Imprensa Golpista 12 – Jornalistas petistas cobrem protesto anti-PT

IMPORTANTE: ESTE POST MOSTRA COMO PREFERÊNCIAS POLÍTICAS AFETAM REPORTAGENS. SOMOS CONTRA QUALQUER AGRESSÃO A JORNALISTAS QUE ASSIM SE COMPORTAM, MESMO AS VERBAIS. 

Milhares de pessoas foram às ruas de São Paulo hoje, menos de uma semana após o resultado da eleição presidencial, protestar contra a escalada da corrupção e autoritarismo petista. Convocados por líderes diversos na internet, sem apoio de nenhum partido político ou entidade de classe, o protesto fechou a Avenida Paulista. E o que fizeram a Folha de São Paulo e O Estado de São Paulo, os dois maiores jornais do estado? Enviaram petistas para cobrir o ocorrido. Como resultado, ambos desqualificaram as pessoas presentes e procuraram uma forma de ridicularizar: afirmaram que os manifestantes pediam a volta da ditadura militar. A coisa foi tão porca e combinada que não conseguiram uma foto sequer em que localizassem cartazes assim e tanto a reportagem da Folha quanto a do Estadão conversaram com o mesmo manifestante. Leiam as reportagens publicadas na Folha e no Estadão. E o mais interessante: os dois jornalistas, além de petistas, são muito próximos. Vejam a seguir.

Gustavo Uribe, da Folha de São Paulo – (cliquem para conhecer suas contas no Twitter e Facebook)

GustavoUribe_FolhadeSP

Gustavo Uribe, petista enviado pela Folha para cobrir evento contra crimes do PT

Gustavo Uribe pode ter várias competências, de onde partem suas atribuições na Folha de São Paulo. O certo é que o jornalista é especialista na editoria “esculachar quem não vota no PT”. Vejam algumas reportagens dele:

26/10 – “Vitória de Dilma é recebida com lágrimas na sede do PSDB em São Paulo“. A reportagem que consagrou a foto de uma militante tucana chorando tem a assinatura de Gustavo Uribe. Quem diria que membros de um partido que perdeu por tão pouco receberiam com tristeza uma derrota eleitoral, não é mesmo?

28/10 – “Para ‘musa da derrota’, seu sonho de país foi adiado” – Não bastasse a exposição irônica na reportagem anterior, Gustavo voltou para pisotear a militante. Usou “musa da derrota” no título, caracterizou-a como “rica” (“mora no Morumbi, bairro nobre da capital, onde Aécio 86,5% dos votos válidos“);

12/08 – “Erro no Facebook associa ‘Picolé de Chuchu’ a perfil oficial de Alckmin” – A “situação inusitada” ocorrida em uma rede social, e que durou poucas horas, foi destacada pelo jornalista. Nesta época já estava bem claro que dificilmente Alckmin não se reelegeria no primeiro turno mas não custa nada tirar uma casquinha né?

Em suas contas nas redes sociais, Gustavo está sempre ao lado do PT. Quando Rachel Sheherazade era o maior problema do país para quem era petista, ele seguiu a manada e publicou o seguinte post:

Militante em suas reportagens, Gustavo Uribe condena Rachel - que é paga para dar opinião

Militante em suas reportagens, Gustavo Uribe condena Rachel – que é paga para dar opinião

Vejam os termos usados por ele em um post no twitter:

Gustavo Uribe vê a luta de classes: manos vs coxinhas. Ele é o quê?

Gustavo Uribe vê a luta de classes: manos vs coxinhas. Ele é o quê?

Ricardo Chapola, do Estado de São Paulo – (cliquem para ver seus perfis no Twitter e Facebook)

Enviado do Estadão, Ricardo Chapola não conseguiu trazer uma foto de manifestantes pedindo intervenção militar

Enviado do Estadão, Ricardo Chapola não conseguiu trazer uma foto de manifestantes pedindo intervenção militar

Enquanto seu amigo da Folha tem um viés mais cômico dos não-petistas, Ricardo tem em seu histórico uma reportagem com intuito de destacar tudo aquilo que os desabone de forma mais direta ao destacar anônimos e irrelevantes que xingaram o nordeste em redes sociais após a vitória de Dilma em 2010 (aqui). Vale lembrar que quando o PT perde em São Paulo são dirigidas várias ofensas aos paulistas não por manés de redes sociais mas artistas, jornalistas e autoridades petistas (leiam “A esquerda abomina e xinga São Paulo“). E isto nunca ganha reportagem na imprensa golpista.

Assim como Gustavo Uribe, Chapola também foi à sede do PSDB cobrir o acompanhamento da apuração dos votos. Assim como Gustavo Uribe, Ricardo Chapola conversou com a mesma militante “aos prantos” e o mesmo empresário Erik Sanchez. A reportagem está aqui.

Trabalhando em empresas concorrentes, Gustavo Uribe e Ricardo Chapola entrevistam coincidentemente a mesma pessoa em duas ocasiões

Trabalhando em empresas concorrentes, Gustavo Uribe e Ricardo Chapola entrevistam coincidentemente a mesma pessoa em duas ocasiões. Sempre em reportagens que ridicularizam quem é contra o PT.

Ricardo Chapola possui um blog de crônicas no Estadão. Um passeio pelos títulos das mais recentes postagens dão bem o tom de suas preferências partidárias. Dar opinião em uma coluna própria não é nenhum problema, estranho é o jornal, sabendo de suas preferências, enviá-lo para uma reportagem que obviamente as contraria. Vejam alguns posts do blog dele:

– “MIS” – Post ridicularizando pessoas que reclamaram de uma instalação do MIS;

– “Ciclofaixa” – Subtítlo  “Alvo de críticas aqui, digna de elogios acolá”;

– “Água Santa” – O trecho abaixo, de um diálogo entre São Pedro e São Paulo sobre a falta de chuvas:

São Pedro engasgou-se enquanto bebia, dando um salto para frente ao ouvir o amigo. Recomposto, levantou a voz:

 – E daí? Já votei mesmo na Dilma, qual o problema? E por causa disso deixei quem não votou sem água? Dê uma olhada sobre seu muro, veja seus vizinhos. Santa Catarina me ligou agradecendo pela chuva. Conspirar a esse ponto, Paulo?

– Você votou na Dilma? Não acredito! E no segundo turno, vai de quê? Aécio, né? – questionou, certo de que o amigo tinha revisto conceitos.

– Dilma de novo, óbvio – disse Pedro, convicto.

– Você é louco. A mulher acabando com o País, trucidando a economia, enterrando a principal empresa do País. Não vê a barbaridade?

– Vejo, mas ainda assim prefiro deixar como está.

Após a eleição, vejam a chamada para uma crônica dele, como se pedisse pelo fim dos embates políticos – ou seja, que ninguém mais fale mal do PT.

Chapola_petistapedepaz

O curioso é que Chapola foi entusiasta dos protestos de junho, ao menos enquanto estes eram comandados pela extrema-esquerda. Esse tweet espirituoso comprova o ânimo dele então:

Chapola_Chuchu

Ricardo Chapola e Gustavo Uribe

Não foi apenas a preferência política que fez com que Ricardo Chapola e Gustavo Uribe fizessem reportagens parecidas e citando o mesmo personagem dos protestos. Os dois são amigos, ou trabalharam juntos. Vejam os tweets abaixo:

Chapola_uribe1 Chapola_Uribe2 Chapola_Uribe3

Chapola_Uribe4

Chapola_uribe5

 

50 comentários para “Imprensa Golpista 12 – Jornalistas petistas cobrem protesto anti-PT

  1. Pingback: Entre o primeiro grito e o impeachment de Dilma, foram/serão necessárias 13 derrotas do PT – ÁpyusCom

  2. Douglas

    Só li agora esse artigo. Muito bom, Reaçonaria.

    Já não basta os blogs chapa branca da BLOSTA (blogosfera estatal) defender o governo atual com mentiras e distorções, ainda temos mídias que se dizem “imparciais” tentando blindar o governo de investigações e ridicularizando os protestantes e opositores do governo de “golpistas”.
    Mesmo sendo uma minoria ínfima que queria tal coisa, os dois pedagogos foram desonestos ao extremo de dizer que a passeata queria intervenção militar.
    Esquerdistas realmente são mestres na mentira e em assassinatos de reputações.

    Responder
  3. gus

    o pior é que parece que a globo depois das eleições ficou com medo de algo, pois nem no dia que o Aécio voltou e falou que eles tinham que agir como oposição e não deixar para agir assim um ano antes da eleição, a globo nem sequer falou ou mostrou.

    Responder
  4. charles

    Esse tipo de prática é super comum lá fora. Por exemplo quando descobriram que o editor do nyt não divulga o racismo palestino ( http://www.algemeiner.com/2014/10/30/new-york-times-opinion-editor-explains-why-paper-wont-address-palestinian-racism/ ), quando descobriram que Foley era politicamente correto com terroristas ( http://www.frontpagemag.com/2014/dgreenfield/james-foley-went-looking-to-support-terrorists-in-syria-instead-they-cut-off-his-head/ ) e quando um jornalista investigativo da Forbes expôs repórteres da mídia anti-israel ( http://www.forbes.com/sites/richardbehar/2014/08/21/the-media-intifada-bad-math-ugly-truths-about-new-york-times-in-israel-hamas-war/ ). Todos exemplos de exposição de bias na mídia social.

    Lá fora tem choro? Não, um faz com o outro, é democracia. Parabéns ao reaçonaria pelo trabalho jornalístico de primeiro mundo, e não há associação de losers querendo ser guilda que pode ditar o trabalho de profissionais liberais, portanto livres. Esse caso é único e tem de ser um marco do jornalismo, é o primeiro passo rumo à criação de mediawatchs no brasil.

    E melhor ainda, isso só mostra que o PT chora que a mídia está contra ele, enquanto ele é a própria mídia.

    Responder
  5. André

    Aliás, qual é a razão para as expressões “jabá” e “jabaculê” serem tão veladas em textos jornalísticos, impressos ou de qualquer tipo. Entre os jornalistas, informalmente, são comuns; profissionalmente há um prurido danado em utilizá-las. Apenas o saudoso Paulo Francis a empregava eventualmente. Qual é o pó do prurido?

    Responder
  6. Pingback: Sobre o esclarecimento de quem é quem na cobertura jornalística – e a hipocrisia de muitos que agora se dizem contra | Implicante

  7. Fabricio

    Cadê a coragem desses caras?! Só escrevem o que agrada ao PT!
    Não têm a coragem de escrever o que os olhos do país inteiro vêem.
    São covardes.
    Mais alguns covardes apenas.

    Responder
  8. Alonso

    Que são dois idiotas não há duvida, acham que são deuses acima do bem e do mal, porém não são culpados sozinhos. Quem trabalha em redação de jornal sabe que antes de publicado, o texto passa pela mão de várias pessoas e mesmo assim foi publicado. Mas é claro que quem vai pagar o pato, são os 2 bocós. Meu amigo trabalha no Estadão e o clima lá para o Ricardo é péssimo, arrisco-me a dizer que assim que a poeira baixar, vai pra rua.

    Responder
  9. clarice nunes

    Acabou o jornalismo. Agora é só panelinhas nas redações. Tudo na brodagem, sem profissionalismo. Para que ter dois ou quatro veículos se é tudo a mesma turminha do lambe-lambe? Eles ficam assim, um puxando o saco do outro e quem sai perdendo são os leitores. Conheço ambos. São assim mesmo, isso é só o que a gente vê. Quantas vezes eles trocam informações e aspas, totalmente sem pudor. Não tem apuração própria, fica uma pasteurização da cobertura. E a chefia dá força, criando esse tipo de repórter. Essa amizade toda é para sobrevivência, como num cartel. É uma turminha que se junta na rua e nas redações para tudo parecer legal e se dar bem. Quem não entra no jogo, fica mal visto. Por isso não tem mais repórter independente.

    Responder
  10. Carvalho

    Vocês mataram a pau com essa postagem. Tem que desmascarar mesmo esses que se fingem de isentos. Estive na manifestação e corroboro tudo dito acima. Pegaram uma minoria, não, menos que isso, nem chegava a meia-dúzia em meio a 5 mil pessoas no mínimo pra tentar ridicularizar o protesto.

    E o tiro pode ter saído pela culatra, pois a Internet está aí para esclarecer as coisas e esse bafafá todo de intervenção militar ampliou muito a divulgação do movimento. Poderia ter passado em branco se não fosse por isso.

    Parabéns pela cobertura.

    Responder
  11. Luis Pereira

    Vocês precisam inaugurar imediatamente um observatório de imprensa para expor esses caras que se utilizam dos veículos de mídia para fazer militância partidária. Eles são parte fundamental da campanha de desinformação petista.

    Enquanto o PT bate na Folha e no Estadão, falando que eles representam a direita fascista paulista, esses caras estão lá dentro sabotando o veículo de informação e criando as ferramentas de propaganda que serão usadas pela esquerda. Essas duas reportagens sobre os manifestos foram utilizadas por toda a esquerda como prova incontestável de que os manifestantes pregavam o golpe militar. Não dá para se fazer de bom moço nessa altura do campeonato.

    Tem que rastrear quem são esses jornalistas, levantar o passado deles, checar as redes sociais, fazer trabalho investigativo e expor os motivos pelos quais eles escrevem esse lixo.

    Não é agressão e nem censura, eles precisam arcar com sua posição política na hora de escrever o que escrevem. Que escrevam o que quiserem, mas que o leitor saiba quem está escrevendo.

    É preciso um trabalho constante desse, buscando entrar em contato com as edições dos jornais e se possível até os donos da marca.

    Responder
  12. Marcelo Barbosa

    Esse Chapola é o exemplo do que se tornaram as redações. Virou “um jornalismo de mãos dadas”. Os coleguinhas ficam juntinhos nas coberturas, como em mesa de bar. Acabou a independência na apuração. É uma ação entre amigos. E o pior que um repórter como esse é amparado pelos coleguinhas, querem todos continuar na panela para sempre. Para evitar o peso da concorrência, eles ficam se amando nas redes sociais para abstrair o fato de que tem a obrigação de cobrirem os eventos de forma autônoma. Mas não. Ficam agarrados entre si, rasgando elogios, escrevendo todos as mesmas aspas para ninguém sair do passo. Como um jornal acha que vai sair a reportagem de um sujeito que se posiciona como o Chapola aos estertores, sem nenhum pudor? Daí fala, só apurei o que vi. Como um repórter tem isenção se no meio de 5 mil pessoas pega a mesma aspa que o colega da outra redação. Andaram os dois juntos, como se fossem dois irmãos. É esse tipo de gente que as redações contratam. Sem independência, mas mui amigo.

    Responder
    • Antonio Vieira

      Isso mesmo. Esse Chapola sempre sendo imparcial nas matérias. Cansei , dão uma responsabilidade como essa para um cara que fala o que quer…. Estadão caiu o conceito. Esse puxasaquismo dos jornalistas entre si está brabo.

      Responder
  13. Abner

    Estas são as mil pessoas que a mídia terrorista, militante petista, adoradores de Fidel Castro e Che Guevara disseram, olhem aí a mentira sendo desmascarada! Portanto cabe a cada um de nós alertarmos sobre para quem serve a Folha de São Paulo, senão à mentira e a militância histérica:

    http://youtu.be/O000lVZoXTc

    Responder
  14. Fernando

    eu sinceramente acho que o autor do post deve fazer um exercício que, percebo, falta para os membros deste site. se coloque na situação inversa: o PT, que vcs tanto odeiam, perde a eleição. vocês não estariam pisoteando em tudo e em todos? se com o PT no governo vcs já fazem isso, perdendo então, seria muito pior.
    não me venham chamando de petista e comunista pois não me enquadro nessas características, mas vamos parar e pensar um pouquinho?!
    vejo que vcs partem do princípio que é muito mais simples pegar manchetes de jornais que falam mal do candidato de vcs ou do partido para o qual vcs ‘torcem’, (sim, pq isso já tá parecendo choro de torcedor de time perdedor) agora, pegar manchetes e notícias falando dos impropérios de políticos do PSDB nada, né? é muito mais simples bater no PT ou se fazer de vítima. pelo jeito é bem legal receber apoio do filho do Bolsonaro com uma arma na cintura em cima de um carro de som (se ele endossar tudo o que penso, azar o que ele e seu pai, notórios preconceituosos fazem, né?)
    enfim, se a mídia fala bem do PT são todos golpistas, vcs divulgam o nome do jornalista e pedem sangue. agora, se fala mal do PSDB nem uma linha.
    vcs que tanto criticam a famosa ‘ditadura petista’ parece que agem exatamente igual ao que tanto os desagrada, quer dizer que nos jornais só pode ter gente que pensa do mesmo jeito que vcs?vejam bem, vcs criticam tanto a censura que tão instaurando, mas isso que vcs fazem não é um tipo de pensamento censor? “esses esquerdista infestam a mídia”, “gente de esquerda não deveria ter espaço” etc. perceberam algo nesses discursoss ou é tudo bem de boa?
    muito bem, gente.

    Responder
    • Da CiaDa Cia

      Sugiro que você faça um exercício que, percebo, lhe falta. É certo jornalistas selecionarem pessoas num protesto ou evento político para caracterizá-los como extremistas patéticos, gerando então ridicularizações em reportagens e postagens nas redes sociais? É muito mais fácil bater em coitados por aí e depois fazer-se de vítima quando se mostra que isto é uma prática corriqueira de jornalistas que têm lado e deixam isso bem claro.
      Não falamos aqui em ditadura petista. O post serve para mostrar que esta ridicularização de quem não é petista já estava preparada e seria feita de qualquer jeito. Não estamos proibindo ninguém de fazer suas reportagens, até porque não temos este poder. E se você reparar bem, um dos jornalistas até mesmo foi favorável a que se calasse uma jornalista paga para dar opiniões.
      Tentativa de censura é querer proibir que se faça crítica a reportagens.

      Responder
      • Daniel

        “…enfim, se a mídia fala bem do PT são todos golpistas, vcs divulgam o nome do jornalista e pedem sangue. agora, se fala mal do PSDB nem uma linha…”
        “… não é um tipo de pensamento censor? “esses esquerdista infestam a mídia”, “gente de esquerda não deveria ter espaço” etc. perceberam algo nesses discursoss ou é tudo bem de boa?”
        A única coisa que eu consigo perceber é que tudo o que você está acusando nesse texto, nao está escrito em nenhum lugar. “Acuse os outros daquilo que você faz”. O texto comeca inclusive alertando que é contra a agressao aos jornalistas citados. O texto nao condenou a emissao de opiniao, quando se trata de escrever uma coluna, mas do viés partidário demonstrado pelas reportagens, apontando uma linha seguida pelos supra-citados repórteres. Mas estou divagando, se você qiusesse realmente discutir, poderia comecar apontando que o autor nao contra-poe se esses autores já escreveram artigos desfavoráveis ao PT ou favoráveis á oposicao.
        Ninguém sugere aqui que as pessoas sejam impedidas de emitir opiniao. Apenas questionam a interferencia do viés ideológico nessas publicacoes.

        Responder
    • SideShow Bob

      Ricardo Boechat é lamentável.
      Quando se junta com o José Simão na rádio, então fica insuportável.
      Lembro quando ele deu uma entrevista na qual elogiava os black blocs e falou “É isto aí, tem que quebrar tudo mesmo”
      Uma semana depois um colega de empresa foi assassinado pelos blacks blocs, mas o jornalista isento não falou uma palavra sobre seus incentivos à barbárie.

      Responder
  15. Fernando

    O Estadão ainda é um pouco mais sério que a Folha. O Ricardo tem o emprego em perigo no Estadão, porém ele pode ir para a Folha que de um tempo pra cá virou uma piada. Aliás alguém ainda compra esses jornais nas bancas?

    Responder
  16. Alexandre Sampaio Cardozo de Almeida

    São Paulo, 3 de novembro de 2.014

    Prezados do Reaçonaria,

    Esses são os típicos jornalistas imparciais que laboram na Folha, Estado, O globo e etc.
    E a tendência é a de piorar! Com a ideologização do ensino no Brasil, essa gentalha irá se multiplicar mais do que mosquitos no calor! Preparem-se! O pior está por vir!

    Responder
    • SideShow Bob

      Obrigado pela lembrança.
      Os demais assinantes da Folha deveriam fazer o mesmo.
      Quem sabe até mandar uma carta para o painel dos leitores “denunciando” um conhecido por ser contrário ao petismo e pedir que o Gustavo Uribe “investigue” e o ridicularize.

      Responder
  17. Mauro Mosczynski

    O cara é esquerda caviar até estar a ponto de perder o emprego. O jornalista Gustavo Uribe depois de ser desmascarado tirou do seu perfil do Facebook a foto que aparece com Delúbio Soares e com o comentário sobre a sua amizade com o dirigente/presidiário petista.

    Responder
  18. mauro praça

    Ué, mas na Casper Líbero estudar é gratis ou ele é mais dos milhares de esquerdas caviar desta amada nação petralha.
    Pagou pra se formar e pousa de onguista.
    Se liga.

    Responder
  19. Pablo Sandoval

    Outro:

    Guilherme Balza (UOL)

    FB: https://www.facebook.com/guilhermebalza.correanetto (pelas postagens, os coxinhas são mais perigosos que os terroristas do ISIS)

    Matérias:
    http://eleicoes.uol.com.br/2014/noticias/2014/10/16/irma-coordenou-orgao-que-fiscalizava-publicidade-para-radios-de-aecio.htm
    http://eleicoes.uol.com.br/2014/noticias/2014/10/22/em-ato-pro-aecio-militantes-xingam-dilma-e-gritam-viva-a-pm.htm
    http://eleicoes.uol.com.br/2014/noticias/2014/10/29/deputado-defende-que-beneficiario-do-bolsa-familia-seja-proibido-de-votar.htm

    Aliás, o arquivo pré-2012 desse sujeito é cheio de reportagens contra a prefeitura. Adivinha quantas ele escreveu nos últimos dois anos?

    Responder
  20. Selva

    Esses jornalistas petistas estão loucos para que Dilma casse as concessões das tv , feche jornais e revistas e dar a eles ,como outras republiquetas cucarachas fazem. O leitor que compra jornal faria um bem parar de comprar,e parar de assistir TV ,há muito não assisto ,e não compro jornais ,me informo pela internet com os jornalistas que não tentam me manipular .

    Responder
  21. Lucas Vítor Sena

    Pena que a imprensa hoje seja toda esquerdista. Se não é toda, pelo menos tem um viés. Percebo bem isso nas redações de Manaus. Já vi 3 pessoas de esquerda empregadas em jornais daqui, só que eu sei. De direita, pouquíssimos, quase nada. Infelizmente, é a verdade.

    Responder
  22. Luiz Giaconi

    Fui colega do Uribe na Cásper Libero, de 2007 até 2010. Sempre foi um esquerdoso retinto. No face ou no orkut ostentava orgulhosamente uma foto com um painel da Michelle Bachelet. Na época da faculdade, ia pra Paulista protestar contra a visita oficial do W. Bush (2007, acho). Típico esquerdistinha que infesta nossas faculdades de jornalismo. O que ele fala sobre política tem tanta isenção quanto um posto do Conversa Afiada.

    Responder
    • Saulo Roston

      Matou a pau, amigo – conheci o foca também, num evento e, o que ainda me deu esperança num provável jornalismo sério, é o fato dele ser ridícularizado, mesmo que pelas costas, por um bocado de outros jornalistas.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *