Youtuber ateu e feminista radical mata namorada a tiros


Do Heatst:

Prosecutors in Colorado have upped the charges against Aleksandr Kolpakov, the YouTuber who runs the popular channel The Skeptic Feminist and who stands accused of killing his female co-host. The District Attorney’s office on Tuesday said that the 29-year-old YouTuber will now be charged with first-degree murder in the shooting death of Heather Anable. Previously, the charge was second-degree murder.

Dono do canal O Feminista Cético, Aleksandr Kolpakov é acusado pela polícia de Colorado de assassinato deliberado de sua namorada Anable, conhecida como Ivy. Anable levou múltiplos tiros no peito e no pescoço e foi encontrada morta na calçada. Testemunhas viram o casal juntos momentos antes do tiroteio.

Uma testemunha conta que ouviu Anable gritar “Eu não posso acreditar” e que depois disso ouviu três tiros. A polícia acredita que durante a prisão ele estava sob efeito de drogas.

Kolpakov, conhecido pela comunidade do youtube como deadpool russo, era um feminista radical e considerava misoginia e religião como essencialmente unidos. Veja vídeo do casal no canal que tem mais de 500 vídeos a favor do ateísmo e feminismo:

As leis do Estado de Colorado punem o assassinato em primeiro grau com a pena capital ou prisão perpétua sem liberdade condicional.

 

Revisado por Maíra Pires @mairamacpires

Loading...

8 comentários para “Youtuber ateu e feminista radical mata namorada a tiros

  1. danir

    Não aprovo o feminismo, mas penso que todas as mulheres merecem respeito e consideração, alem de um lugar ao sol. Feminismo não é nada disto, e é mutável de acordo com as necessidades de quem manipula as feministas. É só olhar as variações do tema ao longo do tempo e ver como as bandeiras mudaram sobre a mesma denominação. Quanto ao ser ateu, particularmente tenho uma religião, acredito em Deus e entendo que a maior contribuição que nos traz, é o código moral inerente, que no caso do judaísmo e das religiões baseadas em Cristo, pregam a conservação do indivíduo, o respeito moral e a preservação da obra divina. Sem, fanatismo, sem radicalismo, sem terrorismo e sem violência. Simples assim. Não dá para ser neutro quando se tem uma convicção. Mas podemos ser justos em nossos juízos.

    Responder
  2. danir

    Os comentários estão parecendo coisa de pessoal politicamente correto, que critica o título do artigo sem procurar entender ou definir o objetivo subjacente. O fato de ser feminista radical e ateu, significa uma postura que nos leva a fazer juízos a respeito, e que no meu entender desqualificam um pouco, ou muito a pessoa. Se então assistirmos o vídeo, fica claro – para mim – que o sujeito não é normal nem elegível (para um cargo eletivo?) nem como meu amigo ou conhecido. É tudo parte de um circo, e muito provavelmente ele não matou por ser feminista radical. Porem, o fato de ser ateu, e criticar de igual forma o cristianismo, o judaísmo e o islamismo (não dá para colocar as duas primeiras no mesmo saco com o islamismo) nos dá uma pista de como a ausência de um norte moral e a adesão a certas posturas ideológicas, podem destruir a cabeça de um cidadão. Pode parecer preconceito, e talvez seja; afinal preconceito tem uma razão de ser, mas sempre que vejo alguém que se identifica como ateu, feminista radical, seguidor da religião da paz, pró vida, e outras cositas mais, eu me protejo e grudo minhas costas na parede, principalmente se ele estiver armado. O resto da trupe no vídeo, também não desperta minha simpatia. Fico pensando com meus botões….. Se eles censuram pessoas que fazem comentários sérios e embasados sobre questões políticas e religiosas, porque não censuram estas nulidades. Não me interpretem mal, sou da opinião que nenhum dos dois deve ser censurado, ficando a escolha sobre acessar ou não, a cargo do espectador. Entretanto o simples fato proposto mostra como vivemos num mundo tendencioso e desproporcional. O sujeito se qualifica, como se isto (ateu e feminista radical) fosse mais importante do que qualquer outro adjetivo que se possa usar para qualificá-lo. Portanto o título é adequado e talvez contenha uma certa ironia. Saudações a todos.

    Responder
  3. Gustavo

    é evidente que ser ateu e feminista fazem a pessoa ser pior.. se vc acha que isso significa que ser religioso e anti-feminista significa ser melhor, significa que vc é burro por ter entendido isso

    Responder
  4. Bertoldo Klinger

    Na verdade creio que o objetivo do título é mostrar que muitas vezes os radicais, sejam eles religiosos, feministas, conservadores, ateus, esquerdistas, reacionários e etc. não passam no fundo de grandes hipócritas!

    Responder
  5. Ninguem

    Até porque nunca na história da humanidade um religioso e/ou não-feminista matou alguém antes.
    Qual o objetivo com esse título aí? Fazer alguém achar que essas características fazem a pessoa pior? Esse blog já foi melhor na hora de escolher as bruxas que deve caçar

    Responder
    • Pedro Rocha

      Na verdade, é porque essas pessoas se consideram melhores que as outras, como todos os autoproclamados “iluminados” ou “progressistas”. Muitos desses ateus esquerdistas conseguem ser ainda mais arrogantes em seu fanatismo do que os marxistas, sendo que fatos como esses mostram que somos humanos falíveis, como qualquer conservador ou pessoa de bom senso sabe.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *