Caso Santander-Queermuseu: Gaudêncio Fidelis mentiu sobre macacões que alterariam percepção de gênero?

Há dois dias revelamos um artigo em que Gaudêncio Fidelis, militante petista e curador da exposição Queermuseu no Santander Cultural, falava sobre o que seria exibido. Causou repulsa em todos a possibilidade de crianças vestirem um traje em que, de olhos vendados, acessariam zíperes de uma outra para alterar a percepção de gênero. A esquerta tem tentado lavar a reputação dos expositores, mas ninguém pode negar os seguintes fatos:

  • Gaudêncio Fidelis prometeu aos visitantes que todos poderiam usar a vestimenta para se tocarem;
  • A obra de Lygia Clark era o maior destaque em apresentação do próprio Gaudêncio Fidelis;
  • A imagem de duas pessoas com os roupões foi usada por Gaudêncio Fidelis em seu texto de apresentação da exposição para o jornal Zero Hora;
  • A exposição era direcionada a alunos e não tinha restrição de idade;

Ninguém questionou o próprio Gaudêncio Fidelis. Foi ele quem escreveu o artigo para o Zero Hora. Foi ele quem destacou a peça de Lygia Clark como principal atração. Dos 9 parágrafos do texto escrito por Gaudêncio Fidelis, três se dedicavam exclusivamente à peça. E foi ele quem escreveu que os visitantes se tocariam. Releiam o trecho:

As duas peças são conectadas por um tubo de borracha, simulando um cordão umbilical. Dois capuzes são usados para cobrir os olhos e os ouvidos de quem as veste, o que faz com que os macacões possam ser vestidos por pessoas de identidades de gênero distintas.

As roupas permitem acesso ao corpo do outro por meio de seis zíperes. Ao vesti-las, os participantes identificam as aberturas e, introduzindo as mãos nelas, tocam-se, identificando sensações que alteram as percepções de gênero. e

Vejam como, no texto para o Zero Hora, Gaudêncio usa uma foto que mostra duas pessoas com os macacões e como a peça é destacada:

Em destaque: Gaudêncio Fidelis prometia aos visitantes que usariam os macacões para se tocarSobre

Sobre o fato de crianças poderem se tocar, repetimos que está apontado na apresentação do projeto que ele era indicado a alunos. Qualquer um pode conferir neste link: http://versalic.cultura.gov.br/#/projetos/164274

Queermuseu era indicado para alunos

Este site não trabalha com informações mentirosas. Tudo o que publicamos sobre este caso foi com base em informações públicas fornecidas por todos os envolvidos. Se alguém mentiu, foi Gaudêncio Fidelis. E se ele mentiu, qual era a intenção dele ao anunciar a possibilidade dos visitantes se tocarem?

Loading...

14 comentários para “Caso Santander-Queermuseu: Gaudêncio Fidelis mentiu sobre macacões que alterariam percepção de gênero?

  1. Ana

    Sou considerada de um modo geral como “mortadela” por muita gente, e, em alguns pontos por mim mesma, provavelmente já fui super xingada pelos coxas radicais e idiotizados pela mídia. Admito que posso não entender muito de arte, mas entendo de desrespeito e claramente houve excesso de desrespeito nessa Mostra, especialmente em se tratando de uma exposição financiada com verba pública, sem classificação etária e sem aviso prévio do conteúdo para que as pessoas pudessem decidir se queriam ou não ver, o fato de, historicamente uma determinada religião ter feito coisas erradas no passado, não justifica vilipendiar aquilo que para eles é sagrado. O mundo evolui, vamos evoluir também!

    Responder
  2. Silvestre

    Gaudêncio, é um vagabundo de achar que nos pagamos impostos pra ele fazer putaria, e mexer com a religião do povo, trás sua filha pra todos ver ela pelada com dois homens.

    Responder
  3. Muzenga returns

    Coxinha quer viver em uma redoma de vidro aonde tudo seja sem diversão. São os mesmos que são a favor da volta da ditadura e se duvidar da inquisição para “punir” todos os “pecadores” e “hereges” do mundo. Tudo isso é culpa daquele astrólogo embusteiro do Olavo de Carvalho que enxerga comunismo até embaixo da cama.

    Responder
  4. Hudson

    Tem zíper na região do ânus!
    Quem define gênero com toque no tuim?
    Isso é meio estranho.
    O q impediria um maior de idade tocar , por experiência, a filha de quem defende a exposição ?
    Alguém pode me responder !?

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *