controle dos processos naturais como resultando em um contínuo crescimento do poder do homem. Na verdade, é evidente que, se alguma geração realmente alcançasse, mediante a educação científica e a eugenia, o poder de realizar em seus descendentes o que bem entendesse, qualquer homem que vivesse depois dessa geração seria objeto de tal poder. E seria mais fraco, e não mais forte, pois, embora tenhamos sido capazes de pôr engenhos maravilhosos em suas mãos, teremos prefixado a maneira como deve usá-los. E se, como é provável acontecer, a geração que tenha alcançado o poder máximo for também a geração mais emancipada da tradição, ela se verá comprometida a reduzir o poder dos seus predecessores tão drasticamente quanto o dos seus sucessores. Também temos de lembrar que, à parte isto, quanto mais recente é uma geração – e, por conseqüência, quão mais próxima está da extinção da espécie –, menor o poder que terá para avançar, uma vez que estarão reduzidos os objetos das suas ações. Por isso, não existe um poder conferido a toda a raça e que cresce substancialmente à medida que essa raça segue vivendo. Os últimos homens, longe de serem os herdeiros do poder, serão os que mais estarão sujeitos à mão mortal dos grandes planejadores e manipuladores, e serão os menos capazes de exercer algum poder sobre o futuro.”

Leia também:
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *