OEA depende de governo brasileiro para condenar o ditador Maduro

O delatado ministro Aloysio Nunes (PSDB) deu uma entrevista para a revista ISTOÉ em que demonstra não saber como sanções econômicas funcionam como instrumentos de pressão (na verdade sabe, mas dá uma de sonso).

O tucano declarou: “impor sanções econômicas acaba prejudicando venezuelanos e brasileiros. Taxar os produtos venezuelanos que nós importamos, principalmente petróleo, prejudicaria o consumidor brasileiro, um verdadeiro tiro no pé. No outro sentido, exportamos basicamente alimentos, essenciais para os venezuelanos mais pobres.”

Sério, ministro?

Na mesma edição da revista, há uma informação curiosa:

Faz três semanas que o secretário-geral da OEA, Luis Almagro, espera que o Conselho Permanente da entidade se reúna para adotar uma posição mais dura em relação à crise na Venezuela. Cabe ao diplomata brasileiro, José Machado, a tarefa de convocar os representantes dos 34 países-membros. Não se sabe se por alguma orientação do Itamaraty, mas o fato é que até agora o embaixador segue na dele.”

Essa é a gestão do ministro Aloysio Nunes à frente do Itamaraty, um rosnar de poodle.

Chanceler Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) (Foto : Sergio Amaral)

 

Loading...

5 comentários para “OEA depende de governo brasileiro para condenar o ditador Maduro

  1. Lidia Santana

    Aloysio Nunes, quanta decepção todos nós sentimos de ver sua atuação no Ministério das Relações Exteriores!! Seu descaso para com a situação da ditadura na Venezuela, pior, seu apoio a um escroque tiranete como o Maduro que sequer permitiu sua missão por lá quando você era ‘oposição’ .ao PT. Você vai pagar um preço muito alto por tudo isso.

    Responder
  2. PILINCHO

    O Brasil não apoiaria uma intervenção dos EUA na Venezuela, maldito ex-terrorista Aloysio? Você quer dizer o governo ao qual pertences não daria o aval. Mas o povo brasileiro – digo o Brasil, mesmo – já chancelou a investida “dus americanus” para exterminar o tiranete Maduro, à serviço de Cuba. Go, go, go Trump!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *