A tinta que não é tinta para os fãs de Haddad

Do Facebook:

Falei ontem sobre ser de esquerda e lutar contra a própria natureza e distorcer as percepções? Pois aqui temos um caso muito claro:

No fim de semana, uma chuva fez escorrer da obra de uma ciclofaixa tinta vermelha por toda a avenida Paulista. Uma equipe da Rede Globo foi até lá e mostrou o local que está sendo pintado, mostraram também a tinta escorrendo e o acúmulo, além de conversar com os cidadãos indignados com a burrice e desperdício.

Diante de tudo isso, um site de ativistas pró-Haddad faz uma postagem para dizer que a tinta, embora pinte como tinta, tenha cor de tinta e manche como tinta, não era tinta! O que escorreu não era tinta pura, mas o extrato de “concreto pigmentado”. Como se a pigmentação não fosse uma tinta e como se aquilo tudo que escorreu não fosse um desperdício. E tem este trecho:

“O que escorreu para a avenida foi, portanto, pó do concreto vermelho. Não foi tinta.”

E não é ainda pior que seja um “pó de concreto” a invadir o resto da Paulista? É certo que uma obra deixe sujeira que pode se espalhar pelas proximidades com uma chuva?

Os militantes tentaram condenar com um aspecto técnico uma reportagem que se sustenta muito mais na indignação dos populares do que em qualquer tecnicidade. Qualquer pessoa normal se revolta ao ver desperdício e sujeira jorrando de uma obra pública. E mesmo com os dados apresentados pelos militantes a indignação dos populares continuaria a mesma pois, se escorreu o “pigmento” do concreto colorido, é certo que ele de alguma forma perdeu a cor e precisará ser pintado novamente.

Leiam abaixo o post dos militantes jihaddadistas http://vadebike.org/2015/03/tinta-ciclovia-av-paulista-manchou-asfalto/

TintaCiclofaixa

17 comentários para “A tinta que não é tinta para os fãs de Haddad

  1. Julio

    Só na obra de vocês que 100% da areia ou do concreto são utilizados e não escapa nada para ser levado depois pela chuva. Tenham dó! A Rede Globo já não passou vergonha suficiente falando da tinta vermelha que foi levada pela chuva, da pintura que teria que ser refeita etc. etc.? Vocês realmente precisam passar vergonha juntos, cavando argumentos para não dar o braço a torcer? Vão caçar algum problema sério na gestão Haddad para criticar, que eu tenho certeza de que encontrarão vários (assim como encontrarão no governo Alckmin, se não agirem de modo partidário). Primeiro enxergam tinta onde não tem, depois, para não perder a disputa boboca, querem igualar areia pigmentada a tinta, e ainda inventar a obra com 100% de aproveitamento dos materiais. E ainda dizem que é exclusividade da esquerda “lutar contra a própria natureza e distorcer as percepções”.

    Responder
    • Da CiaDa Cia Posts do autor

      A repórter da Globo pega nas mãos algo que é tudo, menos “areia pigmentada”. E vocês que cheiram peido do prefeito devem entrar num acordo: é pigmento, concreto pigmentado ou areia pigmentada? Cada um fala algo diferente.

      Responder
  2. josé

    O que tem que ser levantado acerca dos debates que envolvem as ciclofaixas é que esta é uma medida completamente ELITISTA. Apontar com fatos, dados e argumentos que tudo o que vem sendo feito serve a apenas uma pequena e inexpressiva parcela de afortunados seria um verdadeiro tapa na cara dos socialistas de plantão. As ciclofaixas são completamente elitistas, afinal, será que alguém que mora no Grajaú, Campo Limpo, Capão Redondo Valo Velho, Cidade Dutra e por aí vai teria condições de ir pedalando ao trabalho? Geralmente no Centro, Vila Mariana, Vila Clementino, Santo Amaro e inúmeros outro bairros mais ao centro. E o pessoal que lota a Radial Leste pela manhã? Fascistas desgraçados!!!!!!!! Todos em seus malditos carros!!!!!!! Afinal para o cidadão que mora na Zona Leste seria muito fácil pedalar até o Centro ou Zona Sul e arredores….. Em suma, será mesmo que todas essas ciclofaixas são para a maioria da população? Será que elas atendem aos usuários da classe média ou baixa como atende aos da classe alta????? Será que alguém que bate cartão as 7 ou 8 da manhã e trabalha ininterruptamente até as 17 ou 18 horas tem como se dar esse luxo de ir e voltar pedalando???? Certamente se assim ocorresse em poucos anos seríamos uma cidade de TRIATLETAS. Outra coisa muito interessante e pouco divulgada pelos ativistas do bem que ilustra o que eu digo são os valores de bicicletas. Eu mesmo um ciclista me espanto com o valor das bikes, em revistas especializadas do ramo moutain bikes do ramo são mostradas pelo valor inicial de R$ 3.500,00, dadas ainda como sendo modelos “de entrada” para “iniciantes nas modalidades”, bikes de speed como a nossa velha caloi 10 então saem o valor de um bom carro, a própria caloi 10 atualizada sai por R$ 999,00 em lojas do ramo. Eu próprio estou montando uma bicicleta um pouco melhor para mim e comprando peças pela pela internet e montando em casa mesmo vou gastar por volta de R$ 1.400,00, isto para um bike considerada mediana no meio. Vocês podem conferir aqui: http://www.decathlon.com.br/rodas/bicicletas/urbanas-e-dobraveis e aqui: http://www.decathlon.com.br/rodas/bicicletas/urbanas-e-dobraveis
    Uma bicicleta super simples sai por R$ 400,00, seria um valor justo para alguém que ganha R$ 800,00 ou R$ 1.000,00 e ainda vai ter que suar a camisa para ir e voltar ao trabalho? Com R$ 3.000,00 vc copra uma moto e com ainda menos vc consegue um scooterzinho que vai te levar para qualquer lugar de uma maneira rápida e econômica, vc ainda pode levar sua mulher ou namorada ou até um colega sem que a pessoa tenha que ir “no cano”. Será mesmo que ainda assim vão achar que os moradores das periferias serão beneficiados com as tais faixas?????? Seria mesmo interessante uma pesquisa sobre a classe social, a ocupação e o padrão de deslocamento dos usuários das ciclofaixas, para só então podermos afirmar se estas servem ao POVO ou a uma exclusivíssima faixa mais afortunada de moradores. Nós não somos contra ciclovias, só que uma cidade do porte de São Paulo antes de pensar nisto precisaria evoluir muito em ruas, avenidas, pontes, viadutos, trem, metrô….

    Responder
  3. Alexandre Sampaio Cardozo de Almeida

    São Paulo, 4 de março de 2.015

    Apenas complemento a indispensável colaboração do Sr. Leandro Pimenta aos defensores do Haddad: “Aurélio”: DICIONÁRIO, também popularmente conhecido como “pai dos burros”.

    Responder
  4. Cidadão Kane

    O mais engraçado é ver a revoltinha dos talibans de duas rodas no site videbike.Esse pessoal adora falar em respeito ao ciclista mas é o transeunte aqui que tem de aturar eles andando de bicicleta na calçada (não sei se em SP é assim, mas aqui no RJ eu tenho que dividi o pouco de calçada que tem com essa turma que condena quem anda de carro enquanto atrapalha a vida do pedestre).
    Sobre o Haddad, pelo que eu andei sabendo, só tem popularidade nas redes sociais.

    Responder
    • Francisco

      É assim no Brasil inteiro. Em Porto Alegre, outra cidade em que um idiota pintou faixas de ciclovazias e atrapalhou o trânsito onde pôde, eles se juntam em bandos e ficam deliberadamente atrapalhando o trânsito. E quando você está a pé tem que tomar mais cuidado com eles do que com os carros, pois passam a toda no “seu” espaço, queixo erguido, olhos no infinito, orgulhosos de estarem “salvando o planeta”.

      Responder
  5. Roberto

    Claro que não é tinta. Depois que soubemos que a pintura custa mais de R$ 600.000,00 por quilômetro, a petralhada agora pode falar que “não é a tinta que é cara, é o concreto”…

    Responder
  6. Andre Pasqualini

    Sim “fio”, não é tinta. O que escorreu foi areia pintada de vermelho. Sabe qual a diferença? É que depois de seco o que vai ficar na roda da zelosa motorista é uma areia vermelha que vai sair com um assoprão.

    Esse concreto pigmentado só existe porque a Prefeitura comprou uma máquina que já faz o concreto na cor da Ciclovia (que é vermelho porque o CTB atualizado na era FHC manda e não por causa do PT). O que aconteceu ali foi que parte dessa areia escorreu por causa da chuva, algo comum de vermos até mesmo próximo das obras do Metro, a diferença é que lá não usam areia vermelha.

    E falar que o blog é de um “Fã do Haddad” é mais irônico ainda. Eu mesmo virei fã do Haddad, isso porque depois de mais de 10 anos de militância, lutando para vermos nossos governantes investirem em transporte público e bicicleta pra valer, finalmente temos um prefeito com o qual consigo me orgulhar. Mas a maior ironia do destino é que eu e esse “fã do Haddad” em questão trabalhamos na montagem do Plano de Governo do Serra nas eleições passadas e não nos arrependemos, pois fizemos isso não como milicos partidários, mas como cidadãos, simples assim.

    “Sabe de nada inocente…”

    Responder
    • Da CiaDa Cia Posts do autor

      Leia em voz alta seu argumento e tente perceber a estupidez. Você quer dizer que por ser “apenas areia” (se o fosse) isso não seria um problema. Você realmente acha normal que concreto (primeiramente você falou que era areia, depois mudou para concreto) escorra numa chuva, sujando o resto da via e espalhando isto para as galerias pluviais? Ainda mais na principal avenida da cidade? Acha que todos devem considerar essa a coisa mais natural e nem mesmo os populares têm o direito de criticar?
      E sim, o site “Vá de bike” é inegavelmente favorável a Haddad. Qual o problema? Assuma isso! Veja os posts, é uma assessoria voluntária. Eu chamei de “fã do Haddad”, ele é dos poucos petistas que ainda não tem uma condenação criminal, nem é uma ofensa tão grave. Se eu chamasse de “site petista” aí eu confesso que seria pegar pesado. Haddad ainda precisa de muito para chegar ao nível dos cabeças de seu partido (Genoíno, JP Cunha, Berzoini, Dirceu, Delúbio, Vaccari).
      Essa baboseira aí de que trabalhou para o Serra é só uma tentativa de buscar um isentismo, espécie de licença para elogiar de forma distante o seu admirado e ao mesmo tempo fazer um auto-elogio. Aliás, muita gente é contratada para fazer planos de governo e outros pacotes de serviço para políticos sem ter nenhuma afinidade com eles.

      Responder
      • Douglas

        Concreto depois de enrijecido não faz isso que está nos vídeos nem aqui na Terra e nem em Marte.

        Areia também não. A areia misturada no concreto não se solta nem com ácido puro, imagine com água da chuva.

        Ou é tinta ou é tinta. Não possui outra opção.

        Responder
    • João

      * se for “areia vermelha” é ok? pq vai tudo pro bueiro e depois pras águas fluviais. é ok considerar normal ficar daquele jeito na chuva? com todo o respeito, eu já bati muita laje na minha quebrada, e o mais sujinho não é capaz de fazer uma barbeiragem dessas com a “areia” pra ser levada pela chuva.

      * prefeitura comprar máquina de fazer concreto cá pra nós é um absurdo de gestão, pq é um gasto 24×7. qd na vdd deveria contratar uma empresa especializada e pagar as horas gastas da máquina. outra coisa: vc tem q decidir se é areia ou concreto.

      *o autor não falou q era vermelho por causa do pt.

      * comum nada não, E se tem no metrô (coisa q nunca vi) isso não é justificativa.

      * é fã sim.

      * montou plano nada. dar sugestão e ser ouvido não é montar plano de governo.

      sabe menos q nada, inocente.

      Responder
    • josé

      É muito fácil o Estado negligenciar a infra estrutura da cidade por mais de 30 anos deixando a mobilidade chegar ao caus que está e depois vir com estas idéias fantásticas como se fossem o “futuro”, não gastam nada para fazer 1000 km desse lixo que de nada adianta, e de quebra ainda saem como vanguardistas e ótimos gestores. O pior é que gente como o Sr. que paga em tributos o suficiente para termos uma infra estrutura de fazer inveja aos americanos e que vive em um lugar capenga e decadente, mas com uma faixinha de bike, acha tudo excelente, as mil maravilhas. Lamento muito achar tudo isto uma idiotice, o que o povo paulistano pagou em impostos desde a década de 80 vale muito mais que estas faixinhas medíocres que atendem a uma parcela mais medíocre ainda da população. O que muitos omitem é que todos estes cicloativistas bem que possuem seus carros novos para irem a noite em seus eventos, viajarem com a família e etc…. Eu pago o suficiente para ter uma avenida de 8 faixas aqui no bairro, porque eu tenho que me contentar com menos????

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *