Lobista do Petrolão acusa Aécio Neves de receber propina por Furnas

Fernando Moura, lobista preso pela Operação Lava Jato em sua 17a fase e solto desde o dia 2 de novembro, prestou novo depoimento ao juiz Sérgio Moro.

No depoimento divulgado ontem pelo jornal Folha de São Paulo, Moura disse que o acerto da divisão de propinas se deu em 2002, logo após a vitória de Lula. Dimas Toledo, diretor da estatal, seria indicação de Aécio Neves e responsável pela organização do esquema que repassava uma parte para o PT paulista, uma parta para o PT nacional e outra parte para o agora senador mineiro.

Nas redes sociais, perfis oposicionistas lembraram que Aécio Neves sempre foi muito ligado ao presidente Lula e que praticamente não fez campanha pelos tucanos em 2002, 2006 e 2010. Também foi lembrado o fato dele ter agido, dentro do PSDB, contra as investigações do Mensalão em 2005 e 2006.

Fernando Moura é ligado a José Dirceu e irritou Sérgio Moro por já ter mudado seus depoimentos mais de uma vez.

Esta é a segunda citação a Aécio Neves por algum envolvido nos esquemas de desvios investigados pela Lava Jato. Em julho de 2015, Carlos Alexandre de Souza Rocha afirmou em sua delação premiada que o senador tucano recebeu R$ 300 mil de propinas a mando de Alberto Youssef.

Aécio Neves

O senador Aécio Neves reagiu à acusação publicando um vídeo em suas redes sociais às vésperas do feriado de carnaval.

2 comentários para “Lobista do Petrolão acusa Aécio Neves de receber propina por Furnas

  1. Airton Martins

    Quem assistiu o debate do Sr. Aécio Neves com dona Dilma antes das última eleição para presidente, ficou perplexo (a) com indolência do candidato diante da determinação da oponente, mesmo sem ela falar nada de novo.

    Vimos um candidato sem nenhuma vontade de se expressar e muito menos argumentar o que todos nós gostaríamos de ter contestado. Os argumentos da adversária eram tão fracos que só mencionavam feitos populistas sem nenhum projeto sério para o Brasil.

    Enfim, seu partido tem os mesmos planos para nossa nação, isto é, nos escravizar. Acabar com a meritocracia e implantar o “socialismo” bolivariano.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *