ANÁLISE: A entrevista de Joesley para a Época é muito estranha

Antes de qualquer comentário, é importante lembrar que Michel Temer foi aliado do PT e de Lula/Dilma por 13 anos. Que também neste período, Joesley Batista se tornou o mega-empresário que é hoje graças a falcatruas armadas pelo PT com conivência e participação de Michel Temer. Sabendo que Joesley Batista é um criminoso formado nos anos do governo do PT, torna-se é impossível negar que quem tinha as relações com ele como o tinham Temer e Aécio, muito provavelmente também era um bandido. É igualmente necessário lembrar que o jornalista Diego Escosteguy é um profissional competente e sério. Inclusive, há 3 anos, foi na revista Época que começaram a surgir as notícias do primeiro inquérito contra Lula, aquele sobre Tráfico Internacional de Influência, quando a Lava Jato não havia prendido Marcelo Odebrecht, por exemplo.

>>Lula investigado pelo MPF

Ditas essas coisas básicas, que ultimamente têm sido esquecidas por uma turma “pró-Temer”, é realmente muito estranha esta entrevista do empresário à Revista Época. O trecho disponível na internet (neste link) é totalmente focado no relacionamento de Joesley com Temer. Nada se diz sobre os benefícios que ele conseguiu até montar o império praticamente monopolista da J&F, falcatruas que foram arquitetadas pelo PT.

A entrevista completa tem alguns trechos falando de Lula e Dilma, é verdade, mas está muito claro que para Joesley – e, aparentemente, para as Organizações Globo – o PT já é carta fora do baralho e portanto é preciso focar as delações em Temer.  Michel Temer certamente é líder de um esquema criminoso muito poderoso que hoje envolveu o PSDB e conseguiu, tal como o PT, ganhar imbecis a defendê-lo, muitos mesmo sem serem pagos. Mas elevá-lo a líder da mais perigosa quadrilha política do país é algo estranho demais.

O curioso disso tudo é que os “tucanos” e simpatizantes da internet têm atacado a Lava Jato, especialmente Deltan Dallagnol, e chegam até a desqualificar a apresentação da primeira denúncia que tornou Lula réu, aquela do PowerPoint. Pois bem, quem desacredita a Lava Jato por não ter prendido Lula ainda e torce para que o PT se dê mal precisa, necessariamente, que a versão “de Deltan” esteja correta pois ela é a única que se sobrepõe e contradiz esta propagada agora por Joesley. Se Michel Temer não é o maior chefe de quadrilha política no Brasil, apenas Lula poderia ter tal posto e a única versão factível disponível para chamar Lula de chefe da quadrilha é olhar para a denúncia inicial da Lava Jato e sua apresentação.

É plenamente possível questionar as palavras de Joesley Batista sem se tornar uma pessoa desprezível ao ponto de defender Michel Temer, um político podre que merece ir para a cadeia. Também é uma mentira propagada por bandidos do outro lado a tese de que a queda e prisão de Temer e dos tucanos vai reabilitar os petistas. Quem cai neste papo está sendo instrumentalizado por bandidos, especialmente quando ataca a revista Época e o Diego Escosteguy.

LEIAM TAMBÉM:

Loading...

8 comentários para “ANÁLISE: A entrevista de Joesley para a Época é muito estranha

  1. Pantafernando (@Pantafernando)

    Todos tem uma posição, e a minha em particular é bem diferente de muitos que ficam redigindo textos seja lambendo as botas do PGR seja defendendo o Temer. E não me considero “pro-Temer”. E fico ofendido quando leio um texto do qual discordo em grande parte, e a outra parte simplesmente resume tudo a uma simples posição “pró-Temer”.
    Na verdade, sou “pró-Brasil”. E acho que o melhor para o Brasil hoje seria a manutenção de Temer até que cheguemos a 2018, quando novamente a população poderá escolher um novo presidente. Mais. Acho, honestamente, e você pode atirar pedra em mim, não me importo, que Temer é um presidente muito melhor do que tudo que tivemos na ultima década. Essa é uma das razões pelas quais não vejo razão para me mobilizar contra Temer.
    Mais. Eu não tenho uma visão tão juvenil da corrupção. Não concordo com a histeria que diversas pessoas, intelectuais e afins promovem quando se fala de corrupção. E não estou falando que corrupção é algo bom. Mas é algo péssimo sair gritando por aí, como se tivesse visto uma barata, bradando aos mesmo cansáveis chavões e frase feitas do tipo “fora todos os corruptos”, ou “cadeia para todos os corruptos”. É interessante que nessa dita luta “contra a corrupção”, todos os esquerdistas e pessoas de direita conseguem se unir e concordam.
    Mas uma concordância dissimulada, afinal, qualquer pessoa além da puberdade sabe (ou deveria saber) que igualar todos na corrupção (ou em qualquer coisa) significar beneficiar o mais corrupto. Alias, acho até inadmissível quem se pretenda de direita aceitar frases prontas como punir “todos os corruptos” uma vez que falar de “todos” também é uma forma de socialismo/comunismo.
    Mais. Acho que corrupção é uma ferramenta. Não é o fim em si. Afinal, por mais horrível que seja o bandido, certamente a meta dele não é ser corrupto, mas se utilizar da corrupção para atingir fins que irá gerar benefícios a ele. Se o que falei é verdade, mais uma vez expõe o quanto é infantil sair pelos quatro cantos lutando “contra a corrupção”. Outra analogia: armas e corrupção. Se o bandido pega uma arma e mata um cidadão de bem, não faz o mínimo sentido sair lutando para que seja punida a… arma! Ou seja, se você, em uma extrapolação, cuidar de erradicar a corrupção em si, o bandido permanecerá, do mesmo modo que lutar pelo desarmamento não previne a existência do bandido. O máximo que irá acontecer será, ao invés de matar com arma, matar com faca. De mesmo modo, se a corrupção for erradicada, o bandido irá persistir, e lutara com outra arma disponível. Terrorismo? Intimidação? Violência?
    E aí eu chego no meu ponto final. Meu inimigo não é a corrupção. Simples assim. Eu sou uma pessoa que me considero de direita. O meu inimigo é a ESQUERDA. Nada mais, nada menos. Se eu tiver que escolher entre um político de direita corrupto e um político de esquerda honesto, certamente irei escolher o corrupto, e não tenho vergonha de dizer isso não. A razão deveria ser bem simples: o Brasil está na merda, seja em economia, seja em sociedade, NÃO É POR CAUSA DA CORRUPÇÃO! É por causa de mais de 20 anos de um governo esquerdista. Esse governo que emburrece a população com discussões imbecis, que engana as pessoas com discursos populistas, e tenta empurrar goela abaixo uma progressiva mudança de regime democrático para um bolivariano. Você pode ser o corrupto que for, jamais conseguirá destruir tanto o Brasil do que um esquerdista honesto. Eu realmente acredito nisso.
    Por isso, deveria ser claro para quem se diz de direita, que se você, mesmo que momentaneamente, concorda com um esquerdista, deveria parar para refletir. A esquerda clama “Fora Temer”. Essa é a agenda dela. Por que alguém de direita iria se curvar a esses interesses? Para uma suposta luta “contra a corrupção”?
    Reconheço em Temer um político de centro. Não o vejo como um político de esquerda, tampouco de direita. Assim, só pelo fato dele ser de centro, é motivo mais que suficiente para ter meu apoio, pois ter um governante de centro, para mim, sempre será melhor do que o risco da esquerda reassumir o país.
    Finalizando, a acusação de corrupção é suficiente para derrubar Temer? Se fosse, Dilma teria caído por corrupção. Mas caiu pelas pedaladas e pela perda de apoio parlamentar. Se fosse suficiente, que tal começar com o parlamento? Quantos políticos, além de corruptos, não são de esquerda, ou seja o pior dos mundos?
    É uma escolha do menos pior? Que seja, ainda assim acho mais digno do que sair histericamente gritando conforme a esquerda deseja que eu grite.
    E Temer nem é tão ruim assim. Ele pelo menos não ferra o brasileiro. Hoje, tirando os militantes, acho que todos irão tocar as próprias vidas, e como deve ser. O que se precisa é de políticos que atrapalhem o mínimo possível o cidadão. E não de baderneiros que exigem a deposição de Temer só para se sentirem justiceiros do país.

    Responder
    • Oswaldo

      sensacional seu comentário!
      colocou em palavras e apaziguou todo o desconforto que venho sentindo com essa moda histérica contra corrupção.
      parabéns!!!

      Responder
  2. Márcia

    Toda esta delação do Joesley mais esta entrevista foram feitas para defender Lula e o PT. Não defendo Temer e creio que ele esteja envolvido com este criminoso Batista porém foi um plano para matar dois coelhos com uma cajadada só.
    Não acredito no Janot, ele é petista até a raiz do cabelo, muito menos em Fachin que fez propaganda para a anta até em palanque.
    Aí tem sujeira e da grande, espero que o Temer consiga se vingar e colocar o resto dos podres para fora e assim que se esbofeteiem e nós possamos assistir.

    Responder
  3. Heloisa

    Eu não entendi até agora o empenho das Organizações Globo na derrocada do Temer… Não o defendo, muito pelo contrário. E incrível é o Lauro Jardim ainda estar empregado depois daquela barriga que ele deu…

    Responder
  4. maismimi

    Pelo que entendi o editor acha que o reporter da Época só publica verdades e que o Friboy é a pessoa mais santa do mundo, tirando a roubalheira.
    Achar que agora deve atacar o Temer e não entregar o Lula, porque este não está mais na presidencia.
    Texto típico do PT, quando não tem mais como se defender colocam o PSDB,Aécio ou FHC para provar que existem no mundo outros corruptos, sem mostrar nada, mera acusações para fugir do foco…

    Responder
    • Da CiaDa Cia Posts do autor

      Isto que você escreveu não faz sentido “o Friboy é a pessoa mais santa do mundo, tirando a roubalheira.”.

      De resto, o editor está falando que é preciso ser muito canalha para defender Temer e usar mais este pretexto, as mentiras e armações de Joesley, como gatilho. Os ataques a Diego Escosteguy são covardes e feitos por pessoas mal informadas – quando não são simplesmente bandidas.

      Se você soubesse ler teria notado que é feita uma suposição de que Joesley estaria mirando em Temer por ele “pagar um prêmio maior” na delação pelo fato de estar no poder e não estar ainda numa situação como a de Lula, que já é réu em cinco inquéritos e está para ser condenado daqui a um mês.

      Quanto a FHC e Aécio, eles não prestam mesmo.

      Responder
  5. Leonardo X

    Foram os comunistas que praticamente conquistaram a hegemonia cultural do Brasil, a ponto de qualificar como decente ou indecente qualquer pessoa ou opinião conforme seja coincidente ou,
    ao contrário, dissidente dos critérios que eles estabelecem convenientemente. Vale dizer, são eles que detêm o poder político, que vai muito além do mero exercício de funções públicas, mesmo
    as de presidente da república. Collor e Temer nunca detiveram esse poder, e por isso mesmo tão diverso é o tratamento que foi dado ao primeiro e, agora, a este pela mídia e pelo Congresso. A situação acabrunhante da vida pública em nosso país – e não somente neste particular – resulta dessa hegemonia cultural que há decadas vem sendo conquistada por calhordas de diversos tons de vermelho.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *