Para a Folha, atos criminosos são apenas protestos

Manifestações populares costumam excitar o jornalismo brasileiro. Por uma razão simples: como nossas faculdades da área são guiadas pela doutrinação marxista, a perspectiva do povo brigando agita os sonhos mais entusiasmados da concretização da luta de classes ou revolução. E nesses casos não importa se esses protestos são feitos na base da chantagem ou vale-lanche por sindicatos e ONGs que atuam em áreas pobres. Só o que não pode para o jornalismo brasileiro é haver protesto que não se encaixe nesse mundo imaginário deles: protestos contra a corrupção do PT, protesto contra organizações criminosas, protestos por punição a criminosos, protestos pedindo mais segurança pública, protestos contra as drogas…

Há porém um tipo de protesto em que a cobertura da imprensa brasileira, especialmente a paulista, pela condescendência, chega a flertar com a omissão criminosa. Ocorre quando marginais de facções criminosas mobilizam as populações sob seus domínios para “protestarem” quando um bandido é morto ou preso. Isto aconteceu hoje e teve, entre as consequências, a morte de uma pessoa comum que estava passando pela área do “protesto”. Nesse caso o fato mais grave resultante dos atos criminosos foi ignorado totalmente pela Folha de São Paulo e, quem não clicar por exemplo na notícia do Estadão ou outros veículos, também não vai saber o que gerou os crimes.

Vejam a cobertura comparada:

Folha de São Paulo – No título da reportagem usa o termo “ato”.  Na abertura da reportagem fala em vandalismo mas mais adiante usa o termo “manifestação”. Destaque para o trecho: “manifestantes atearam fogos nos veículos“. A menos que os veículos fossem dos “manifestantes”, eles estão fazendo isso em propriedade alheia. Como está bem descrito na reportagem, eles forçaram os donos/motoristas a descerem, logo não houve anuência dos proprietários ou funcionários. Como se chama destruir patrimônio e instrumento de trabalho dos outros? Não é crime? E quem comete crimes é o quê? Por que tanto medo de se dizer o óbvio, que seria “criminosos atearam fogo”?

Folha_Covarde_Protestos

Estado de São Paulo – Escrita poucos minutos após a da Folha, a reportagem do Estadão é mais completa na descrição do título e também por informar a motivação dos atos criminosos: somente aqui sabemos que foi pela morte de um bandido. O título da reportagem é perfeito:  “Assassinato e prisão de bandidos levam a protestos, ônibus queimados e morte” . Ainda assim, chama os criminosos que obrigaram os motoristas a saírem dos veículos e os incendiaram de “manifestantes”. Abaixo uma imagem com a abertura da reportagem:

Estadao_Protestos_Bandidos

Como pode ser visto no tweet do perfil Estadão (aqui), desde o princípio o jornal já tinha a informação sobre o fato gerador dos protestos enquanto a reportagem da Folha, mesmo passadas 5 horas do fato, ainda prossegue afirmando desconhecimento.

onibusqueimado

Foto que ilustra reportagem do Estadão

O Brasil já é um país tomado pela criminalidade e cujos meios culturais e políticos são bastante lenientes com o crime. Se o jornalismo, por ideologia ou medo, deixar de chamar de crime o que crime é, só estará contribuindo para a proliferação da selvageria que cedo ou tarde também lhes fará vítimas – como já ocorreu, aliás.

P.S.: Vejam a reportagem da Veja Online, cujo título é “Criminosos põem fogo em ônibus e caminhões e fecham duas vias em São Paulo”.

4 comentários para “Para a Folha, atos criminosos são apenas protestos

  1. Sergio

    Em um governo decente essa mídia chapa branca, comprada (Globo, Folha, Uol, e todas as suas afiliadas, teriam a sua concessão cassada, uma vez que escondem a verdade do povo, a soldo do governo, ferindo a constituição, ao não informar corretamente o que se passa ao país. Essa mídia é tão ou mais criminosa que os próprios criminosos em si.

    Responder
  2. Alexandre Sampaio Cardozo de Almeida

    São Paulo, 26 de novembro de 2.014

    Prezado Da Cia,

    Essa cambada esquerdopata só ficará esperta quando “manifestantes” realizarem “atos de protestos” como os de ontem, nas sedes dos respectivos jornais. Essa cambada continua chocando o ovo da serpente. Vejamos o que irá acontecer.

    Responder
  3. Bernardo Salgado Moreira

    Excelente Da cia, mais uma vez escancarando aquilo que muitos não querem ver. Atualmente é comum no Brasil a seguinte lógica -> Querem criminalizar o imbecil e imbecilizar o criminoso. Quem protesta pedindo a volta da Ditadura Militar ou fazer um muro pra cercar o Nordeste é imbecil, somente. Quem coloca fogo na propriedade alheia, no mínimo, bandido. Na teoria, a coisa mais simples do mundo. Na cabeça de jornalista, vira uma salada de frutas para que ele possa servir da maneira que bem entender.

    Responder
  4. dudu

    O que impressiona é a cara de pau de colocar na manchete:”Assassinato de bandido..” OU SEJA, O BANDIDO, COITADO, É SEMPRE “ASSASSINADO” PELA POLÍCIA MALVADA PORQUE É UM INJUSTIÇADO SOCIAL. Quando o criminoso mata alguém ele “simplesmente” tentou “fazer uma fita” e “só atirou” porque o pai de família “REAGIU” quando deveria ficar como um cordeirinho…

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *