Abuso de poder ao encobrir adultério pode levar governador do Alabama a impeachment. Que diferença para o Brasil!

Robert Bentley, o governador republicano do estado do Alabama pode sofrer impeachment por causa de um caso de adultério. O político de 74 anos foi envolvido em um escândalo de promiscuidade em 2016 quando foi tornado público que ele teria admitido a amigos seu envolvimento com uma de suas assistentes. O adultério levou a esposa do governador a pedir o divórcio. Ele nega que tenha tido realmente um caso, embora gravações e mensagens enviadas pelo governador sugiram o contrário.

A assessora que teria se envolvido com Bentley chama-se Rebekah Caldwell Mason e também é casada. À época, seu marido usou as redes sociais para dizer que a família estava tentando superar o trauma (leiam aqui).

A Suprema Corte do Alabama derrubou a decisão de um juiz de primeira instância que havia impedido o início do processo de impeachment. A Suprema Corte estadual liberou o andamento do processo que apura se o governador utilizou-se de métodos impróprios para preservar sua reputação. Ele teria usado agentes da polícia investigarem sua esposa e impedir que ela tornasse públicas as informações que tinha de seu affair.

E NO BRASIL

Em 2007, uma amante do senador Renan Calheiros veio a público reclamar do corte dos recursos que ele lhe pagava para permanecer calada. Dali descobriu-se que os pagamentos à ex-jornalista eram feitos por construtoras. Os montantes pagos mensalmente eram muito superiores ao que se supunha que um senador seria capaz de pagar e, para provar que tinha recursos para bancá-la, Renan Calheiros fez uso de notas fiscais falsas e empresas fantasmas. O senado de então abriu vários processos de cassação do senador, mas Lula e o PT agiram para salvar-lhe o cargo.

Dez anos depois, Renan Calheiros não perdeu nem um pouquinho sequer de seu prestígio e poder nos meios políticos. Ele continua em débito com Lula e o PT e por isso manipulou o processo de impeachment, fazendo com que Dilma não perdesse seus direitos políticos. Já agora tem se oferecido para ajudar numa candidatura lulista em 2018. A Procuradoria-Geral da República e o Supremo Tribunal Federal, por outro lado, não levaram sequer Renan a se tornar réu pelo escândalo. Também não há notícia de que sua esposa, traída no caso extra-conjugal, tenha se afastado dele.

Amante e político poderoso: no Alabama e no Senado brasileiro

Revisado por Maíra Pires @mairamacpires

Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *