PT defende atos ditatoriais de Maduro em nota

Mostrando seu caráter anti-democrático e em defesa do Foro de São Paulo, o Partido dos Trabalhadores divulgou  nesta segunda-feira uma nota defendendo os atos ditatoriais de Nicolás Maduro na Venezuela. Como já explicado no post “A safadeza de líderes mundiais e da imprensa quanto à ditadura venezuelana“, a suspensão dos poderes legislativos pela Suprema Corte do país foi interpretada por muitos líderes da esquerda como a comprovação do que já estava claro, ou seja, não há uma democracia plena regime político venezuelano.

A nota, repleta de vírgulas fora do lugar, segue abaixo:

O Partido dos Trabalhadores manifesta seu repúdio e oposição à forma como o governo golpista vem manejando a política externa do Brasil no tocante à América do Sul e, particularmente, o desrespeito a princípios básicos de nossa diplomacia como a não ingerência em assuntos internos de outros países e o respeito à autodeterminação dos povos.

É visível que o governo golpista decidiu encabeçar uma campanha da direita contra a esquerda no continente e assumiu uma postura belicista, particularmente contra a República Bolivariana da Venezuela.

O governo usurpador aproveita-se de informações distorcidas disseminadas pela mídia para tentar justificar as medidas contra o país vizinho, inicialmente, suspendendo-o do Mercosul e agora nas palavras do ministro golpista das Relações Exteriores, aplicar a Cláusula Democrática do Mercosul “para expulsar a Venezuela” do bloco. Ele afirmou à Folha de S.Paulo que manter a Venezuela apenas suspensa, como está agora, “seria uma ficção que avacalharia o Mercosul”.

Ignora o chanceler que o Protocolo de Ushuaia não prevê o mecanismo de “expulsão”.

Como é sabido, há uma crise política na Venezuela, decorrente de uma disputa polarizada entre o governo de Nicolás Maduro e a oposição, majoritária no Parlamento. Porém, não existe a decisão do Tribunal Supremo de Justiça de retirar  os poderes do legislativo venezuelano e as imunidades de seus membros. O que existe é uma situação de desobediência do Parlamento no que tange a realizar novas eleições para definir três mandatos de deputados, impugnados pela  justiça eleitoral, por terem comprado votos para se elegerem. Além disso, como o Parlamento se recusou a votar determinadas propostas administrativas advindas do Executivo, o Tribunal decidiu sobre o mérito a pedido do governo. Neste aspecto, não há diferenças entre o que ocorre na Venezuela e o que se passa corriqueiramente no Brasil na relação entre o  STFe o  Congresso Nacional.

Não interessa ao povo brasileiro, o rompimento do Mercosul e tampouco é vontade do povo brasileiro contribuir para a desestabilização de um país vizinho que sempre manteve boas relações com o Brasil.

Temos a convicção que o povo venezuelano saberá encontrar, por meios próprios, a solução para os seus conflitos. Exigimos que o Ministério de Relações Exteriores, em vez, de “jogar combustível” no conflito, busque soluções responsáveis tanto no âmbito do Mercosul quanto da OEA.

Rui Falcão
Presidente Nacional

Mônica Valente
Secretária de Relações Internacionais”

Revisado por Maíra Pires @mairamcpires

3 comentários para “PT defende atos ditatoriais de Maduro em nota

  1. Airton Martins

    O que tem de anormal em uma jiboia elogiar sua amiga naja ou a prima píton? As áspides se conhecem e não importa se são do PSBD, PT, PSUV todas se abastecem nos postos da Petrobras com o mesmo veneno.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *