Folha, Bolsonaro e Dilma. Dilma?

A Folha de São Paulo preparou uma matéria sobre a punição que o deputado Jair Bolsonaro sofreu, quando estava no Exército, por ter publicado um artigo na revista Veja pedindo aumento salarial para os soldados.

Bolsonaro foi punido e admitiu a insubordinação. Isso não é nada de novo, está registrado no blog da família Bolsonaro e o deputado não se omite de tratar do tema quando perguntado. A novidade é recontar todo o processo com base nos documentos do Supremo Tribunal Militar, obtidos pela Folha. A própria Folha reforça o que o deputado sempre falou: que o STM, após recurso, absolveu Bolsonaro de todas as acusações.

Porém, novamente entra a história de que Bolsonaro teria, junto com outro soldado, planejado atentados com bombas para desestabilizar a cadeia de comando do Exército. Nessa altura do texto, o leitor é levado a esquecer que o STM também absolveu Bolsonaro das acusações sobre os planos de explodir bombas. Bolsonaro foi absolvido porque dois exames grafotécnicos atestaram que ele não era o autor dos planos. Outros dois laudos apontavam possível autoria. Na ocasião, Bolsonaro contava com a fúria do governo Sarney, por ser um dos responsáveis por passar para a sociedade um clima de instabilidade no Exército, e do general Leônida Pires, por ser o então ministro do Exército, cargo hoje extinto.

Legal, nada de novo e vida que segue.

Dilma

Em 2010, a Folha de São Paulo obteve na justiça o acesso ao inquérito, no mesmo Superior Tribunal Militar, de Dilma Vana Rousseff, ex-integrante das organizações terroristas COLINA e VAR-Palmares, responsáveis por atentados e assassinatos.

Antes das eleições, o presidente do STM decidiu por vontade própria trancar em um cofre da Corte o inquérito de Dilma. A vitória da Folha foi uma vitória da liberdade de imprensa. Acontece que o jornal decidiu não publicar o conteúdo a que teve acesso até hoje. Dilma chegou a ser condenada pela Justiça Militar de três estados: SP, RJ e MG.

Durante a votação, o vice-presidente do STM, William de Oliveira Barros, declarou que “a princípio”, somente a Folha teria acesso aos autos, já que “foi ela quem pediu”.

E aí, Folha? Quando é que o jornal vai revelar os detalhes sobre o julgamento da ex-presidente Dilma Rousseff no STM?

 

Revisado por Maíra Pires @mairamacpires

 

Loading...

9 comentários para “Folha, Bolsonaro e Dilma. Dilma?

  1. Rodrigo Oliveira

    Resumo para quem não conhece a história da Dilma terrorista. Mário Kozel Filho foi um soldado Brasileiro morto em 1968 por um ataque da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), grupo de guerrilha da Dilma, ao Quartel General do II Exército, atual Comando Militar do Sudeste, SP, durante o governo de Artur da Costa e Silva (1964-1985). Em 12/05/2017, a delação de Mônica Moura revelou um e-mail secreto de Dilma com o codinome 2606iolanda@gmail.com. Iolanda Barbosa Costa e Silva era a mulher do ex-presidente Costa e Silva durante o regime militar e 26/06 foi a data da morte de Kozel Filho pelo grupo VPR.

    Responder
  2. SFU

    Fui assinante do jornal Folha de São Paulo por vários anos. Há dois, deixei de ser seu assinante após desgastantes desilusões com o procedimento informativo da empresa. Por que? Não sei! Da mesma forma muitos não sabem, mas, penso, basta uma busca melhor direcionada para descobrir as razões da empresa dos Frias.O caso em tela é um dos que corrobora minha decisão pretérita.

    Responder
  3. Neto

    O cara que escreve essas pérolas e alienado ou está sendo pago para desinformar? O autor descreve perseguição no caso do Bolsonaro por parte do Presidente da República e de um General superior, mas com a Dilma nao tem a mesma “bondade” apesar de saber que era época de ditadura e os militares mandavam e desmandavam! Um pouco de coerência vai ajudar…

    Responder
    • Rodrigo Senzo

      Neto Analfabeto, incapaz de “pegar” o conteúdo de um texto.
      .
      Qual é o assunto do texto? O fato de a Folha ter tido acesso aos julgamentos de Jair M Bolsonaro e de Dilma V Housseff e, no entanto, “espertamente” (canalhice mesmo) ter divulgado apenas o do Bolsonaro. Caso mais que requentado, inclusive.
      .
      Quanto a coerência… não há incoerência NENHUMA. O que há DA SUA PARTE é uma visível falta de senso de medida.
      .
      O caso do Bolsonaro é de Indisciplina (Insubordinação). É crime apenas no âmbito MILITAR.

      Já a Dilma é TERRORISTA e os grupo aos quais ela pertenceu cometeu CRIMES: assalto, assassinatos, sequestros entre outros. Terrorismo é crime hediondo; algo abominável.
      .
      Agora, o cara sequer observa isso e ainda quer dar bronca nos outros. É um palhaço mesmo!!!

      Responder
  4. Leonardo X

    A Folha pediu vista dos autos do processo ao STM para quê? Só pode ter sido para acusar o regime militar de truculência e arbitrariedade. Como não o que queria abolveu a camarada “Vanda” por falta de provas a favor dela e condenou o eleitor à ignorância quanto à candidata a governá-lo. E ainda contou com a conivência do Tribunal que julgou a ré culpada. É a democracia às avessas do PT.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *