Legado PT-Temer: Brasil chega a 61,5 mil assassinatos em 2016

O Fórum Brasileiro de Segurança Pública divulgou o número de assassinatos cometidos no país em 2016: 61,5 mil. É um crescimento em relação ao número registrado em 2015, que foi de 58,1 mil, e representa uma continuidade do aumento de mortes violentas.

Proporcionalmente, os estados mais violentos são Sergipe, Alagoas e Rio Grande do Norte, enquanto os menos violentos são Santa Catarina e São Paulo, que apresentam índices altos, mas mais próximos de países normais. As capitais com maiores taxas de assassinatos por 100 mil habitantes são Aracaju, com 66,7, Belém, com 64, e Porto Alegre, com 64,1.

A imprensa tem feito algumas comparações para tentar dimensionar esses números. Por exemplo, os últimos 4 anos na Guerra Civil da Síria morreram 256 mil pessoas assassinadas, enquanto no Brasil no mesmo período foram 279mil. O lançamento da bomba atômica sobre Nagasaki assassinou menos pessoas do que a violência no Brasil em 2017.

Os anos do consórcio de governo entre PT e PMDB levaram o país a esse caos. A saída do PT após o impeachment de Dilma não trouxe nenhuma mudança substancial no descaso com que o governo federal trata o problema das drogas e da criminalidade. O combate à criminalidade deveria ser uma prioridade no país e as eleições de 2018 são a grande oportunidade para que esses números comecem a mudar.

Leiam mais sobre o tema em nosso site:

 

Loading...

Um comentário para “Legado PT-Temer: Brasil chega a 61,5 mil assassinatos em 2016

  1. Airton Martins

    Por isso, é necessário que propaguemos a escolha do candidato Jair Bolsonaro para presidente, pois ele é contra a ideologia de gêneros, o desarmamento da população, o multiculturalismo, os altos impostos, o estado inchado, liberação das drogas, banditismo, a maioridade penal atual, outras pautas que a povo já cansou de pedir e o governo desconsidera por ser a favor da implantação do comunismo no Brasil, contra o desejo da população.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *