Sexo e dinheiro, futebol e borracha: o ano do redescobrimento do Brasil – Diogo Mainardi

“Os brasileiros têm os dois pés no chão… E as duas mãos também.” Desde quando as primeiras caravelas dos europeus atracaram no Brasil, mais de cinco séculos atrás, muitos narradores tentaram compreender e descrever o caráter de nosso povo. Navegadores, jesuítas, piratas, garimpeiros, naturalistas, traficantes de escravos, aventureiros, filósofos, antropólogos, escritores: cada um deles tentou explicar aos seus semelhantes os traços marcantes do Brasil e do nosso povo pitoresco. Pouquíssimos conseguiram.

2014 será o ano da redescoberta do Brasil. Cronistas oriundos dos lugares mais improváveis irão atravessar o oceano e por seis meses, precisamente até o final da Copa do Mundo, 13 de julho, irão encher seus desinteressados e desinformados compatriotas com notícias sobre o Brasil. Recomenda-se a todos que renunciem imediatamente a qualquer tentativa de originalidade e passem a plagiar despudoradamente o mais feroz dos nossos humoristas, Ivan Lessa, que foi capaz de resumir a essência da nossa espécie em uma única frase: “Nós temos os pés no chão e as mãos também.”

Se Ivan Lessa, o nosso Apuleio, se destacou pela capacidade de revelar nossa natureza quadrúpede – os jumentos verde-amarelos – o historiador Paulo Prado, muito antes dele, deve ser lembrado por uma façanha igualmente relevante: ele diagnosticou nossa psique patologicamente melancólica. O seu “Retrato do Brasil”, com o subtítulo “Um ensaio sobre a tristeza brasileira” de 1926, é ainda hoje um guia insuperável para orientar os observadores menos afeitos às questões nacionais. A introdução não deixa dúvidas: “Em uma terra radiante, vive um povo triste”. Os brasileiros não são normalmente associados a estados de humor mais depressivos. Na verdade, é exatamente o oposto: somos festejados em todo o mundo pela nossa ritmada e ensurdecedora despreocupação, pelos nossos modos festivos e lascivos. Mas a tristeza mencionada por Paulo Prado não é fruto de uma angústia existencial, reflexiva, leopardiana; antes, é o resultado da própria luxúria. Sexo, sexo, sexo. Na nossa história não existe mais nada. O Brasil será sempre e só isso: o lugar onde o homem é livre para se comportar como “um bode em um cercado cheio de cabras, sem ideais, sem preocupações estéticas, políticas, intelectuais e artísticas.”

diogo-mainardi-vai-emboraNas primeiras páginas de “Retrato do Brasil”, carregadas com um pesado e obsoleto sentido de moralidade, Paulo Prado cita o testemunho de Américo Vespúcio sobre os costumes lascivos dos nossos antepassados: “Eles têm tantas esposas quanto queiram, o filho vive com sua mãe, o irmão com a irmã, a prima com seu primo, e todo homem com a primeira que aparece.” Em 14 de junho de 2014, após o jogo entre Itália e Inglaterra, um padeiro de Castelfranco Veneto, em visita à cidade de Manaus, próximo de onde estava Américo Vespúcio quinhentos anos atrás, poderá repetir as impressões do navegador italiano, usando as mesmas palavras daquele. O sexo, portanto, é o primeiro fator para explicar a nossa tristeza atávica, segundo Paulo Prado. Post coitum animal triste. Mas há um segundo fator não menos importante: a ganância. Enquanto a carnalidade selvagem estrangulou nossas escassas capacidades mentais, a ganância contaminou o nosso precário equilíbrio social. O Brasil foi fundado por bodes gananciosos e sem escrúpulos, dispostos a qualquer ignomínia a fim de conseguir acumular a maior quantidade possível de dinheiro o mais rápido possível e depois voltar com os despojos às suas terras de origem. Os ecos dessa gênese saqueadora são ouvidos ainda hoje na vida cotidiana. De fato, mais que os cinquenta mil assassinatos cometidos todos os anos – em 2013 foram assassinadas mais pessoas no Brasil que na Síria, e será assim também em 2014 –, o que realmente desconcerta é a aceitação resignada desse massacre permanente, como se fosse um elemento inevitável da natureza.

Mas a ganância descrita por Paulo Prado não produz apenas a ruína social: ela também produz frustração pessoal. Porque quase nunca é recompensada. Ciclicamente, o Brasil teve saltos de desenvolvimento e de dinheiro fácil, durante os os quais foi aclamado como o novo Eldorado, mas todos acabaram em poucos anos. Em nossa história tivemos o ciclo da madeira, o ciclo da cana-de-açúcar, o ciclo do ouro, o ciclo da borracha. Todos acabaram, deixando apenas desolação. Recentemente, houve um novo momento de euforia econômica em relação ao Brasil: o ciclo das commodities.

A opulência criada pela bolha das matérias-primas foi representada na capa da The Economist, que em novembro de 2009, estampou a imagem da estátua do Cristo Redentor decolando como um foguete em direção a um futuro magnífico. Quatro anos depois, a mesma revista precisou se retratar, mostrando o Cristo Redentor despencando tragicamente rumo ao chão, enquanto o título indaga: “o Brasil desperdiçou tudo?” Ao longo da história, o Brasil sempre passou desapercebido, uma espécie de apêndice da humanidade, um adendo estranho e inútil. Tudo vai mudar em 2014. Até meados do ano, o país será analisado e debatido por uma multidão de incautos cheia de opiniões equivocadas a nosso respeito. Então vamos submergir uma vez mais. Em outubro serão realizadas as eleições presidenciais, mas essas não interessam a ninguém, nem mesmo aos brasileiros. Apesar de a cúpula do seu partido ter sido presa por corrupção há alguns meses, Dilma Rousseff vai ganhar de novo, porque os eleitores estão acostumados há séculos com bodes gananciosos e desprovidos de escrúpulos. Então, para nossa sorte, 2014 vai terminar sem deixar vestígios. Como disse Ivan Lessa: “A cada quinze anos o Brasil esquece o que aconteceu nos últimos quinze anos.”

Texto de Diogo Mainardi publicado originalmente em http://archiviostorico.corriere.it/2013/dicembre/31/Sesso_soldi_calcio_caucciu_anno_co_0_20131231_770eaee2-71e7-11e3-af1e-1dbe15c3d35c.shtml,  traduzido por @YashaGallazzi.

 

Loading...

113 comentários para “Sexo e dinheiro, futebol e borracha: o ano do redescobrimento do Brasil – Diogo Mainardi

  1. Ter

    Parabéns. Como sempre seus artigos relatam o cotidiano do Brasil um pais que se permite manipular sem contestar , que acredita em pesquisar pagas , quando a realidade das ruas e muito diferente. Se tivessem mais diodos este pais seria diferente. Nas eleições de 2002 você disse que o Pt deixaria um rastro de corrupção. Ineficácia e o pior iria instalar o socialismo mascarado. E só ler os jornais. Onde está a invenção deste jornalista e pura verdadade. Verdade dói.

    Responder
  2. miriam kopf

    Queiram ou não o texto está correto, até um tanto brando na hora de classificar a ignorância que assola o povo brasileiro de uma forma geral, que é o que no final das contas pesa nas urnas . É triste, mas o povo brasileiro gosta de lixo e sujeira, basta ver o rastro de lixo e restos de comidas gordas e mal cheirosas que eles deixam pra trás nas praias do nosso litoral…. Tudo isso é resultado de uma falta de civilidade e cultura e que no final da historia nos ELEVA a uma categoria a que podemos ser comparados a animais, aliás que nos desculpem eles.

    Responder
  3. Carlos Alberto Potoko

    Este texto enciclopédico com consciência dos novos rumos da cultura brasileira, não acreditando, no entanto, no iluminismo da razão, dado que se defende que os sábios, compreendendo os fenômenos físicos nas leis da civilização, não atingem o âmago e o porquê das coisas. Quem são os homens mais do que a aparência de teatro?

    Responder
  4. Beth

    Sempre fui à fim de falar c vc ou de vc fi, vai ser chato lá na pqp!
    O q vcs ” pensadores” tem q fazer é entender as pessoas q vcs
    nem sonham q existem é q fazem a história de verdade.
    Mão e pés , é melhor q mãos e joelhos ! F

    Responder
  5. André Siqueira

    O cara nos chama de quadrúpede, inclusive os que aqui lêem. Se ele fosse ler esses comentários aqui, iria rir de tanta falta de entendimento.
    “Os brasileiros têm os dois pés no chão… E as duas mãos também.”

    Responder
  6. André Siqueira

    Como o brasileiro não é quadrúpede como esta pessoal nos classifica e nos seus 51anos de idade, praticamente não ter vivido no nosso pais, continua sem ter prestígio aqui. Só a Veja mesmo para sustentar uma pessoinha como ele morando longe e falando mal do nosso país. Continue onde vc está coisinha, pois nós brasileiros trabalhares, não somos quadrúpedes.

    Responder
    • Wania Palis

      quem critica o Mainardi e sua visão realista do Brasil – é que muito provavelmente está comprometido com as maracutaias e falcatruas ou se beneficia delas nesse Brasil tão corrompido e dilacerado ao longo dos séculos…
      um brasileiro honesto, trabalhador, que paga impostos e sua a camisa, independente de sua condição social não pode em sã consciência compactuar com a situação de buraco negro que o Brasil caminha a passos largos, com nosso dinheiro sendo distribuido para Cuba, países africanos, ditadores, narcotráfico tudo junto e misturado com o desgoverno brasileiro e a corrupção generalizada instituída oficialmente nos 3 poderes da República, em todas as esferas…
      estamos o Brasil como nação e nós como povo, de 4 sim.. a mercê do banditismo, da corrupção desenfreada, da lei da vantagem, do assassinato de milhares de brasileiros honestos e trabalhadores, da violencia generalizada, do retorno da inflação galopante, dos juros altos, do achatamento dos salários, da desvalorização da nossa moeda.. quer que eu desenhe ou deu pra entender ????

      Responder
  7. cristiany

    O que ele diz e a pura verdade, e em resposta ao colega os que não suportam o Brasil só não vão embora e se naturalizam em outras partes porque não e tao fácil como gostaríamos,ao contrario do Brasil outros países em melhores condições não abrem suas pernas facilmente,principalmente porque Brasileiro continua sendo mal visto.
    E digo isso com base em morar no exterior.

    Responder
  8. vanessa

    Concordo com o escritor em gênero, grau e número. Certo é ele de não estar aqui, pois se eu tivesse condições não pensaria duas vezes de sair daqui. Qual beleza o Brasil tem? A natureza, que é a única, que é explorada pelos burgueses. O Brasil foi colonizado por homens inteligentes que só despejaram pessoas irracionais (desculpa usar esse termo, mas não entendo como, se os escravos eram maioria se deixam ser explorados por uma grande minoria ( os brancos).

    Responder
  9. Francisco M Legname

    O Diogo Mainard tem razão na análise que faz do nosso povo e do Brasil, mas não vale ficar apenas falando confortavelmente instalado na encatadora Veneza e respirando ares europeus. Volte pro Brasil, vá paras as ruas como muitos de nós fizemos em 2013 e vamos juntos este ano, botar a boca no trombone e contribuir para mudar a nossa quadrupede posição. a

    Francisco

    Responder
    • Fernando

      Voltar pra que ? Pra viver inconformado com a nossa realidade. Discordo. Fique por ai Diogo, não preciso dizer isso, ele não voltará. Aproveitou a oportunidade que teve e foi viver em outro lugar e assistir de longe a ruína do país.

      Responder
    • Olga

      O Mainard nunca calou a boca. Sempre foi o maior crítico das podridões da corja petista. Por que acha que teve de ir embora? Garanta a vida dele e de sua família publicamente e veja se ele não volta. Ocorre que os brasileiros sempre estão buscando heróis para falarem ou agirem em seu lugar.Infelizmente não faz parte, ainda, da natureza do brasileiro ser responsável pelos seus próprios atos. Por isso “o cara” faz o que quer com a nação.

      Responder
      • Wania Palis

        perfeito.. o Mainardi como uma das poucas vozes de oposição de fato e de direito a esta corja de bandidos mafiosos instalados no poder do Brasil não tem que ficar no Brasil e ter sua segurança e de sua família ameaçada..
        vivemos uma ditadura velada travestida de democracia barata e nojenta..
        só não vê quem não quer.
        meu filho foi embora do Brasil tentar a vida com a esposa.. trabalhava como um burro de carga 14 horas por dia em um hotel, com faculdade e especialização e pasme.. este ano.. não era capaz de pagar seu aluguel em um sala/quarto de 30.00 m2 no Flamengo.. o sálario não cabia no aluguel descabido desta cidade maldita que se transformou o Rio de Janeiro… só quem vive aqui sabe o que custa viver aqui em tempos de meleca de copa do mundo e olimpíadas… com 3 meses fora já comprou carro e paga seu aluguel num quarto e sala num lugar decente… Brasil já era.. quem viver verá…

        Responder
  10. Rafael Figueirdo

    Puts, nos comentários é obrigatório ou endeusar ou meter o pau? O cara escreve bem, tem boa retórica e forma desenvolta de escrever, o que torna a leitura gostosa. Por outro lado, manipula informações, tomando, por diversas vezes no texto, a causa pelo efeito. Tendencioso ou não (ele é!), continue a escrever, Diogo, o faz de forma muito bacana. As pessoas é que tem de ter a parcimônia de analisar e verificar as afirmações, sem preconceitos petistas ou psdebistas. Difícil…

    Responder
  11. VERUSKA DOS ANTOS

    Li vários comentários, praticamente todos a favor do que está escrito, então deixo aqui uma pergunta aos que foram tão favoráveis : ” Se o nosso país é essa MERDA que esse senhor coloca e que vocês dão aval, o que estão fazendo aqui ?! Porque não vão para a Itália congratular com ele ?! “

    Responder
    • marco a constantino

      Este comentário da Sra. Veruka e’ em sua essencia igual ao famoso bordão da ditadura militar nos anos 70 :”‘Brasil, Ame-o ou Deixe-o” de tão nefasta memória !

      Responder
    • M Kono

      A Italia nao permitiria tantos brasileiros por la. Bastam os italianos que nao sao menos corruptos ou preguicosos, e que vivem num passado de glorias construido pelos cesares e gladiadores romanos. No final todos os povos e culturas tem seus vicios e realizacoes. Somos todos humanos so falamos linguas diferentes…

      Responder
    • flgalvani

      “Se esse desejo virasse realidade, o Brasil receberia em torno de 78 milhões de imigrantes nesse cenário hipotético. Mas, em um mundo sem fronteiras, a população do País diminuiria – 94 milhões de brasileiros se mudariam para outras nações, se pudessem. Ainda assim, 53% dos brasileiros não desejam emigrar, porcentual acima da media mundial.” Veja esta reportagem do Estadão: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,morar-no-brasil-e-sonho-internacional-,1117191,0.htm

      Responder
    • juliana

      É por isso que muitos, como eu, estão realmente indo embora, migrando. Porque o Brasil é naturalmente rico, mas é muito pobre, porque somos um povo indolente, que aceita absurdos com naturalidade. E quem tenta apontar os erros é sempre mal visto, ou até ridicularizado. Então, se a maioria quer viver na bosta, e ainda acha bom, o melhor é realmente ir embora. Você tem toda razão, e tenha bom proveito!
      ps. No Brasil ocorrem 50 mil assassinatos, mais 50 mil mortes no transito por ano… mas, ta tudo bem, tem samba, futebol e novela… como alguem pode falar mal daqui, não é mesmo?

      Responder
    • Sandra Del Vecchio

      Ah!! Que sugestão mais simplista de responder!! Pois é por isso mesmo que nem todos tem condições de sair daqui, não percebeu ainda? Quer que eu desenhe? Ainda não conseguimos ficar sobre os pés… Continuamos de quatro. Como você… que acha que tudo está bem numa sociedade doente… Você e outros tantos, estão muito doentes! Aproveite, então, está maravilha de corrupção, crimes hediondos, assaltos, impunidades, votos comprados com Bolsas-isto, Bolsas-aquilo, etc. Você deve viver numa bolha, a salvo de todas essas mazelas, deve ir a Cuba num trem da alegria, com todos os serviços pagos com o dinheiro público e o suor de seus irmãos brasileiros, que por causa de gente como você, vão continuar de quatro! Contine se alienando e “viajando”…Já vimos esse filme antes e que nos deixou triste lembranças!

      Responder
    • Érica Cristina de Oliveira

      Veruska, a Itália, assim como outros países civilizados, não tem “porteira aberta” para se mudar pra lá. Para entrar lá, vc precisa de um “visto”, ou seja, pedir permissão, justificar o que vai fazer. e tem dias contados para deixar o país, se é que vc não saiba.
      O único país “porteira aberta” em que todos os desempregados, desgraçados, fugitivos, vagabundos do mundo inteiro chega e fica, usando nossas escolas e nossos hospitais gratuitamente e tirando empregos de pessoas natas, é o Brasil.
      Vc perdeu uma oportunidade de ficar calada e nos deixar achar que vc é uma idiota, mas como abriu a boca, nos deu a certeza.

      Responder
    • Ingo Hermann

      “Às vezes, é melhor ficar calado e deixar que as pessoas pensem que você é um imbecil, do que falar e acabar de vez com a dúvida” (Abraham Lincoln)

      Responder
    • Renato Freitas

      Primeiro nos seres humanos precisamos aprender o que a palavra RESPEITO antes de falar ou dizer algo mesmo que virtual, sou Mineiro, Brasilieiro com muito Orgulho o local quem faz somos nos, julgar pedras e facil, mas quem nunca pecou ja dizia Cristo, que jogue a primeira pedra, SOMOS SIM BRASIL TERRA AMADA IDOLATRADA SALVE SALVE SIM. Temos o Livre arbitrio para morar ir onde nos aceitar mas terra como o Brasil nao ha.que possamos lembrar nas frases pimenta nos olhos dos outros refresco, antes de olhar o cisco nos olhos do seu irmao tire a trave do seu primeiro , ate por que arvore e sempre reconhecida pelos frutos que dao. e o NOSSO BRASIL E GIGANTE MESMO BONITO POR NATUREZA MESMO em feveveiro e CARNAVAL MESMO, multa bossa nova mesmo, porem no dia a dia quem constroi o Brasil SOMOS NOS FILHOS DA PATRIA AMADA MAE GENTIL E deste RESPEITO que solicito a todos do mundo terem com NOSSO BRASIL. RESPEITO.

      Responder
    • Wania Palis

      se eu pudesse, já tinha ido.. isto aqui só tem belezas naturais e desde que eu nasci é o país do futuro que nunca chega…
      crise na Europa.. piada.. é fichinha perto da crise diária que vivemos com milhares de crakudos, sem teto, sem terra e etc.. 50 mil pessoas do bem assassinadas por ano pelo banditismo e abandonados pelo poder público caótico e corrompido…
      quantos refugiados o Brasil tem vagando pelo país ??
      se não fosse a esmola do bolsa família sustentado com os impostos do povo brasileiro, onde estariam as 40 milhões de pessoas que vivem e subsistem na nova classe média petralha, sem produzir, sem estudar, sem gerar riqueza e produção para o país.
      somos hoje o país dos parasitas pobres, e dos parasitas sugadores do dinheiro do povo brasileiro, na corrupção desenfreada do poder público em todas as esferas..

      Responder
      • Maristela Guedes

        Sim, tá no Aurélio, mas com o sentido de “desprovido; desprevenido.” No caso do texto, acho que a intenção era de “que não se viu ou não atraiu a atenção”, no caso, DESPERCEBIDO. Acontece…
        No mais, concordo com tudo. Esse Mainardi arrasa, mesmo sendo tendencioso, e daí? Quem não é? Se temos ideias, temos que defendê-las!

        Responder
        • João Sato

          Correto, foi apenas um equívoco na tradução, no original está “il Brasile è sempre passato inosservato”, ou seja, inosservato = despercebido.

          Responder
        • susana

          Eu acho certíssimo o uso de “desapercebido” no contexto da frase. Passou desapercebido = Ninguém percebeu que existia, ninguém notou. No dicionário de Português (Portugal) de·sa·per·ce·bi·do
          (particípio passado de desaperceber)
          adjetivo
          1. Desprovido ou desguarnecido de provisões ou apercebimentos.
          2. Que não se viu ou não se percebeu. = DESPERCEBIDO ≠ NOTADO, OBSERVADO

          Responder
  12. Magui

    Ainda bem que o Brasil ficou sendo fiel a si mesmo e não tornou-se clone dos europeus.Somos o que somos e quem não gostar pode naturalizar-se outra coisa. Mas, sentir-se um vencido e quadrúpede já o faz lacaio em sua própria terra.

    Responder
  13. Antonio Wisdamy Pinto Saraiva

    Sim, alguém comentou que nos comparam no momento atual aos nativos da época do descobrimento. Sim, eles viviam em um sistema social livre, onde obedeciam apenas à orientação da sua cultura simples, primitiva? Não ousaria dizer primitiva, primitivos somos nós que nos intitulamos de civilizados e vivemos uma babárie…Sim não podemos ser comparados aos índios, pois estamos em uma condição de barbárie, infelismente pioramos desde o descobrimento, pois teoricamente temosuma constituição, leis normas,etc….Todas essas referência são sistematicamente ignoradas, desrespeitadas, quiçá pudessemos ser comparados aos índios…

    Responder
    • SideShow Bob

      Ok.

      Então para podermos avançar, a primeira cousa a fazer é o sr. desligar o computador, seu I-pad, seu celular, seus cartões de créditos, suas roupas e tudo o que é europeu.

      Então o sr. poderá ser comparado aos que é moralmente superiores que são os índios.

      Em tempo, não pode também usar cavalo, pois os índios os comiam e não os adestravam.

      Responder
  14. Dener Law

    Não acompanho o Diego, mas o que escreveu é a pura verdade, Eu mesmo ja me manifestei no meu face sobre a roubalheira da Copa e o caos pós Copa. É só aguardarem.

    Responder
  15. Lucinha dettori

    Ciao Diogo, Sempre bravissimo ragazzo!
    Purtroppo sono d’accordo con te. Ahieme! meglio che i miei antenati non erano emigrati dalla Sardegna per vivere in Brasile. Dove sei la mia identità perduta?
    Abbratzu mannu- Grande Abraccio.

    Responder
  16. Fernando Amaral da Silveira

    Só acho que referir-se aos nativos encontrados por Américo Vespúcio como “nossos ancestrais” uma visão bem distorcida. Afinal, os índios foram trucidados a força de armas e doenças e, pelo menos fora da Amazônia, deixou muito pouco em nossa cultura. A descrição feita a nós se parece bastante, contudo, à descrição dos portugueses à época do descobrimento…

    Responder
    • Harlock

      Salve.
      Faça um exame de DNA, seu Fernando… a menos que seja um imigrante recente vais encontrar sua ancestralidade indígena.
      Muito pouco pouco os indígenas deixaram porque muito pouco tinham para deixar, do ponto de vista cultural, que nesse ponto eram bem tosquinhos… sua herança foi de sangue e carne, legado de uma intensa mestiçagem.
      Vá ler os viajantes estrangeiros… veja São Paulo habitada ainda no tempo do Império por mamelucos, reduções indígenas na origem de cidades importantes e os quaranis cultivando vinhas na Serra segundo as técnicas herdadas dos jesuítas… ou você acha que trabalhadores jornaleiros e moradores das cabeças-de-porco das cidades da Itália dominavam o sofisticado ofício de vitícultor?
      Fora isso os quadrúpedes, mesmo os muares, quardam uma natural nobreza e sempre alguns coices na reserva.
      O brasileiro está mais para um molusco terrestre… invertebrado e escorregando na própria baba.

      Responder
  17. Zaira

    Diego, e um frustrado, não conseguiu emprego no Brasil, por ter esse perfil do senso comum. Morre de inveja porque o Brasil agora está no ápice pela oportunidade de mídia pela copa. Avise-o de que esse papel e de colonialista. Beijo Bb. Vamos ir as raízes. Zaira portela

    Responder
    • Heraldo Krivitzky

      Quanta ignorância, não se prenda pela mídia pela “Copa das Copas” mas pelo cotidiano, pelas desigualdades, pela impunidade, ou
      Seja “curintias”, pelo carnaval e demais trivialidades comuns à patuleia;

      Responder
    • Panitz

      Dona Zaira, aprenda à escrever porque seu português é péssimo. A sra. é um belo exemplo do tipo de gente que habita o Brasil à qual o Diogo se refere. Semi-analfabeta, prepotente e arrogante.

      Responder
      • Cellini

        Sr. ou Sra. Panitz, permita-me observar que teu diagnóstico aplica-se, também, ao teu combalido português: em dois momentos, em um único parágrafo, aplicaste a crase de forma equivocada! Tente descobrir os equívocos… Será um bom exercício.
        Quanto à grosseria, não creio que haja remédio!!! Uma tristeza!

        Responder
    • Eu tivesse o conhecimento e o talento de alguns como o Diego para aqui não mais estar…, nem se tivesse um bom emprego.
      Ele mora na Italia e trabalha também para a GloboNews. Quem ficaria aqui?

      Responder
    • Marcos Vinicius

      Não conseguiu emprego no Brasil? Pura desinformação.
      Gostaria que os Petistas respeitassem o direito dos cidadãos de discordar do atual governo que, mesmo após 3 mandatos, persiste em falar mal de Fernando Henrique… Parece que isto virou bandeira política para eleição…
      Melhor fazer do que falar não é mesmo afinal, somos conhecidos mais pelas atitudes do que palavras.
      Adorei o texto e concordo plenamente, mesmo com comparações figurativas e fictícias.

      Responder
    • SideShow Bob

      A srª tem toda a razão, afinal a srª está comentando um texto dele, assim como o Diogo Mainardi comenta os seus….

      Mas, vale a pena, afinal os contribuintes da banânia pagam seu salário de MAV.

      Responder
  18. RUBENS PANELLI

    É fantástico quando somos atropelados pela visão sintética e a competência expositiva do Diogo Mainardi. É um “despertar para a realidade” que nos atordoa e ao mesmo tempo nos enriquece. O residual que fica, e isto é o mais importante, é a responsabilidade de cada um na mudança dessa histórica passividade comportamental. Mais uma vez; obrigado Diogo.

    Responder
    • Exatamente isso: atropelados pela verdade, curta e certeira. O choque é a única possibilidade de arrancar o que é refém de si mesmo. Aí, ou nos escondemos outra vez, ou a dor – sem dúvida, profunda e quase insuportável – nos abre uma perspectiva. Que bom que o artigo incomodou! Incômodo é sinal de vida.

      Responder
  19. Marco Geraci

    Precisa de algo mais?.. enfim a luz!.. e eu que até não gostava dele e do que ele escrevia… toda a minha analise conclusiva converge pontualmente nas sábias palavras deste veneciano recém adquirido pela cidade boiante na laguna. Alguns pequenos pontos de interrogação foram removido por este moço filho também deste pais de extremos dilatados. Se às vezes penso a uma solução vejo só a diminuição da natalidade, do sexo descontrolados usado como uma revanche às injustiças crônicas: o poder reprodutivo de quebra a uma impotência existencial… uma pirraça contra si mesmo e os seus progenitores mas que a natureza e a seleção natural agradecem sorrateiras. Não sou blogueiro e ninguém irá entender… foda-se!

    Responder
  20. Lauro

    O Diogo tenta ser o novo Paulo Francis, mas consegue se aproximar de uma caricatura mal feita do mesmo.
    Não sou petista, mas resolvi ler o máximo de colunas possível do Diogo e pude constatar facilmente que até a vitória do PT em 2002 o Brasil era praticamente uma Suíça (na cabeça dele e nos seus artigos, pois nunca criticava o governo), com a vitória dos petista o país se tornou de uma hora para outra um Paraguai, na verdade, uma etiópica.
    Salta aos olhos a parcialidade do jornalista, sejamos sensatos.
    Gosto de ler críticas, mas gosto de ler críticas para todos, senão a crítica se torna campanha política, que é o que o Diogo faz.

    Responder
      • Slow Learner

        Mas você é muito babaca, hein, Lauro? Que tentativa infatil de psicologia reversa foi esse comentário “sei que o moderador nã vai liberar”. Em primeiro lugar, e se ele não liberasse? Qual o problema? Os cras têm todo direito de publicarem só o que quiserem no site deles e isso não os torna menos democráticos. Há dezenas de blogs chapa-branca, alguns inclusive com patrocínio estatal, onde seu desapreço ao será muito bem recebido. Em segundo lugar, é patético achar que a porcaria do seu comentårio é uma crítica profunda que o moderador teria medo de publicar. Qualé. Vejamos a sequência de clichês que você escreveu:

        Começou com um “Mainardi é uma cariatura do Paulo Francis” (nossa, que original! Nunca antes na história desse país alguém disse isso), passou pelo tradicional “não sou petista, mas…” e terminou dizendo que o Mainardi é um fantoche do PSDB, o que, além de ser clichê petista, é também uma tremenda mentira. E eu desafio você a mostrar aqui os inúmeros textos, que você alega ter lido, onde o Mainardi enxerga o Brasil como uma Suíça. Eu nem li muita coisa do Mainardi, mas li a coletânea “a tapas e pontapés” que reúne algumas crônicas da época do governo FHC, e o Diogo jå esculhambava o Brasil da mesma forma que faz hoje. Quem diz o contrário está sendo desonesto.

        E pelo amor de Deus, cidadão, o que diabos é “etiópica”?

        No fim, publicar teu comentário foi a melhor coisa que o moderador poderia ter feito. Serviu como um ótimo exemplo da burrice crônica da qual padece uma grande parcela do pessoal que aperta 13 e confirma.

        Responder
        • Lauro

          Meu caro, será que a lentidão está somente no seu nick? Pelo jeito você incorporou bem o substantivo.
          Meu primeiro voto em 1989 foi no Covas, fui um dos fundadores do PSDB no triângulo e consegui me decepcionar com partidos politicos.
          Você mente descaradamente ao falar das criticas de Mainardi antes do lulismo (voce acha que essa imbecilidade ainda funciona?), vamos aos fatos, copiados e colados da wikipédia:
          No início de sua coluna semanal em Veja, em 1999, os temas principais de Mainardi eram Literatura e Arte. Passou três anos escrevendo sobre cultura. Em 2002 abandonou o tema e passou a tratar de política e economia. (consegue desmentir e colar uma única critica dele antes de 2002?)
          São quadrúpedes como voce que vão fazer o petismo se perpetuar no poder, pois são totalmente ocos, vazios, sem consistência alguma.

          Errei ao grafar o nome do pais: ETIÓPIA, e já que citou Deus, eu e o Diogo somos muito parceiros nesse campo, pois somos ATEUS.

          Nunca disse que ele era fantoche do PSDB, tentei mostrar que seus textos só agradam a reacionários babacas como você e que não consegue agregar nada, ninguém e com isso, não pode mudar nada nas urnas, mas vamos novamente ao wikipédia:
          Diogo Mainardi foi citado em um telegrama diplomático americano vazado pelo WikiLeaks e intitulado “10RIODEJANEIRO32”, que menciona um “almoço reservado” no dia 2 de fevereiro de 2010, onde ele teria se encontrado com o cônsul norte-americano do Rio de Janeiro. Segundo o documento, na ocasião Diogo disse que sua coluna propondo Marina Silva como a candidata ideal a vice na chapa de José Serra nas eleições presidenciais daquele ano foi baseada em um almoço entre ele e o então pré-candidato à presidência, que teria dito que Marina era sua “companheira de chapa dos sonhos”

          Sua lentidão te permite entender ou prefere que no próximo post eu mande figuras?

          Responder
          • Slow Fernando

            Falou, esperneou, xingou e não mostrou um único artigo em que o Mainardi trata o Brasil como se fosse a Suíça… Então para quê escreveu, ué?

            Eu não estou interessado em saber se você participou da fundação do PSDB ou do PV. Nem quero que você copie e cole informação da fidedigníssima Wikipedia em português (uahahaha); E nem tampouco estou interessado em demonstrações de maturidade como “você falou ‘graças a Deus?’ MAS EU SOU ATEU!!!”. (Que bonito…. Deve ter carteirinha da ATEA, também). Eu só quero saber onde foi que o Mainardi tratou o Brasil como se fosse a Suíça. Ou você mostra esses textos, ou qualquer intervenção sua será desnecessária.

            E, sim, ao contrário do que você diz há artigos do Mainardi esculhambando o Brasil durante o governo FHC. É só ler a coletânea que mencionei anteriormente. Se fizer questão, posso transcrever alguns trechos aqui sem problema algum. Ao contrário de você, caro senhor “não sou petista, mas…”, eu não tenho a necessidade de mentir pra favorecer a minha ideologia política.

            PS: Acho que eu deveria imitar o Flávo Morgenstern e oferecer um prêmio de 50 mil reais caso você mostre um artigo do Diogo Mainardi deslumbrado com o Brasil durante o governo tucano. Como não tenho tanto dinheiro assim, ofereço apenas uma passagem para a “etiópica”.

            Responder
            • Lauro

              Bom, começo a dar razão ao Diogo. Alguns brasileiros se caírem de quatro não se levantam jamais (dentre eles, você).
              Como já vi que interpretação de texto não é o seu forte, se é que consegue ler alguma coisa além de Blog, vou desenhar:
              A escassez de crítica ou ausência dela significa concordância ou omissão, me permito citar Martin Luther King (não deve ter ouvido falar):
              “O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons.” É muito para você entender?
              A mediocridade de pessoas como você é que vai fazer a corja que ai está se perpetuar no poder, pois aceitar líderes vazios e que não falam a língua do povo e não aceitam críticas.
              Fique ai achatando as nádegas na cadeira e tendo orgasmos visuais ao lendo artigos fúteis, enquanto eles fazem politica e ganham eleições.
              E parafraseando você: Cidadão, pelo amor de “deus” o que significa CRAS do seu primeiro texto?
              Vamos fazer o seguinte: faça um curso (online) de interpretação e depois com seus 75 neurônios em pleno funcionamento a gente volta a conversar.

              Responder
                  • Beethoven Francha da Cunha

                    Ai meu DEUS, rsss, pra que tantas ofensas, rssss, que Deus abençoe todos , inclusive os Ateus, rssss, quero parabenizar Diogo Mainardi pelo excelente texto, que ao meu ver foi verdadeiro, e também pelas citações de Paulo Prado, abraços

                    Responder
    • VERUSKA DOS ANTOS

      Amei o teu comentário, muito inteligente, é a primeira vez que tenho contato de algo escrito por esse senhor e nas entrelinhas percebi a parcialidade política com que ele escreve.
      Sou brasileira nata, sou formada e a custa de muito trabalho e esforço próprio por isso creio que esse senhor sim tem os dois pés e as duas mãos no chão.

      Responder
  21. maria luciA camargo piacsek

    O diogo mainardi…e o melhor e autentico jornalistA que obrasil ja teve….mas ele esta certo de morar na italia……onde ele e mais valorizado.

    Responder
    • Stael Borini

      Eu não gostava dele, mas depois desta passei a gostar…gostaria de ter o talento dele para escrever algo semelhante. Também me mando deste Brasil dentro de 2 anos… chega de Brasil…

      Responder
      • SideShow Bob

        Que inveja borino que vc vai em 02 anos.

        Droga, o governo toma a maior parte do meu dinheiro, mas em breve terei coragem para ir para fora da banânia.

        Responder
  22. Isabel Passos Maracaja

    Diogo Mainardi, sempre com a sua lucidez, sabe o que diz, a respeito do povo brasileiro…É triste, o que diz, mas é a realidade, do nosso país, em que o povo, apesar dos pesares, continua deitado em berço esplêndido .
    Assim todos, tivessem a oportunidade de ler suas matérias, e chegassem a compreende-la, …. talvez assim, alguns acordassem e levantassem deste berço , que há muito foi esplêndido….

    Responder
    • Mohamad Chahin

      Caro Francisco, nada faz falta na Veja, nem a própria. Já Diogo Mainardi, faz falta aqui no Brasil e em qualquer lugar do mundo; sem papas na língua e de uma inteligência rara, consegue explicitar todos os seus pensamentos com clareza. Tenho verdadeira admiração por ele.
      A saída dele da revistinha medíocre foi excelente, pois não fazia jus a pessoa que ele é.

      Responder
      • Marcelo

        Perfeito seu comentário, Mohamad.
        Eu odiava o Diogo, para mim mais um colunista da Veja.
        Após assistir o Roda Viva dele, em 2 horas mudei radicalmente de opinião. Compreendi que o Diogo é muito maior que a (quem?)…Veja.

        Responder
      • Heliana Vicari Mieli

        Certo está ele em morar na Itália . Não podemos exigir que ele fique neste país de bandidos e ladrões.Ademais, o importante é poder ter acesso ao que ele escreve. E a Veja, bem essa já não é mais a mesma.Faz tempo.

        Responder
  23. Nicolau

    Sábio como de hábito o comentário de Diogo Mainardi…apenas acrescento que o Brasil, é um pedaço de terra no universo deixado alheio ao bel prazer de um povo, ignorante ao extremo e destituido de coragem ao ponto de aceitar um bolsa qq coisa e se satisfazer…é um acompanhamento da preguiça sustentada pelos oriundos que aqui desembarcaram e fizeram desse País o que podemos chamar de ESPERANÇA. Será que não é produto de nossos descobridores que segundo comentário, enquanto a FINLÂNDIA exibe sua moralidade, nossos antepassados, ao contrário deixaram por aquí os rastros de como fugir deste predicado…

    Responder
    • antonio salvio de rezende

      Nicolau, você falou certo : Somos, certamente, produtos dos nossos descobridores. Tenho constatado isso há muito tempo. Vieram para a “Terra da boa esperança” os degradados de origem, gente da pior espécie, em busca de riqueza fácil. Muitos conseguiram. Ao contrário da Austrália. O governo inglês abriu as prisões, encheu os navios com toda espécie de criminosos e os mandou para colonizar o novo continente. Só que lá a coisa deu certo. Não havia retorno. Quem praticasse qualquer delito grave ia para a forca. Herdaram tudo do país de origem. Nós também, só que ao inverso. Quanto maior fosse o “escalão” do delinquente,
      maior respeito recebia dos demais. E, assim, somos o que hoje somos.

      Responder
      • susana

        Será que é tudo culpa dos Portugueses mesmo? Não será culpa da miscegenação, que gerou um povo com muitas qualidades, mas que também é preguiçoso, procura sempre tirar vantagem em tudo e conseguir objetivos fáceis sem muito trabalho? A partir do momento em que a primeira índia teve o primeiro filho com um Europeu, esse ser já era Brasileiro. Parem de por as culpas nos outros e olhem para o próprio umbigo.D. Pedro foi expulso do Brasil porque os Senhores do Nordeste não queriam que a escravatura acabasse. Esses senhores eram Brasileiros. Passados centenas de anos, ainda continuam com a mesma lenga-lenga e não mudaram nada?

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *