Manifestantes anti-lei da imigração sofrem ataque em São Paulo

Manifestantes que protestavam pacificamente contra a nova Lei de Imigração, criada pelo atual ministro das Relações Exteriores Aloysio Nunes (ler aqui e aqui), foram atacados com bomba e outros foram agredidos.

No vídeo abaixo é possível ver um grupo de homens reunidos, aparentemente conversando, mas um deles, poucos segundos depois, lança um artefato no meio da multidão que protestava pacificamente.

Veja:

O grupo Direita São Paulo estava na organização do protesto e foram os primeiros a denunciar o que havia ocorrido.

O membro da família real Luiz Phillipe de Orleans e Bragança, que também estava na passeata, fez um vídeo de dentro da delegacia com algumas vítimas e testemunhas do caso:

Ao que tudo indica, um grupo de “antifas”, inclusive com presença de estrangeiros de origem árabe, é responsável por esse atentado. Informação dá conta de que um grupo de advogados ligados à esquerda foram em socorro dos estrangeiros.

O povo brasileiro agora não pode mais protestar em defesa da soberania?

Revisado por Maíra Pires @mairamacpires

9 comentários para “Manifestantes anti-lei da imigração sofrem ataque em São Paulo

  1. Gerhard Erich Bœhme

    Popper deve ser leitura obrigatória no Brasil!

    Em São Paulo manifestantes de verde-amarelo são atacados por intolerantes e, mesmo defendendo o nosso Brasil, não contam com apoio de políticos, da imprensa e de boa parte da população alheia ou indiferente a uma lei que retira dos brasileiros a liberdade.

    De igual modo vemos em Curitiba uma horda de camisas pardas de Lula, que se vestem de vermelho ou furta-cor, assim como se cobrem de preto. Os primeiros movidos por “mortandela” e os últimos por cota extra ou perdão de dívidas com traficantes para que venham a ameaçar os que defendem a liberdade com responsabilidade ou depredar o patrimônio público e privado como forma de lhes dar visibilidade voz, mas não se dão conta de que querem nos impor o desrespeito à lei e livrar criminosos da Justiça.

    Popper deve ser leitura obrigatória no Brasil!

    “Se estendermos tolerância ilimitada até mesmo para aqueles que são intolerantes, se não estivermos preparados para defender a sociedade tolerante contra a investida dos intolerantes, então os tolerantes serão destruídos, e a tolerância junto destes.” (Sir Karl Raimund Popper)

    Karl Popper deve ser leitura obrigatória no Brasil.

    O paradoxo brasileiro da intolerância

    Karl Popper, um dos mais notáveis pensadores do Século XX, certa vez abordou o que chamou de “paradoxo da tolerância”. Em resumo, o problema posto era o seguinte: devemos tolerar os intolerantes? Seria juridicamente permitido calar as vozes com as quais não concordamos, quando seu discurso seja baseado em valores tidos por propagadores do totalitarismo, do ódio e da violência?

    Tolerar o outro é um dos requisitos da convivência em um Estado Democrático de Direito. No Brasil, pretende-se alcançar uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, a ser construída na busca de um ideal de liberdade, justiça e solidariedade, valorizadores do pluralismo político. Porém, Popper alertava que a condescendência excessiva com discursos totalitários, por exemplo, poderia resultar na morte da tolerância, eliminada que seria tão logo o grupo intransigente assumisse o Poder.

    Sobre o tema, a Convenção Americana de Direitos Humanos oferece alguns padrões objetivos ao estabelecer em seu artigo 13, item 5, que “a lei deve proibir toda propaganda a favor da guerra, bem como toda apologia ao ódio nacional, racial ou religioso que constitua incitamento à discriminação, à hostilidade, ao crime ou à violência”. Todavia, o silenciamento de determinadas expressões, ainda que veiculadoras de mensagens de ódio e violência, subtrai da sociedade a chance de sobre elas refletir e valorar sua (im)prestabilidade. Impor o silêncio e a censura pode resultar em situação inversa à desejada: aguçar a curiosidade de uns e outros pelo “proibido”.

    Defensores de um passado ainda presente entre nós, por exemplo, têm sustentado suas posições com argumentos rasos e facilmente sujeitos à desconstrução racional. Porém, têm recebido como resposta agressões e atitudes de intolerância que empobrecem o debate e subtraem da sociedade a chance de reaprender o porquê da necessidade de rejeição de determinadas escolhas pretéritas. Deve-se, pois, tomar cuidado com a aplicação da solução de Popper: corre-se o risco de se acostumar com a intolerância e buscar aplicá-la não somente aos intolerantes, mas também àqueles que simplesmente discordam de nossa visão de mundo. A censura por vezes paternalista de determinadas opiniões acaba por nos remeter justamente ao passado de silenciamento que tanto buscamos combater, no que podemos denominar de “paradoxo brasileiro da intolerância”, tão combatido por nossa Constituição quanto a intolerância original.

    __________

    Cláudio Colnago é advogado e professor de Direito Constitucional da Faculdade de Direito de Vitória (FDV). Doutorando em Direitos e Garantias Fundamentais pela FDV. Presidente da Comissão de Estudos Constitucionais da OAB/ES.

    Popper deve ser leitura obrigatória no Brasil!

    Responder
  2. Marcelo

    Que fique bem claro; sou CONTRA qualquer ato de violência, não importa da parte de quem seja sua autoria. Sou contra a islamização do Brasil, entretanto, não foi comprovado que os árabes presos neste evento sejam islâmicos. Nem todo árabe é muçulmano, existem árabes cristãos, judeus, bahá’ís, zoroastras, agnósticos, pagãos e até mesmo ateus. E nem todo árabe é comunista. A jornalista Rachel Sheherazade tem ascendência arábica – mais precisamente egípcia – e é cristã e conservadora. Não estou defendendo nenhum dos envolvidos na baderna, todas as partes envolvidas, que tenham cometido violência, têm que responder atrás das grades. No entanto, esse sentimento de oposição ao Islamismo, ao mesmo tempo, gerou um ódio anti-árabe, como se todo árabe fosse islâmico.

    Responder
    • eunice

      Naum seja assim infantil… tipo PSDBosta em cima do muro. Porque um arabe cristaum atacaria essa passeata? Ou um arabe-judeu?? ACORDA, baby!!!

      Responder
  3. Alves Maria

    eu estava na manifestação, vi o ataque terrorista perpetrado pela corja muçulmana, eles jogaram bombas caseiras, atacaram mulheres e idosos que estavam na manifestação e tentaram atacar até os policiais militares. Agora a imprensa podre fica recontando a história para minimizar um atendado terrorista, isto é crime de opinião e os jornalistas que estão divulgando fatos distorcidos devem ser processados por falsa informação!

    Responder
  4. M. Santos

    O que houve foi um atentato TERRORISTA – esses palestinos jogaram bomba em BRASILEIROS que estavam em uma manifestação pacífica exercendo seus direitos CONSTITUCIONAIS (liberdade de expressão, liberdade de reunião).

    Logo logo vão começar a atacar TAMBÉM pessoas de religião diferente, jogar bomba em sinagogas, escolas e clubes judaicos, colégios de freiras e padres, igrejas evangélicas e católicas porque se não respeitam nem mesmo a liberdade de expressão, ESSES PALESTINOS NÃO VÃO RESPEITAR A LIBERDADE DE RELIGIÃO de ninguém.

    O site 247 afirma que os “ultra direitistas” atacaram o restaurante do palestino que, segundo esse site, fica na Rua Bela Cintra, ao lado da Paulista. MENTIRA. O restaurante fica na RUI BARBOSA, 269 no CENTRO, bem longe da Avenida Paulista.

    E não é a primeira vez que esse dono de bar (Hasan Zarif) dá problema no Brasil:

    Ano passado, no dia da manifestação do PT (contra o impeachment da Dilma), esse MESMO palestino E seu bar também posaram de vítimas quando houve bagunça e a PM lançou bombas para conter os petistas. O gás que foi jogado NA RUA entrou no restaurante. Fizeram um carnaval dizendo que os PMs tinham jogado gás DENTRO do restaurante e pediram “testemunhas” em redes sociais – lotou de “testemunha”, tantas que NÃO CABIAM NEM NAS RUAS PRÓXIMAS.

    Nos vídeos filmados no dia da manifestação do PT e postados como “prova” de “parte” de ataques da PM não se vê a PM jogando bombas dentro do restaurante; aliás, lá se verifica que nas ruas e no viaduto estavam pouquíssimas pessoas (ou seja, dá para ver que esse povo MENTE pra caramba).

    Leiam a descrição do lugar em “AL JANIAH: um bar em São Paulo onde ISLAMISMO E A ESQUERDOPATIA SE ABRAÇAM” in http://infielatento.blogspot.com.br/2014/05/ (cópia abaixo):

    “”Al Janiah: um bar em São Paulo onde islamismo e a esquerdopatia se abraçam
    Al Janiah é um “bar muçulmano” na cidade de São Paulo, onde a aliança entre o islamismo e a esquerdopatia se desenvolve. Este bar se auto-intitula “Espaço cultural e político árabe com bebibas, comidas e músicas típicas.” Esta sua definição mostra o truque utilizado em misturar árabe com muçulmano e com palestino. Se vocês entraram na página deste bar vocês vão entender. A comida parece ser boa, o ambiente agradável, e a confusão natural do marxismo cultural (que é um movimento anti-socialista, diga-se de passagem) se faz presente ao se usar de palavreado tal como “justiça” e “libertação dos povos” com o intuito apenas de avançar causas, e não o retratar o real significado dos termos. Vale a pena visitar o bar durante as “atividades culturais.” Bom apetite. E BOA SORTE.””

    Responder
    • Pedro Rocha

      …se fizerem uma manifestação violenta seria decretado “estado de sítio” e possivelmente haveria até mesmo direitistas desparecidos políticos.

      A real é que ainda estamos muito fracos para encarar a esquerda, pois não temos sequer um partido político para chamar de nosso. Sinceramente, ainda que o Partido Militar fique pronto esse ano, para nos equipararmos à esquerda vai ser trabalho para o resto dessa década e a outra inteira.

      A extrema-esquerda foi parcialmente enfraquecida com a perda do governo Federal, mas ainda que os escorracemos politicamente e reduzamos o Estado para que eles não o aparelhem novamente eles lançarão mão de recursos estrangeiros, QUE NADA MAIS É DO QUE ACABAMOS DE VER, pois já estão preparando a lei de migração para compensar a perda de massa doutrinada pela academia/mídia por imigrantes muçulmanos, como já estão fazendo com sucesso na Europa.

      Responder
  5. José Antônio da Silva

    Bom dia, também escutei na CBN informando ser um grupo de extrema direita……aquela velha história: quando são os grupos de esquerda, nunca tem a extrema esquerda. Deve-se esclarecer o que aconteceu para ficar claro quem são os verdadeiros fascistas. Da maneira como foi divulgado na CBN, as vítimas são os culpados ( machistas, homofóbicos, etc, etc…).

    Responder
  6. Mauro

    A notícia foi totalmente diferente na CBN: grupo de extrema direita, com machistas, homofóbicos, religiosos e palestinos protestavam contra a lei de imigração…. Misturaram tudo para foder com a Direita. Detesto essa mídia esquerdista!!!! 😠😠😠😠😠

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *