Imprensa Golpista 17 – Método eficiente e a utilidade de Cunha para o PT

Nesta série de posts “Imprensa Golpista” já mostramos inúmeros casos em que a intenção pró-PT é muito clara. Há porém muitas matérias em que o partidarismo se mostra de forma sutil. Alguns desses casos são os mais eficientes, até por dificultarem a percepção das intenções. Vejam esta reportagem da Folha Online “Cunha retoma projeto que proíbe adoção de crianças por casais gays“.

A primeira coisa a ser dita desta reportagem é que ela é mentirosa e mal intencionada no título, coisa que uma leitura mais atenta já evidencia. Vejam na imagem abaixo o trecho em azul, é apenas aquilo que é notícia de verdade, sem especulação: “Cunha liberou a retomada de um projeto patrocinado pela bancada evangélica“. Liberar um grupo significativo de deputados a criar uma comissão para estudar e colocar em pauta um projeto não é sequer um ato de um presidente da Câmara, muito pelo contrário: ação dele seria PROIBIR a deliberação ou criação da comissão. Uma ação anti-democrática, por sinal. Mas se essa fosse a atitude do presidente da Câmara, quem teria coragem de denunciar como abuso um ato favorável a tema tão benquisto pelos formadores de opinião e pessoas influentes? FOLHA_PT_CUNHA

O outro ponto relevante a se criticar nesta reportagem é como ela é favorável ao PT. Em tempos de crescimento da adesão popular a uma idéia ainda difusa de impeachment, o presidente da Câmara serve bem ao partido quando mostrado como antítese da boa política, figura aglutinadora de características ruins e que estaria no extremo oposto ao PT. De certa forma, foi o que fizeram com Severino Cavalcanti em plena crise do Mensalão…

Os dois trechos sublinhados em vermelho mostram o esforço do jornalista (a matéria não é assinada, infelizmente não podemos consultar outras reportagens do mesmo jornalista para verificar se há este padrão em seu trabalho) em mostrar o PT como o bem.

Qual o motivo para citar especificamente o PT como potencial combatente do projeto? Por que não o PSB, o PV, o PSDB ou mesmo o PSOL? O segundo trecho sublinhado em vermelho é um abuso ainda maior ao, de certa forma, elogiar o PT por ter feito uma safadeza regimental (“manobra”) para evitar a tramitação de um projeto. Pior ainda, não diz como ou quando o partido o fez pois… NÃO FOI O PT!  Quem quiser conhecer a história da tramitação do PL 6583/13, conhecido como “Estatuto da Família”, pode clicar aqui e procurar qual foi a ação do PT para barrá-lo. O projeto simplesmente caducou com o fim da legislatura anterior e, como todos os outros, pode ser retomado a qualquer momento por deputados do congresso atual. O jornalista não se deu ao trabalho nem mesmo de pesquisar nos arquivos de seu jornal qual foi o fim do projeto, ali ele leria que “a ação popular impediu a tramitação“. Nada de PT.

Lida no conjunto, a reportagem grita sua intenção de atingir e agradar um segmento influente da opinião pública mais ativa nos debates políticos. Quando lembra que o deputado Eduardo Cunha é evangélico e cita trecho de sua entrevista ao concorrente Estadão em que ele mostra a intenção de derrubar projetos a favor do aborto, o jornalista sabe bem em quem este conjunto de palavras “aborto”, “adoção por gays” e “evangélico” reunidos costuma disparar um alarme. Vale lembrar que este grupo teve já uma boa história com o PT mas anda afastado do partido, o que dificulta ainda mais a luta deles pelo convencimento da opinião pública e mobilização nas ruas, algo tão importante nestes duros dias do governo Dilma.

O efeito da reportagem é imediato e tende a crescer nos próximos dias com direito a muitos discursos de gente que espera uma oportunidade para exibir suas boas intenções e total apoio aos temas que julgam modernos,  importantes e corretos (nesta ordem de prioridade). Não é por acaso que um capitão do petismo na imprensa nacional como Kennedy Alencar já tenha imediatamente em seu blog um post em que Cunha aparece como contraponto a Dilma. E, pela tradição já vista nesta série, é bem capaz que muitos outros veículos de imprensa copiem o tom e até mesmo trechos inteiros da reportagem da Folha.

tolinhos

Reportagem bem-sucedida: peixes mordendo a isca.

Aos detratores deste site, às vítimas da malandragem jornalista, ao próprio malandro ou mesmo àqueles flagrados em sua falsidade auto indulgente, restará dizer “A Reaçonaria está defendendo o Eduardo Cunha”.

P.S.: O “Estatuto da Família” é um projeto campeão de popularidade entre as pessoas que acessam o site da Câmara Federal: http://www.ebc.com.br/cidadania/2014/05/estatuto-da-familia-enquete-no-site-da-camara-e-a-mais-votada-e-continua-ativa;

P.S. 2: Importante lembrar que, no ponto sensível à reportagem (proibição de adoção por casais que não sejam homens e mulheres), o Estatuto da Família não altera o texto da Constituição que, no 3ºparágrafo do artigo 226 diz “Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento.”. Já o Código Civil diz em seu artigo 1723 que “É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem e a mulher, configurada na convivência pública, contínua e duradoura e estabelecida com o objetivo de constituição de família.“. Este trecho foi julgado sem validade pela Ação Direta de Inconstitucionalidade 4277 no STF em 2011 e, desde então, pode-se dizer que casais homossexuais gozam dos mesmos direitos que os casais formados por homem e mulher – embora ainda hoje existam alguns casos de casais homossexuais que precisam recorrer à Justiça.

P.S. 3: O Estadão fez uma reportagem sobre o mesmo tema com a mesma abordagem e os mesmos erros antes da reportagem da Folha. Confiram: “Cunha acelera projeto contra família gay“.

Loading...

7 comentários para “Imprensa Golpista 17 – Método eficiente e a utilidade de Cunha para o PT

  1. Alvaro Risso

    Já cortei a Folha dos meus favoritos há muito tempo. Inclusive me ligaram para fazer uma assinatura da mesma e eu disse à garota: Folha? nem pensar! Nada nesse jornal se aproveita. Imagine um jornal com colunistas como Jânio de Freitas. Nos anos 80 fui assinante da Folha pela sua independência editorial. O que aconteceu de lá para cá com ela? Gramsci?

    Responder
  2. Carvalho

    Olhem esse Kenedy Alencar…ele tenta aliviar a barra do Min. Da Justiça.

    http://www.blogdokennedy.com.br/cardozo-acerta-ao-lidar-com-advogados-da-lava-jato/

    A frase abaixo está no blog dele, no meio do texto. Ele poderia estar falando de tráfico de drogas, nāo? Afinal é um setor da economia que gera bastante empregos…

    Mas a simples destruição das companhias não interessa ao país. É preciso ter uma visão equilibrada dos fatos e de suas consequências. Desmantelar um setor da economia vai resultar em desemprego desnecessário.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *