Alice Salles

@alicesalles

Sobre a Principal Diferença Entre Sociedades Liberais e Socialistas

Se liberais e socialistas não conseguem pelo menos concordar que a vida deve ser preservada e protegida a todo custo, não podemos sequer começar a discutir uma das principais diferenças entre o sistema liberal e o sistema socialista.

CYNARA

Um Sistema Visa a Proteção da Vida, o Outro Visa a Proteção do Partido

A consequência de um sistema que visa uma ditadura como sistema ideal coloca todo o poder do estado nas mãos de um grupo de indivíduos. Isso significa que os sistemas judiciário e legislativo desse estado não serão nunca imparciais. O julgamento de alguém acusado de qualquer que seja o crime nunca será justo já que todos os membros do corpo de funcionários do Estado seguem recomendações do partido. Em uma sociedade governada por homens com ideais deterministas e controladores que sacrificam a vida de muitos pelas vidas de poucos, a oposição se transforma em um atentado contra a soberania nacional.

Qualquer um que usa a lógica contra a paixão socialista é tido como inimigo número um do Estado. Inimigos devem ser eliminados para a mente revolucionária socialista.

Em um sistema liberal que tem como sistema de governo leis que protegem o indivíduo de um governo que pode tentar expandir seus poderes de forma negligente, opositores tem o direito de exercerem oposição. O debate é de fato protegido por lei. A vida do opositor é protegida por lei, porque a lei é cega às diferenças entre cidadãos daquela nação.

Em um sistema que visa a centralização do poder nas mãos de um grupo que segue uma modalidade política apenas e que tem visões políticas uniformes tem uma tendência natural de atuar como opressor daqueles que ousam discordar.

Como a Ideologia Comunista Justifica a Violência

É importante lembrar que o próprio Karl Marx usava o termo ” ditadura do proletariado,” que foi usado pela primeira vez por Joseph Weydemeyer, para descrever o sistema político ideal do Estado socialista perfeito. Apologistas marxistas geralmente dizem que Marx nunca desafiou seus seguidores a derramarem sangue em nome de sua ideologia,  mas o argumento que a maioria dos socialistas usa para justificar o assassinato em massa de

[pullquote]texto destacado à direita teste vamos ver se funciona se num funcionar fazer o que a gente tenta[/pullquote]

seres humanos tem raízes maoístas, portanto marxistas também. Mao Zedong, o revolucionário comunista chinês fundador do partido comunista da China e líder do país durante alguns dos anos mais sangrentos e ainda nebulosos da história, seguia a tradição Marxista-Leninista. Ele justificou o ato de violência contra qualquer “classe” de pessoas em seu “Relatório sobre uma investigação do Movimento Camponês em Hunan” em 1929.

“A revolução não é um jantar, ou escrever um ensaio, ou pintar um quadro, ou fazer bordados, que não pode ser tão refinado, tão agradável e gentil, tão temperado, gentil, cortês, comedido e magnânimo. Uma revolução é uma insurreição, um ato de violência pelo qual uma classe derruba outra.

Um ato de violência pelo qual uma classe derruba a outra.

Desonestidade ou Ingenuidade?

NORTH-KOREA-BORDER-570

Ao afirmar que a violência é sim uma forma legítima de revolta contra quem tem o poder, socialistas muitas vezes ingênuos ou propositalmente desonestos, acabam ignorando certas noções básicas que todos nós como humanos já desenvolvemos naturalmente desde os tempos mais primitivos. O indivíduo sempre entendeu que a cooperação é a forma mais segura de assegurar a sua própria sobrevivência. Nossa tendência natural em seguir certos princípios básicos como a preservação da vida é deixada de lado quando passamos a acreditar que o resultado final será positivo. A violência atual, justificamos com o nosso intelecto, vale a pena por que o sangue derrubado agora ou a dor que hoje alguém experimenta, não poderão ser comparadas a felicidade do coletivo no futuro.

Quando passamos a justificar o apoio a políticas agressivas ou ideologias radicais que negam a lógica, a experiência, o direito de propriedade, as leis da economia e o limite do poder do Estado em relação ao indivíduo, abrimos mão de qualquer responsabilidade pelos nossos atos enquanto homens e mulheres absolutamente donos de nossas razões.

Nos transformamos em mais um membro de um exército marchando na direção de um futuro cruel. Um futuro que hoje é a realidade de milhares, talvez milhões de humanos que tiveram o infortúnio de terem nascido em um país como a Coréia do Norte onde pessoas nascem em cativeiro, são jogadas em campos de concentração ou são fuziladas por motivos mal investigados mesmo após terem trabalhado a vida inteira pelo Partido.

Saber que em um lugar como o Brasil, jovens prestam homenagem a sistemas ditatoriais e comunistas como a Coréia do Norte é um atestado da nossa falta de visão, noção do que vem a ser responsabilidade pessoal e nossa aparente tendência ao mimetismo social por conta da nossa falta de independência intelectual.

Sistema de Vouchers, Friedman e West Wing

No episódio “Full Disclosure” da série West Wing: Nos Bastidores do Poder, o prefeito Democrata de Washington DC decide apoiar o programa de vouchers escolares defendido por Republicanos.

O apoio de um democrata ao programa pareceu estranho para a equipe da administração do presidente democrata da série, mas poucas objeções foram levantadas contra sua decisão, por razões óbvias: até democratas que geralmente seguem a tendência de querer que o governo gaste mais dinheiro de contribuinte com a educação pública admite que o sistema de voucher dá uma oportunidade única para crianças que vêm de famílias com um poder aquisitivo menor. Até democratas admitiam então que nada se compara ao sistema de ensino privado.

Personagens democratas em West Wing. Democratas, democratas EVERYWHERE!

Personagens democratas em West Wing. Democratas, democratas EVERYWHERE!

E você está aí se perguntando exatamente o que é esse tal de sistema de “vouchers” escolares. Pois bem, o voucher serve como um certificado de financiamento que a família da criança pode usar para aplicar como forma de pagamento de mensalidades de uma escola particular. Esse certificado é emitido pelo governo e entregue aos pais da criança buscando uma educação diferenciada por qualquer motivo que seja.

Em muitos casos, escolas públicas não tem estrutura adequada para lidar com crianças com um ritmo particular de aprendizagem. Escolas particulares especializadas podem resolver o problema.

Sob o sistema de educação público atual, pais de crianças que pagam colégios particulares também pagam impostos que são usados para bancar o sistema educacional público. Esses contribuintes estão pagando pela educação duas vezes, ao pagar pela escola particular de seu filho e ao pagar impostos.

Milton Friedman, o economista que lecionava na Universidade de Chicago, foi um grande defensor do sistema de vouchers. Ele costumava dizer que a competição entre escolas particulares e públicas iria, inevitavelmente, melhorar a educação como um todo.

Se há de existir o subsídio, Friedman dizia “faça com que ele [subsídio] seja disponibilizado para os pais, independentemente de onde eles enviam seus filhos – contanto que seja para as escolas que atendem padrões mínimos específicos – e uma grande variedade de escolas vão surgir para atender a demanda.”

David Bowie, Ronald Reagan & o Muro de Berlim

“Heróis”

HwYULcr

“I can remember/ Standing by the wall/ And the guns, shot above our heads/ And we kissed, as though nothing could fall”

Uma jovem cantora chamada Antonia e um produtor musical chamado Tony tinham um relacionamento secreto na Alemanha em meados dos anos 70. Eles se encontravam debaixo de torres de vigia onde guardas da Alemanha Oriental vigiavam o muro de Berlim. Enquanto David Bowie gravava seu disco Heroes em um estúdio na Berlim Ocidental, ele testemunhou um desses encontros. Enquanto escrevia a letra de Heroes, Bowie decidiu contar a história de dois jovens que, por conta do muro erguido pelo bloco oriental, arriscavam-se para poderem se ver.

O Rock influenciou jovens da Alemanha Oriental

Por causa do grande esforço da iniciativa privada e do crescimento do mercado negro por detrás da cortina de ferro, jovens que viviam sob o regime comunista entraram em contato com o Rock and Roll. Moradores da Alemanha Oriental usavam chapas de plástico de raio X para registrar gravações de áudio. As placas eram contrabandeadas do oeste e como eram flexíveis, Orientais escondiam as chapas enroladas em suas luvas. Durante os anos 60, vários álbuns dos Beatles foram distribuídos pela Alemanha Oriental dessa forma.

A música foi responsável por um movimento que eventualmente derrubou a ordem política na União Soviética. Jovens queriam se divertir sem temer por suas vidas. Eles queriam ser livres.

Através da música, elementos da cultura ocidental foram expostos e muitos jovens começaram a entender que a “doença ocidental” nada mais era do que a exaltação do indivíduo como um ser soberano e independente. Por conta do controle governamental sobre a economia e a dependência que o bloco oriental tinha em relação à União Soviética, bens de consumo eram escassos. Por conta da falta de sinais do mercado, planejadores centrais eram incapazes de oferecer produtos e serviços básicos à população. Moradores da Alemanha Oriental sofriam por conta da ineficiência do sistema de planificação. Jovens começaram a notar que no Ocidente, pessoas tinham liberdade o suficiente para trabalharem, ganharem a vida e… fazerem música.

“Derrube este muro!”

Quando o Leste deixou de resistir ao Rock, David Bowie e outros músicos populares da época anunciaram um show no lado ocidental de Berlim com tempo de sobra para que planejadores do evento pudessem anunciar o mesmo com o uso de alto-falantes. Os anúncios podiam ser ouvidos do outro lado do muro onde jovens tiveram tempo o suficiente para se organizarem e desfrutarem do concerto.

Forças armadas do bloco oriental tentaram dispersar as multidões que gritavam em coro “derrubem o muro!” Uma semana depois desse evento, Ronald Reagan disse a Gorbachev durante seu discurso que o muro devia ser derrubado.

tear down this wall

Deturpação do funcionamento da economia de mercado

A União Soviética entrou em colapso econômico justamente porque planejadores governamentais não entendiam que a produção em massa é a única forma de se satisfazer as necessidades de todos os membros do povo. Sem um sistema de preços, o mercado não fornece sinal nenhum aos produtores e um grande número de indivíduos sofrerão as consequências da falta de liberdade econômica.

O ocidente não influenciou o oriente por conta de alguma tática terrível de persuasão do capitalismo, mas sim por que a promessa de uma vida melhor, mais pacífica e próspera por conta do estabelecimento de uma economia de mercado falou mais alto do que o som dos fuzis.

 

Estatização, Petrobras & Observações Equivocadas

Durante um seminário promovido pelo PSDB na Câmara dos Deputados, o senador Aécio Neves afirmou que todos os atuais problemas da Petrobras estão diretamente ligados à perda de eficiência gerada pela partidarização excessiva do PT, o que tem gerado “muita incerteza em relação a novos investimentos.”

psdb

Segundo o senador, o que é necessário para que a Petrobras volte a ser competitiva é uma reestatização.

Durante o pronunciamento na rede nacional, a presidente Dilma Rousseff explicou que o leilão da exploração do pré-sal não pode ser considerado uma privatização, e ela está certa.

O atual arranjo, adotado após o leilão da exploração do pré-sal no Campo de Libra, faz com que o consórcio formado por quatro empresas estrangeiras (duas estatais chinesas, uma empresa francesa e uma anglo-holandesa) arremate o lucro adquirido apenas caso petróleo for encontrado. Enquanto algumas empresas toparam participar dessa aliança, a Petrobras continuou detendo 40% de participação no consórcio, o que só foi feito assim que a estatal Brasileira aceitou desembolsar R$6 bilhões para que o contrato fosse efetuado. Todos sabemos que a Petrobras não tem da onde tirar esse dinheiro, portanto os cofres públicos que provavelmente irão pagar o pato, ou seja, dinheiro de imposto seu, meu e do dono da quitanda estão sendo direcionados para cobrir o investimento.

Representantes distintos dos dois maiores partidos políticos do Brasil podem continuar usando os mesmos termos para defender o que viria a ser a forma correta, sob seus pontos de vista, de fazer com que uma empresa estatal dê lucros e gere riquezas para o Brasil, mas nenhum deles conseguiu identificar exatamente o que viria a ser a política correta para que a competividade seja estimulada e a estatal gere algum lucro.

dilma e aecio

A solução seria privatizar a Petrobras? Claro. Só isso? Não.

A Petrobras é a empresa mais endividada do mundo. Qualquer programa gerenciado pelo governo é ineficiente. A ineficiência é regra, não a exceção.

De acordo com Leandro Roque do Instituto Mises, “qualquer gerência governamental sobre uma atividade econômica sempre estará subordinada a ineficiências criadas por conchavos políticos, a esquemas de propina em licitações, a loteamentos de cargos para apadrinhados políticos e a monumentais desvios de verba.  No setor petrolífero, Venezuela, Nigéria e todos os países do Oriente Médio comprovam essa teoria.”

 Setores tocados pelo governo não visam responder aos sinais que recebem de consumidores. Empresas geridas por uma administração governamental são operadas sem que seus presidentes tenham que temer perder dinheiro, já que qualquer prejuízo será coberto por verba estatal direcionada ao setor. Setores geridos pelo governo não fazem lucro pois operam sem receber resposta alguma do mercado e, em muitos casos, como é também o caso da Petrobrás, operam sem ter de competir com outras empresas.

A falta de incentivos (sim, isso mesmo, lucros são incentivos tão significativos que fazem pessoas, sejam elas comuns ou donas de empresas, trabalharem com mais dedicação!) e a segurança de se poder contar com fundos infinitos (dinheiro de imposto que Brasileiros comuns, assim como você, pagam) fazem com que a empresa estatal seja ineficiente e fadada ao fracasso.

A Petrobras pode continuar existindo, mas sua participação no mercado será apenas minimamente eficiente quando o governo sair de cena e garantir que leis protecionistas percam a validade. Apenas quando outras empresas de energia puderem competir no mercado e o maior número de consumidores possível seja finalmente servido de forma eficiente, é que a Petrobras, então sem nenhum apoio do governo, poderá existir como uma empresa lucrativa.

A Petrobras é do povo.

Portanto deixe com que cada Brasileiro receba uma ação da empresa assim que o governo se retirar de cena e deixe os caminhos livres para empresas do setor da energia competirem.

E a solução?

A solução não é estatizar, reestatizar, semi-estatizar, pré-estatizar ou pós-estatizar a Petrobras, a solução é fechar o rombo que a administração governamental que está no comando gerou e acabar com a mamata da classe burocrata, fazendo com que o povo finalmente tenha controle sobre o que é dele.

Sobre a Paralisação do Governo dos Estados Unidos

Uma batalha intensa entre órgãos da imprensa nos Estados Unidos tem sido travada por conta da paralisação do governo dos Estados Unidos, ou melhor, a paralisação parcial de certas agências governamentais.

Enquanto CNN, uma afiliada da Time Warner e grande doadora de fundos para campanhas de candidatos do partido democrata (partido do Presidente Obama e da maioria de senadores atuantes no congresso), muitas vezes defende a posição que é divulgada pelos senadores democratas, FOX News tem mantido o foco na dificuldade que membros republicanos da Câmara dos deputados tem mostrado nas negociações para definir o orçamento do governo.

O que a grande maioria não explica é como o processo funciona e como a paralisação do governo ocorreu.

Pois vamos lá.

O registro do congresso é claro: a Câmara dos deputados, que é controlada pela maioria republicana, votou para que todos os fundos necessários para que o governo e todas suas agências continuem sendo bancadas sejam garantidos, com uma exceção: o Affordable Care Act, ou ObamaCare.

Isso mesmo. Republicanos na Câmara votaram para manter o governo aberto.

A Câmara de Deputados deve, conforme a constituição dos Estados Unidos, votar para garantir ou reter fundos para qualquer lei, o que faz com que os representantes tenham o poder de controlar os fundos que serão utilizados para financiar qualquer atividade governamental.

O Senado, por sua vez controlado pela maioria de senadores membros do partido democrata, decidiu negar a autorização de fundos para o governo já que representantes na Câmara decidiram vetar fundos para o ObamaCare. O líder da maioria no Senado Harry Reid, que é do partido democrata, decidiu assumir a posição do Presidente Obama e simplesmente se recusou a aceitar o financiamento do governo para que democratas possam continuar defendendo a consolidação do ObamaCare.

Enquanto ele como líder majoritário tem o poder de influenciar outros membros do partido democrata que estão no Senado, a votação foi efetuada e o governo foi parcialmente paralisado.

Todos os membros de agências federais que foram considerados insignificantes foram mandados para casa.

ObamaCare

ObamaCare é uma lei como qualquer outra por ser lei, mas não por ser popular. Foi considerada constitucional pelo supremo tribunal porém não deixa de ser uma lei controversa.

A lei basicamente faz com que a aquisição de assistência médica seja compulsória, ou seja, todos os membros da sociedade são obrigados por lei a pagar por assistência médica, precisando do serviço ou não, tendo condições financeiras para tal ou não. A lei também estipula quais serviços seu plano de saúde deve cobrir.

Isso mesmo.

Se você é jovem, saudável e nunca teve qualquer preocupação com sua saúde e quer ter um plano que cubra o mínimo possível, sua vida virou um inferno depois do primeiro de Outubro, o dia em que a lei passou a ser aplicada.

Enquanto Americanos descobrem que seus planos de saúde estão ficando caríssimos já que precisam cobrir mais coisas para que a lei seja cumprida, o público também é levado a acreditar que os terríveis membros da Câmara foram responsáveis pela paralisação parcial do governo, sem entender que o Senado e o Presidente são de fato os únicos responsáveis pelo ocorrido.

Well-played Obama, well-played ~

Well-played Obama, well-played ~

Página 1 de 512345