Arca Reaça

@reaconaria

A Constituinte é um golpe Parlamentar – Élio Gaspari

A “Arca Reaça” resgata hoje uma coluna de Élio Gaspari sobre a última vez em que se inventou essa palhaçada de Constituinte exclusiva para reforma politica. Publicada em 06/08/2006, na Folha de São Paulo .Antes de ler, deve-se ressaltar que de lá para cá, a supremacia petista nas casas legislativas e no poder econômico do país só aumentou.

A Constituinte é um golpe parlamentar

A PROPOSTA de convocação de uma eleição para formar uma Assembléia Constituinte depois de outubro é golpista, dissimulada, velha e suicida. É golpista porque pretende obter de um Congresso desmoralizado uma emenda constitucional que eleja e instale uma Constituinte alavancada pelo resultado presidencial de outubro. A idéia foi endossada por Nosso Guia e pelo comissário Tarso (“Fora FHC”) Genro.

Em tese, seria uma Constituinte para fazer a reforma política. Trata-se de matéria que não precisa desse remédio e que não prosperou nos últimos anos porque o governo preferiu manter aberto o guichê pagador da corrupção política. O que se busca é a afirmação autoritária do Poder Executivo.

O governo tem hoje uma bancada sólida de 250 votos num Congresso de 594 cadeiras. Na próxima eleição o PT poderá perder pelo menos 20 de seus 81 deputados. Estimando-se que os outros partidos de mensaleiros e sanguessugas percam outras 20 cadeiras, avizinha-se um Congresso onde Lula, reeleito com pelo menos 50 milhões de votos, terá vida dura. A Constituinte será um videoteipe editado. Algo que permita mostrar Roberto Carlos tirando o passe de Zidani do caminho de Henry.

Quando Lula diz que os deputados e senadores deste Congresso não podem fazer uma reforma política porque “estão legislando em causa própria”, ofende a inteligência da escumalha: De onde virão os constituintes? Do sistema político brasileiro ou de Marte? Vedando aos eleitos de outubro o direito de concorrer à Constituinte, os çábios inventarão o poder da ponta de estoque, com uma bela bancada de refugados.

A proposta é golpista porque pretende modificar o curso das instituições nacionais. Isso já foi feito duas vezes. Em 1840 o Parlamento golpeou a Regência declarando a maioridade de D. Pedro 2º aos 14 anos. Em 1961, noutro golpe, instalou-se um regime parlamentarista para mutilar os poderes de João Goulart, presidente constitucional do país.

A proposta é dissimulada porque irá além do pretexto da reforma política. Gerará uma situação parecida com a da Venezuela de Hugo Chávez, a Bolívia de Evo Morales e a Argentina das últimas reformas de Néstor Kirchner.

Ficando-se no varejo partidário, pretende-se revogar os efeitos das cláusulas de desempenho, que afastam da bolsa da Viúva os partidos sem votos. Isso e mais o voto de lista, pelo qual a patuléia não escolherá mais os deputados. Ele virão empacotados pelas cúpula$ partidária$.

A Constituinte de Nosso Guia será um fator de instabilidade política sem paralelo nas últimas décadas. Para gosto de seus mais radicais adversários, recolocará o tema da legalidade no pano verde da política nacional.

O truque da Constituinte como gazua presidencial já foi usado duas vezes. Em 1945, Getúlio Vargas empurrou com mão de gato a campanha da “Constituinte com Getúlio”. Em março de 1964, Leonel Brizola defendeu a eleição de uma Constituinte, a partir do fechamento do Congresso (coisa que Lula jamais sugeriu). Deposto, o Pai do Pobres foi para São Borja. Exilado, Brizola foi para o Uruguai. Nos dois casos, a manobra serviu muito bem aos adversários.

“Os primeiros 40 anos”, por Roberto Civita

Este foi apenas um dos excelentes editoriais e cartas ao leitor escritos por Roberto Civita. Neste, comemoravam-se os 40 anos da revista VEJA.

Os primeiros quarenta anos

Esta Edição Especial de VEJA comemora os primeiros quarenta anos de história da revista com uma retrospectiva dos principais acontecimentos no Brasil e no mundo, com destaque para 1968, o ano da criação da revista, e 2008, quando os brasileiros finalmente começam a desfrutar da maturidade econômica, política e social conquistada no decorrer das quatro últimas décadas.

Para a nossa enorme satisfação e orgulho, VEJA continua sendo a maior, a mais influente e a mais prestigiada revista brasileira. Atribuímos isso ao compromisso permanente da revista com os seus mais de 5 milhões de leitores, e com o Brasil. Desde a sua primeira edição, em setembro de 1968, VEJA está empenhada em apresentar semanalmente não apenas um grande leque de informações confiáveis, mas também o contexto e a análise que permitem colocar os fatos em perspectiva e entendê-los melhor.

Jorge Butsuem
SER ÚTIL
Roberto e Victor Civita em 1984: defesa dos interesses do leitor e do Brasil

É fundamental, para isso, que a revista seja independente, isenta, inteligente e responsável. Que não admita pressões de governos e governantes, amigos e inimigos, acionistas e anunciantes. Que busque a objetividade. E que esteja comprometida – sempre – com a liberdade e a verdade.

Evidentemente, não basta declarar boas intenções para realizá-las. É preciso reunir centenas de competentes jornalistas, treiná-los, motivá-los e liderá-los com sensibilidade, imaginação e talento. VEJA tem conseguido fazer isso ao longo destes anos todos, graças em especial aos seus extraordinários e sucessivos Diretores de Redação Mino Carta, José Roberto Guzzo, Mario Sergio Conti, Tales Alvarenga e – atual e notadamente – Eurípedes Alcântara.

O sucesso de VEJA depende – acima de tudo – do fato de ela ser útil aos seus leitores. Depende também de milhares de outras pessoas envolvidas na sua impressão, comercialização, operação de assinaturas, distribuição e entrega. E das centenas de agências de publicidade e anunciantes que reconhecem a importância da revista e tanto contribuem para viabilizá-la com os seus belos e informativos anúncios.

Nada mais oportuno, neste momento de celebração, que reiterar o compromisso permanente de VEJA com a transformação do importante em interessante, com a isenção e a responsabilidade jornalística, e com a defesa intransigente dos interesses do Brasil. Como escreveu o nosso fundador, meu pai, Victor Civita, nos dez anos da revista:

Os perigos do meio sucesso, por Roberto Campos

Hoje no ArcaReaça um artigo do valiosíssimo Roberto Campos. O economista, político, escritor e diplomata escrevia belos artigos tendo passado pela Revista VEJA, pelos jornais Folha e Estado de São Paulo. Um enorme acervo de Roberto Campos é mantido nesse site há muitos anos:http://pensadoresbrasileiros.home.comcast.net/~pensadoresbrasileiros/RobertoCampos/

O artigo para o ArcaReaça é daqueles que, tirando as menções fatuais necessárias à época, possui uma ideia geral baseada em princípios ainda válidos para hoje.

Os perigos do meio sucesso
Roberto Campos,  Veja, 30/9/98

Sempre acreditei que os países são salvos pelas grandes “vitórias” ou pelas grandes “derrotas”. O perigo é o “meio sucesso”. As grandes vitórias inspiram autoconfiança e são a vitamina de futuras realizações.

As grandes derrotas tornam a sociedade plástica para aceitar reformas. A desilusão torna-se a semente da transformação.

O problema brasileiro nas últimas décadas foi o “meio sucesso”. Por longo tempo, o Brasil conseguiu uma convivência entre alta inflação e rápido desenvolvimento. Enquanto a Europa nos anos 70 sofria de “estagnação”, nós tínhamos “crescinflação”. Com isso, a sociedade desenvolveu extraordinária tolerância para com a inflação.

Havia mesmo quem considerasse que um pouco de inflação era indispensável ao crescimento. E as esquerdas brasileiras nunca entenderam que na raiz da vergonhosa concentração de renda no Brasil estavam o governo (que descurou da educação básica) e a inflação (que expoliou indecentemente os pobres).

Outros países da América Latina jugularam a inflação antes de nós: a Argentina porque sofreu três hiperinflações; o Chile porque além da hiperinflação de Allende passou por uma guerra civil ideológica.

O Brasil foi também o mais lento e resistente nas privatizações. É também o resultado do “meio sucesso”. Criamos empresas estatais que, se ineficientes por parâmetros mundiais, pareciam razoavelmente eficazes no contexto latino-americano. Assim, a Petrossauro era tecnologicamente superior à YPF argentina (antes e privatizada) e à Pemex (cuja única vantagem era ser uma vaca leiteira para o Tesouro mexicano).

O Plano Real foi uma brilhante ginástica financeira assente em três pivôs: a âncora cambial, a desindexação (pela URV) e a política monetária restritiva de juros altos. A base fiscal, como o próprio nome o indica – Fundo Social de Emergência -, providenciou apenas um temporário equilíbrio. Fomos excepcionalmente beneficiados no início com a liquidez internacional, que permitiu ampla liberalização de importações, sem constrangimento cambial.

Mas a maldição do “meio sucesso” também persegue o Plano Real. Sendo êxito espetacular no estancamento da inflação, foi medíocre na reestruturação do Estado e das finanças. Houve rápido progresso nas reformas ideológicas, como a abolição dos monopólios estatais ou da discriminação contra empresas estrangeiras.

Com as privatizações, avançamos no “redimensionamento” do Estado, superando a falsa sacralidade estratégica que cercava a Vale do Rio Doce ou a Telebrás. Mas estamos atrasados na “reestruturação” do Estado, objeto das reformas previdenciária, fiscal e administrativa. Esse atraso se deve em parte à interferência da tese da reeleição, que dominou por algum tempo a agenda política. Em parte, houve demasiada complacência com o déficit público, porque a liquidez internacional permitia seu financiamento (aparentemente indolor) por capitais voláteis.

Hoje, as coisas mudaram. Estamos pagando as penalidades do “meio sucesso”. O mundo reconhece as grandes transformações estruturais da economia brasileira efetuadas por FHC. Mas, depois dos prejuízos decorrentes das crises asiática e russa, recusa-se a continuar financiando nossos déficits cambiais, vistos cada vez mais como esbórnia do governo e não como expansão produtiva do setor privado.

Completar o “meio sucesso” do Plano Real com um enérgico programa de austeridade fiscal é nossa principal tarefa pós-eleitoral. Não há mais espaço para gradualismo na redução do déficit, porque não há mais financiadores pacientes.

Austeridade fiscal não consiste em aumentar impostos, e sim em cortar gastos, simplificar o sistema e redistribuir mais eqüitativamente a carga fiscal. E, uma vez que estamos na era da informática, substituir o artesanato dos impostos declaratórios por impostos cobrados eletronicamente.

 

O ex-covarde, por Nelson Rodrigues

Trazemos agora no ArcaReaça um artigo de Nelson Rodrigues que está presente na coletânea “A cabra vadia”.  Trata-se de um belíssimo artigo autobiográfico em que relata fatos tristes e marcantes de sua história.
“A cabra vadia” está disponível na Apple Store em lojas online e também em muitos sebos espalhados pelo Brasil .

nelson-rodrigues---foto-arquivo-publico-do-estado-de-sao-paulo-3

O ex-covarde

Nelson Rodrigues

Entro na redação e o Marcelo Soares de Moura me chama. Começa: – “Escuta aqui, Nélson. Explica esse mistério.” Como havia um mistério, sentei-me. Ele começa: – “Você, que não escrevia sobre política, por que é que agora só escreve sobre política?” Puxo um cigarro, sem pressa de responder. Insiste: – “Nas suas peças não há uma palavra sobre política. Nos seus romances, nos seus contos, nas suas crônicas, não há uma palavra sobre política. E, de repente, você começa suas “confissões”. É um violino de uma corda só. Seu assunto é só política. Explica: – Por quê?”

Antes de falar, procuro cinzeiro. Não tem. Marcelo foi apanhar um duas mesas adiante. Agradeço. Calco a brasa do cigarro no fundo do cinzeiro. Digo: – “É uma longa história.” O interessante é que outro amigo, o Francisco Pedro do Couto, e um outro, Permínio Ásfora, me fizeram a mesma pergunta. E, agora, o Marcelo me fustigava: – “Por quê?” Quero saber: – “Você tem tempo ou está com pressa?” Fiz tanto suspense que a curiosidade do Marcelo já estava insuportável.

Começo assim a “longa história”: – “Eu sou um ex-covarde.” O Marcelo ouvia só e eu não parei mais de falar. Disse-lhe que, hoje, é muito difícil não ser canalha. Por toda a parte, só vemos pulhas. E nem se diga que são pobres seres anônimos, obscuros, perdidos na massa. Não. Reitores, professores, sociólogos, intelectuais de todos os tipos, jovens e velhos, mocinhas e senhoras. E também os jornais e as revistas, o rádio e a tv. Quase tudo e quase todos exalam abjeção.

Marcelo interrompe: – “Somos todos abjetos?” Acendo outro cigarro: – “Nem todos, claro.” Expliquei-lhe o óbvio, isto é, que sempre há uma meia dúzia que se salve e só Deus sabe como. “Todas as pressões trabalham para o nosso aviltamento pessoal e coletivo.” E por que essa massa de pulhas invade a vida brasileira? Claro que não é de graça nem por acaso.

O que existe, por trás de tamanha degradação, é o medo. Por medo, os reitores, os professores, os intelectuais são montados, fisicamente montados, pelos jovens. Diria Marcelo que estou fazendo uma caricatura até grosseira. Nem tanto, nem tanto. Mas o medo começa nos lares, e dos lares passa para a igreja, e da igreja passa para as universidades, e destas para as redações, e daí para o romance, para o teatro, para o cinema. Fomos nós que fabricamos a “Razão da Idade”. Somos autores da impostura e, por medo adquirido, aceitamos a impostura como a verdade total.

Sim, os pais têm medo dos filhos, os mestres dos alunos. o medo é tão criminoso que, outro dia, seis ou sete universitários curraram uma colega. A menina saiu de lá de maca, quase de rabecão. No hospital, sofreu um tratamento que foi quase outro estupro. Sobreviveu por milagre. E ninguém disse nada. Nem reitores, nem professores, nem jornalistas, nem sacerdotes, ninguém exalou um modestíssimo pio. Caiu sobre o jovem estupro todo o silêncio da nossa pusilanimidade.

Mas preciso pluralizar. Não há um medo só. São vários medos, alguns pueris, idiotas. O medo de ser reacionário ou de parecer reacionário. Por medo das esquerdas, grã-finas e milionários fazem poses socialistas. Hoje, o sujeito prefere que lhe xinguem a mãe e não o chamem de reacionário. É o medo que faz o Dr. Alceu renegar os dois mil anos da Igreja e pôr nas nuvens a “Grande Revolução” russa. Cuba é uma Paquetá. Pois essa Paquetá dá ordens a milhares de jovens brasileiros. E, de repente, somos ocupados por vietcongs, cubanos, chineses. Ninguém acusa os jovens e ninguém os julga, por medo. Ninguém quer fazer a “Revolução Brasileira”. Não se trata de Brasil. Numa das passeatas, propunha-se que se fizesse do Brasil o Vietnã. Por que não fazer do Brasil o próprio Brasil? Ah, o Brasil não é uma pátria, não é uma nação, não é um povo, mas uma paisagem. Há também os que o negam até como valor plástico.

Eu falava e o Marcelo não dizia nada. Súbito, ele interrompe: – “E você? Por que, de repente, você mergulhou na política?” Eu já fumara, nesse meio-tempo, quatro cigarros. Apanhei mais um: – “Eu fui, por muito tempo, um pusilânime como os reitores, os professores, os intelectuais, os grã-finos etc, etc. Na guerra, ouvi um comunista dizer, antes da invasão da Rússia: – “Hitler é muito mais revolucionário do que a Inglaterra.” E eu, por covardia, não disse nada. Sempre achei que a história da “Grande Revolução”, que o Dr. Alceu chama de “o maior acontecimento do século XX”, sempre achei que essa história era um gigantesco mural de sangue e excremento. Em vida de Stalin, jamais ousei um suspiro contra ele. Por medo, aceitei o pacto germano-soviético. Eu sabia que a Rússia era a antipessoa, o anti-homem. Achava que o Capitalismo, com todos os seus crimes, ainda é melhor do que o Socialismo e sublinho: – do que a experiência concreta do Socialismo.

Tive medo, ou vários medos, e já não os tenho. Sofri muito na carne e na alma. Primeiro, foi em 1929, no dia seguinte ao Natal. Às duas horas da tarde, ou menos um pouco, vi meu irmão Roberto ser assassinado. Era um pintor de gênio, espécie de Rimbaud plástico, e de uma qualidade humana sem igual. Morreu errado ou, por outra, morreu porque era “filho de Mário Rodrigues”. E, no velório, sempre que alguém vinha abraçar meu pai, meu pai soluçava: – “Essa bala era para mim.” Um mês depois, meu pai morria de pura paixão. Mais alguns anos e meu irmão Joffre morre. Éramos unidos como dois gêmeos. Durante 15 dias, no Sanatório de Correias, ouvi a sua dispnéia. E minha irmã Dorinha. Sua agonia foi leve como a euforia de um anjo. E, depois, foi meu irmão Mário Filho. Eu dizia sempre: – “Ninguém no Brasil escreve como meu irmão Mário.” Teve um enfarte fulminante. Bem sei que, hoje, o morto começa a ser esquecido no velório. Por desgraça minha, não sou assim. E, por fim, houve o desabamento de Laranjeiras. Morreu meu irmão Paulinho e, com ele, sua esposa Maria Natália, seus dois filhos, Ana Maria e Paulo Roberto, a sua sogra, D. Marina. Todos morreram, todos, até o último vestígio.

Falei do meu pai, dos meus irmãos e vou falar também de mim. Aos 51 anos, tive uma filhinha que, por vontade materna, chama-se Daniela. Nasceu linda. Dois meses depois, a avó teve uma intuição. Chamou o Dr. Sílvio Abreu Fialho. Este veio, fez todos os exames. Depois, desceu comigo. Conversamos na calçada do meu edifício. Ele foi muito delicado, teve muito tato. Mas disse tudo. Minha filha era cega.

Eis o que eu queria explicar a Marcelo: – depois de tudo que contei, o meu medo deixou de ter sentido. Posso subir numa mesa e anunciar de fronte alta: – “Sou um ex-covarde.” É maravilhoso dizer tudo. Para mim, é de um ridículo abjeto ter medo das Esquerdas, ou do Poder Jovem, ou do Poder Velho ou de Mao Tsé-tung, ou de Guevara. Não trapaceio comigo, nem com os outros. Para ter coragem, precisei sofrer muito. Mas a tenho. E se há rapazes que, nas passeatas, carregam cartazes com a palavra “Muerte”, já traindo a própria língua; e se outros seguem as instruções de Cuba; e se outros mais querem odiar, matar ou morrer em espanhol – posso chamá-los, sem nenhum medo, de “jovens canalhas”.

(texto originalmente disponível em http://www.grupotempo.com.br/tex_excovarde.html

Depoimento de um idiota

Para inaugurar o ArcaReaça trazemos este post que originalmente foi publicado por volta de 2005, mas após o usuário abrir um novo blog, acabou ficando para posteridade neste endereço. De forma bem-humorada e numa época em que “O guia do perfeito idiota latino-americano” era um sucesso de vendas, o autor sob pseudônimo José Gedankien  conta a história de sua guinada político-filosófica:

Depoimento de um Idiota

Nossa história começa com a família do idiota. Neto por parte de mãe de um casal que pertenceu ao Partido Comunista ainda na ilegalidade, o nosso herói cresce em um ambiente onde quanto mais à esquerda, melhor. Seu pai não era muito chegado a discussões políticas, o que não o impediu de ser preso pela ditadura, passar a noite na cadeia, ser interrogado e depois solto sem que nada acontecesse. Foi suficiente, no entanto, para que tanto pai quanto filho odiassem os militares. Uma das frases que o idiota, ainda na adolescência, ouve de seu pai e que ajuda a formar sua convicção política foi “Toda propriedade é um roubo.” Original, não?

Em 1989, o idiota, então com 14 aninhos, assiste a discursos do candidato operário à presidência. Não há como negar que o cidadão era carismático. O idiota é então convencido de que aquele é o caminho. Sem nada questionar, pega sua bandeira com a estrela vermelha, coloca em sua bicicleta e sai pelas ruas de Brasília em campanha, “sem medo de ser feliz, quero ver chegar!” Grande derrota, primeira decepção política de nosso herói. Mas ele iria se vingar!

Em 1992, secundarista, cabeludo, alienado e com 17 anos, nosso herói faz história. Junto com outros imbecis de mesmo QI, o idiota se veste de preto e vai pedir o impeachment do candidato vencedor nas eleições. Motivo? Parece que tinha um esquema de corrupção, um irmão enciumado dedurou tudo, um motorista (ah sim, pobre é sempre bonzinho!) confirmou, tinha um carro velho no negócio, uma capa da Veja com umas cascatas, e portanto tudo fazia sentido. O que ele estava fazendo estava certo? Não importa! Ele desafiou muita gente poderosa? Não importa! Ele teve direito de defesa? Não importa! A turma que o condenou é essa mesma que hoje rouba vinte vezes mais? Não importa! O que importa mesmo é que somos nós contra eles, e nós temos que dar o troco. Camisa preta, Esplanada, impeachment, vitória! Pela moralidade!

O idiota fica um pouquinho confuso quando o partido que apoiou o impeachment se recusa a participar do governo que surge, isolando a única com coragem de fazê-lo, Luiza Erundina. Eles não queriam isso? O idiota não entende…. De qualquer forma, o governo formado consegue, em dois anos, acabar com a inflação. O ministro da fazenda é eleito e reeleito em primeiro turno, contra o candidato do idiota. Parece que ele está fazendo um bom trabalho, nada demais, mas está funcionando. “Não importa!”- grita mais uma vez nosso herói – “Ele comprou votos para a reeleição, tem corrupção no governo dele, precisamos de ética na política!”

Na eleição de 2002, o idiota começa a perceber que não fará muita diferença um ou outro, pois seu candidato praticamente assumiu que iria continuar tudo como antes. “Pelo menos eles são do bem, são legais, vão cuidar do social ”- pensa o idiota. Nosso herói, agora com 27 anos, formado e com mestrado em engenharia, não se permite mais ilusões. É isso mesmo, nada vai mudar muito, é essa porcaria e pronto.

Mas eis que nosso herói consegue uma bolsa de estudos de doutorado nos EUA (sim, ele era idiota político, mas sabia brincar com os números). Chegando nos EUA, o idiota começa a perceber que existem pessoas lá que tem a coragem de se dizer de direita! “Que afronta! Todos sabemos do que a direita é capaz! Como esses americanos são imbecis,” pensa o idiota. “Primeiro o Bush rouba uma eleição e depois eles reelegem o cara mesmo assim! Um bando de retardados, espertos somos nós que elegemos o Lula.” O idiota começa então a tentar entender isso. Na biblioteca existem livros de direita e de esquerda. Ele lê ambas as correntes políticas. O jornal apresenta colunas dos partidários de ambas as visões políticas. Primeiramente, o idiota fica decepcionado com seus heróis. Não é que eles estão errados, é só que eles não sabem argumentar, pois se eles são de esquerda só podem estar certos. Mas aí vem o grande baque…..

Não são apenas eles que estão errados. O idiota, que se achava o cara mais esperto do mundo, inteligente, articulado, politizado, preocupado com os problemas, esteve todo esse tempo do lado errado. Que vergonha! “Como pude ser tão estúpido?”- pensa nosso herói. Os sinais estavam por toda parte, ele que não quis ver. Como encarar agora todos aqueles que acusava de direitistas, achando que isso era um debate? Começa pedindo desculpas a alguns, ficando calado, procurando mais informações. Mas ainda faltava o grande embate: sua família.

Se dizer de direita numa família de comunistas é um pouco pior do que assumir que é gay numa família de machistas. A saída do armário não foi fácil, mas sua família acabou entendendo. “Ele está maluco”, “Foi doutrinado”, “Isso passa”, etc. Alguns tentaram salvar nosso herói desse caminho: “Calma, meu filho, isso é apenas uma fase. Eu acho isso muito elitista, você deveria pensar no povo. E a miséria do país, quem que vai lutar para resolvê-la se não a esquerda?” Aos poucos, foram cedendo, conformados com a presença daquele maluco, como um tio doido que só precisamos encontrar de vez em quando.

Mas a vergonha de ter sido idiota por tanto tempo ainda incomodava, especialmente quando encontrava amigos que tinham tido paciência com ele na sua época de imbecilidade, paciência essa nem sempre retribuída pelo nosso herói. Mas sua vida fica mais leve quando lê o livro “O Manual do Perfeito Idiota Latino-Americano,” recomendado por um desses amigos. Na melhor parte do livro, os autores colocam eles mesmos como idiotas, com citações da sua época de juventude e imbecilidade. Nem Mario Vargas Llosa, que escreve o prefácio e é pai de um dos autores, escapa. Sua idiotice também está registrada. Concluem então: O problema não é ter sido idiota e sim continuar sendo. O nosso querido idiota fica mais tranquilo. Agora só falta explicar pros outros idiotas…..

Página 6 de 6123456