‘O cemitério está cheio desses heróis’ Gilmar Mendes sobre procuradores da Lava Jato

A reação corporativista e mafiosa para proteger o STJ e o STF da Lava Jato vem com tudo.

Que feio, ministro Gilmar Mendes!

As informações são de Fausto Macedo, no Estadão:

“Ministro do Supremo Tribunal Federal reage a vazamento de informações sobre delação de empreiteiro que atinge seu colega da Corte, Dias Toffoli, e alerta que ‘quando há concentração de poderes cometem-se abusos’

gilmar_mendes

Gilmar Mendes, ministro do STF e do TSE

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, disse nesta terça-feira, 23, que ‘é preciso colocar freios’ na atuação dos procuradores da República. Ele não citou nomes, mas se referiu diretamente a procuradores da Operação Lava Jato.

A fala do ministro é a mais contundente manifestação já disparada por um membro da Corte máxima contra os procuradores.

Gilmar Mendes se revela indignado com o que classifica de vazamento de informações sobre a delação do empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS.

O executivo, segundo a revista Veja, revelou detalhes de uma obra na residência do ministro do STF Dias Toffoli, ex-advogado do PT e amigo de Gilmar Mendes. A obra teria sido realizada pela OAS, alvo da Lava Jato por cartel e corrupção na Petrobrás.

Para Gilmar, o vazamento seria um ‘acerto de contas’ de procuradores porque Toffoli os teria contrariado ao mandar soltar o ex-ministro Paulo Bernardo (Planejamento) e ‘fatiado’ a investigação sobre a senadora Gleisi Hoffman (PT/PR) na Lava Jato.

“O fatiamento por ele (Toffoli) decretado e esse habeas corpus no caso do Paulo Bernardo (ex-ministro preso em julho na Operação Custo Brasil, mas solto por ordem de Toffoli), isso animou os procuradores a colocar artigo no jornal e coisas do tipo”, diz Gilmar.

“Como eles (procuradores) estão com o sentimento de onipotentes decidiram fazer um acerto de contas.”

“Decidiram vazar a delação (de Léo Pinheiro, da OAS), mas tem que se colocar um limite nisso.”

“Quando você tem uma concentração de poderes você tende a isso, a que um dado segmento, que detém esse poder, cometa abusos”, afirma o ministro do Supremo.

“Não há nenhuma censura imputável ao ministro Toffoli, mas tudo indica que ele está na mira dos investigadores. Em razão, provavelmente, de decisões que (Toffoli) tem tomado e os têm desagradado.”

“Se é isso, temos que prestar muita atenção. Há o risco de se tornar algo policialesco”, declarou Gilmar.

“No contexto de incensamento da Lava Jato e seus operadores já há coisas muito, vamos dizer assim, exageradas”, avalia o ministro.

“Por exemplo, isso (a Lava Jato) os animou a apresentar essas propostas de combate à corrupção (projeto 10 Medidas, em curso no Congresso). Ninguém é a favor da corrupção. Mas, vejamos, a proposta de que prova ilícita, obtida de boa fé, deve ser validada, a priori, tem que ser muito criticada e se negar trânsito. Imagine, agora, um sujeito que é torturado, ah, mas foi de boa fé.”

Gilmar Mendes citou o caso do delegado Protógenes Queiroz, da Operação Satiagraha – deflagrada em 2008 -, que foi expulso da Polícia Federal por violação de sigilo funcional.

“Isso lembra o nosso delegado herói, que fazia interceptação telefônica sob o argumento de que agia com bons propósitos. Ora, espera aí. A autoridade se distingue do criminoso porque não comete crime, senão é criminoso também! Aí vira o Estado de Direito da barbárie.”

“Estado de Direito tem que ser Estado de Direito. Não se combate crime com a prática de crime. É preciso moderação, que os procuradores calcem as sandálias da humildade.”

“Eu vi outro dia na TV uma procuradora da República falando que o Congresso tem que aprovar o projeto (10 Medidas) porque teve o apoio popular (mais de dois milhões de assinaturas). Ora, de onde tiraram essa autoridade, essa legitimidade? Como assim, o Congresso tem que aprovar o pacote todo!. Depois será um desastre em termos de aplicações.”

O ministro disse que ‘o recado está dado’.

“Isso não vai prosseguir assim, a gente tem instrumentos para se colocar freios. É preciso colocar freios nisso, nesse tipo de conduta. No caso específico do ministro Toffoli, provavelmente entrou na mira dos investigadores por uma ou outra decisão que os desagradou.”

“Isso já ocorreu antes no Brasil. O cemitério está cheio desses heróis.
Mesmo no elenco dos procuradores. Ninguém pode esquecer de Guilherme Schelb, Luiz Francisco e tantos mais (procuradores da República que foram acusados de abusos). Estamos preocupados, mas está dado o recado.”

“Se houver exagero alguém tem que puxar. O tribunal (STF) tem mecanismos para fazer valer a lei. ”

Gilmar Mendes considera que ‘há uma falta de coordenação’.

“Vejamos a própria estrutura da Procuradoria. Ela não dispõe de uma estrutura de coordenação. Isso leva às vezes a esses exageros.”

“Por outro lado, estão muito avançados nas investigações. Eles dispõem de informações e têm a mídia como numa situação de dependência. A mídia está hoje em relação aos investigadores como um viciado em droga em relação ao fornecimento da substância entorpecente.”

“Isso precisa ser colocado nos seus devidos termos. Vazamento tem em todo lugar. No caso do ministro Toffoli, a responsabilidade é clara da Procuradoria como um todo.”

“A concentração de poderes é um risco. Depois não querem a Lei do Abuso de Autoridade. É muito curioso.””

Leia também:

A quem interessa a suspensão da delação de Léo Pinheiro?

Revisado por Maíra Pires @mairamadorno

Loading...

6 comentários para “‘O cemitério está cheio desses heróis’ Gilmar Mendes sobre procuradores da Lava Jato

  1. Celia Herrmann

    Torno a repetir; Cargo para o supremo, só deveria ser ocupado por indivíduos de carreira, não tem cabimento os politicos indicarem e sabatinarem (absurdo) os magistrados, ai o que acontece? um deve favor ao outro, e assim temos os poderes podres, e juizes podres como estamos vendo agora, não adianta fazer cara feia Gilmar, a Lava Jato vai continuar sim, buscando todos os culpados, estejam eles onde estiverem.Cara feia é fome, e neste caso, parece medo.

    Responder
  2. Lúcio Paz

    Como um cidadão brasileiro, nascido e criado neste país, tendo filhos nascidos e criados neste país, trabalho e pago meus imposto a esse país, amo este país, como milhões de brasileiros.
    Faço um apelo aos nossos três chafes do Estado Maior das Forças Armadas, aos nossos gloriosos Generais, Tem. Coronéis, Coronéis, Majos, Capitães e Tenentes, tanto da reserva como da ativa. Pelo amor de Deus, não permitam que desmandos dessa natureza, continuem a envergonhar a nossa Nação Brasileira.
    Daqui a pouco os Ministros da Suprema Corte, estarão jogando pelo ralo, trabalhos investigativos que foram realizados, pela Polícia Federal, Ministério Público Federal e pelo Dr. Sérgio Moro, diga-se de passagem brilhantes trabalhos. Desmantelando a maior rede criminosa, dentro das instituições da nossa Nação Brasileira.
    E agora que bateram na porta da Suprema Corte, sentiram-se ameaçados e ameaçam aqueles que eles deveriam aplaudir.
    Por isso faço mais uma vez um apelo aos Senhores, que não permitam que estes homens do bem, como vocês, sejam afastados das investigações contra essa organização criminosa que se instalou em nosso país. Se não daqui a pouco serão capazes de espedirem Mandados de Prisão, contra os Policiais, Procuradores e o Juiz e se duvidarem até para os Senhores se baterem na porta deles, porque estão se achando acima de tudo e de todos, intocáveis.
    Fica o apelo aos Senhores e meu agradecimento em nome de milhões de brasileiros, que amam este País.
    Um grande abraço a todos…

    Responder
  3. Django

    Está bem claro que o Min. se refere ao sentido de esquecimento quando menciona “cemitério” e cita três nomes ao longo da entrevista, todos ultra petistas que usavam o cargo para atender aos interesses políticos do PT, atacando os adversários do Partido e que contavam com amplo espaço na imprensa, desde sempre pró-PT. Quando o PT subiu ao poder eles convenientemente sumiram ou o tempo se encarregou de demonstrar o que realmente eram e caíram no esquecimento.

    Essa analogia ao trabalho do Janot é mero corporativismo? É certo que a crítica é oportunista resta saber, ao interesse de quem?

    O fato é que está cada vez mais evidente que essa República é uma fraude. Tudo o que foi produzido pelos Três Poderes na última década está viciado por fraude, deveria ser anulado. O chefe do Poder Executivo se elegeu com uma urna que não permite fiscalização (Fraude!); O Poder Legislativo aprovou e reprovou Leis mediante pagamento de Mensalão, Petrolão e mais tantos esquemas de compra de votos (Fraude!); O Executivo (Fraudado!) indicou os Ministros do Supremo e o Legislativo (Fraudado!) sabatinou e o aprovou e assim temos que os chefes do Poder Judiciário são produtos de fraude, logo, todos os julgamentos estão viciados e são uma fraude!

    Responder
  4. Dalva Castelo Branco Furtado

    É lamentável a expressão dada pelo Ministro Gilmar Mendes, creio que estão desesperados e sem saída, porque a Lava Jato bateu na porta do SUPREMO. O Brasil clama urgentemente pela FFAA (MILITARES)…

    Responder
  5. wco

    Neste caso , foi uma ameassa de morte, eles tão apavorado porque tem muita mais gente, do STF , levando dinheiro roubado do povo , militares prendam este indivíduo urgentemente , so no Brasil mesmo, ministro da justiça defendendo ladrão, e contra a polícia

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *