Lilian Tintori e Mitzy Capriles estão no Brasil para alertar sobre o chavismo

Lilian Tintori, esposa de Leopoldo López e Mitzy Capriles Ledezma, esposa do prefeito de Caracas Antonio Ledezma, chegaram hoje ao país para alertar sobre o atual estágio ditatorial da Venezuela e pedir ajuda aos seus conterrâneos

LilianTintori_MitziCaprilesNo roteiro pelo país, as duas serão recebidas pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB/RJ), o governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB/SP) e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

A presidente Dilma Rousseff deve ignorar os apelos das duas e ignorar a presença delas no país devido à enorme proximidade do PT com o regime chavista.

Leiam abaixo o artigo de Lilian Tintori publicado no dia 3 de maio no jornal O Globo em que ela fala sobre a visita e o que o Brasil pode fazer para ajudar a salvar seu país do julgo totalitário:

O povo da Venezuela precisa da ajuda do Brasil

Faz pouco mais de um ano, meu marido, Leopoldo López, líder do partido político Vontade Popular, com outros líderes da oposição e estudantes, organizou um protesto massivo para responder à rápida deterioração econômica e à insegurança em nosso país. A convocatória, não violenta, constitucional e democrática, foi para pedir a mudança de um governo corrupto, ineficiente e repressivo, que viola sistematicamente os direitos de seu povo.

Esse movimento, chamado “A saída”, oferece alternativas institucionais estabelecidas pela Constituição da Venezuela: realizar um referendo, uma Assembleia Constituinte, emenda constitucional, reforma constitucional ou a renúncia do presidente. O governo respondeu com mão de ferro aos protestos. O saldo foi de 44 mortos, 3.718 detenções arbitrárias, e 44 presos políticos. Entre eles, meu marido.

Leopoldo está no cárcere acusado de incitação pública, danos contra a propriedade e conspiração para delinquir. A Anistia Internacional classificou essas acusações de “tentativa de motivação política para silenciar a dissidência”. O Alto Comissariado para os Direitos Humanos, o Grupo de Trabalho sobre Detenção Arbitrária, o Comitê contra Torturas, todos das Nações Unidas, assim como o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), o Human Rights Watch, e vários parlamentos — recentemente Chile, Espanha e Colômbia — e governos pediram sua libertação. Apesar disso, o governo da Venezuela permanece obstinado em mantê-lo preso por pelo menos uma década.

Maduro desmantelou sistematicamente nossas liberdades fundamentais, a liberdade de expressão, de associação, de imprensa e de opinião, e a mais fundamental: o direito à vida, porque a cada 20 minutos morre um venezuelano por causa da violência. Meu marido crê que o povo venezuelano merece um futuro melhor, de paz, prosperidade e bem-estar.

O principal argumento do governo é que a conclamação de Leopoldo tinha mensagens “subliminares” para provocar violência. Este argumento caiu quando a principal testemunha de acusação, uma especialista filiada ao Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) e com doutorado em Linguística admitiu que “as mensagens de López não são subliminares; são claras, diretas e específicas. Pedem a não violência. Nunca houve um chamamento à violência por parte de López”. Sem esta evidência não há caso.

O governo da Venezuela deve saber que não pode pisotear nos direitos de seu povo com impunidade. Faço um chamado aos líderes do Brasil e, especialmente à presidente Dilma Rousseff, para que utilizem sua liderança dentro e fora de suas fronteiras a fim de que, mediante seus compromissos regionais com OEA, Unasul, Celac, se envolvam e ajudem a construir uma solução que respeite os princípios universais de respeito aos direitos humanos e democracia, e que incluam: 1) um chamado à libertação de presos políticos; 2) o fim da repressão e perseguição a quem pensa de forma distinta; e 3) a garantia, por meio de organismos especializados, da imparcialidade das eleições que se avizinham na Venezuela, para que sejam livres e justas.

Minha voz não basta. Os líderes da região, e principalmente a maior democracia da América Latina, a cargo da presidente Dilma Rousseff, têm a responsabilidade de materializar as aspirações dos habitantes de sua região. Ninguém melhor do que ela conhece as violações dos direitos humanos, a tortura, a prisão ilegal e a arbitrariedade. O Brasil não deveria ter medo de defender o que é correto.

Hoje na Venezuela, vivemos em crise, não temos segurança, mas temos esperança de que a região esteja acordando com relação aos horrores que ocorrem em nosso país, e esteja pronta para apoiar, com solidariedade, o povo da Venezuela, tendo o respeito aos direitos humanos como pilar.

Aqui no nosso site, acompanharemos e divulgaremos os passos das duas. A Venezuela de hoje pode ser o Brasil de amanhã se não contivermos o avanço bolivarianista.

 

5 comentários para “Lilian Tintori e Mitzy Capriles estão no Brasil para alertar sobre o chavismo

  1. Zaqueu

    Doce ilusão se acham que serão recebidas pela “represidenta”. Ela é unha e carne com os ditadores da AL. A exemplo do que ocorreu com a visita da bloguista cubana Yoani Sánchez quando da visita ao Brasil, Lilian Tintori e Mitzy Capriles que tomem cuidado e seus seguranças que fiquem espertos porque os ativistas “cumpanheiros” são perigosos, ainda mais que pode haver expiões bolivarianos a mando do Pajarito Maduro.

    Responder
  2. Caio

    São guerreiras mais não sabe de nada inocentes mal sabe elas que este câncer que a Venezuela vive hoje o socialismo latino americano, nasceu aqui com chamado FORO DE SÃO PAULO criado por LULA e FIDEL CASTRO em 1990. Em suma toda a titica socialista que hoje em dia se vê na América Latina Argentina, Venezuela, Equador,Bolívia, Colômbia e Brasil é tudo consequência da politica esquerdista socialista ovo do FORO DE SÃO PAULO. Pedir a Dilma ajuda acho que estas senhoras guerreiras não estudaram a história da vida da Dilma é mais fácil ela manda o MST lá para ajudar o Nícolas Maduro a fuzila o povo venezuelano. Esta infeliz da Dilma pegou em armas contra o regime militar para tentar implementar um regime comunista socialista no Brasil.. Se não fossem os militares em 1964 intervir hoje em dia estaríamos todos cubanizados.E o brasileiro que não abra o olho que vai acontecer o mesmo que está acontecendo com os venezuelanos no Brasil com este câncer chamado PT. Com essa tal de reforma politica do PT.

    Responder
  3. alex reis

    Muito preocupante, parece que ela esta falando do Brasil.
    O pior, uma massa enorme da população parece que resolveu agir como avestruzes, enfiam suas cabeças embaixo da terra e fingem não estar acontecendo nada.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *