Ao escolher Aloysio Nunes, Temer aumenta ministério delatado na Lava Jato

O senador Aloysio Nunes (PSDB), líder do governo no Senado, foi anunciado como o novo ministro das Relações Exteriores. Ex-guerrilheiro, ex-quercista e ex-vice do Fleury, o político se filiou ao PSDB durante o mandato de FHC, em 1997. Uma trajetória política curiosa.

O senador foi delatado na Lava Jato pelo empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da UTC, por ter pedido R$ 500 mil para a sua campanha: R$ 300 mil em doações oficiais e R$ 200 mil via caixa dois. O STF já autorizou a instauração de inquérito pela PGR e a investigação tramita de forma sigilosa.

Na época das denúncias, publicamos em nosso site:

“O ex-secretário da Casa Civil de São Paulo adotou a mesma linha de defesa do PT dizendo que as doações são legais. Ora, todos sabemos que parte das doações são legais, até as do PT. A dúvida é se o dinheiro que entrou legalmente na campanha foi fruto de superfaturamento na Petrobras. Neste ponto, o senador ao produzir esse tipo de nota destrata seus eleitores e a opinião pública.

A segunda linha de defesa do ex-secretário da Casa Civil de São Paulo é dizer que em 2010 não existia Operação Lava Jato. Outra bobagem, as investigações que culminaram no Petrolão também são fruto de denúncias de desvios na Petrobras e tentativas frustradas de investigações em CPIs que não prosperaram durante todo o lulismo no poder.

A terceira linha de defesa do senador Aloysio Nunes é talvez a mais perversa. Diz ele que uma eventual doação da UTC à sua campanha teria como motivação tê-lo como intermediador de pleitos junto à Petrobras, empresa que ele não teria nenhum poder de influência por ser membro da oposição.

Ah, senador, assim o senhor finge que não era secretário da Casa Civil em São Paulo! O senhor finge que a Petrobras e as empresas controladas por ela não fizeram investimentos no estado de São Paulo durante o período em que o senhor coordenou o governo estadual. Pior, finge que a UTC-Constran não têm investimentos no estado que independem da Petrobras.”

Revisado por Maíra Pires @mairamacpires

4 comentários para “Ao escolher Aloysio Nunes, Temer aumenta ministério delatado na Lava Jato

    • Bruno

      É verdade! E ainda tem petista que xinga Aloysio Nunes e enaltece o terrorista Carlos Marighella que virou santo nessa (C)omissão da Nacional da Verdade, sob a terrorista Dilma Rousseff, na qual José Serra, Aécio Neves, demais candidatos presidenciais e a mídia, não falaram desse detalhe, o que demonstram o apoio à “estratégica da tesoura” entre PT e PSDB desde 1994 e a destruição do Brasil desde então.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *